Portugal é grande quando abre horizontes

30
Abr 11

 

Copyright V. Ângelo

 

 

 

Alguém me perguntava hoje para que serve a CPLP. É uma pergunta difícil. Mas a verdadeira pergunta será, talvez, o que pode cada Estado membro fazer, sobretudo Portugal, Brasil e Angola, para que a organização tenha mais dinamismo e uma estratégia clara de cooperação e de promoção da língua portuguesa e da cultura dos povos que a integram. 

 

A CPLP, no caso português, tem que ser uma aposta de política externa mais central, de maior prioridade. É um importante multiplicador da nossa influência em certas partes do mundo.

 

Para perceber melhor o que é possível e para evitar cair nos erros que outros cometeram, seria bom que se estudasse a sério o que faz e o que não consegue fazer a Commonwealth Britânica. Mas, a verdade é que a Commonwealth entrou numa fase de letargia profunda. Pouco mais é, agora, que um símbolo. Quanto ao resto, é irrelevante. Convém entender que razões a fizeram chegar essa situação, para evitar que o mesmo não venha a acontecer à CPLP. 

 

 

 

publicado por victorangelo às 20:38
 O que é? |  O que é? | favorito

29
Abr 11

 

Copyright V. Ângelo

 

O Reino Unido provou, uma vez mais, que é uma ilha à parte, mas com uma projecção global. 

 

A riqueza de um país é, também, uma mistura de orgulho nacional e de grande abertura de espírito, de tradição e de modernidade, de respeito pelas instituições e, ao mesmo tempo, de criação, inovação e irreverência sadia.

 

publicado por victorangelo às 18:54
 O que é? |  O que é? | favorito

28
Abr 11

 

Copyright V. Ângelo

 

 

Os povos mais primitivos resolvem tudo à cacetada. E ficam delirantes quando vêem os chefes de tribo engalfinhados. 

 

PS: Não consigo perceber porque escrevi isto, hoje, aqui. 

publicado por victorangelo às 20:47
 O que é? |  O que é? | favorito

27
Abr 11

 

Copyright V. Angelo

 

Passei o dia à volta de Trafalgar Square. A praça, que em tempos normais, já é bastante agitada, parecia hoje uma colmeia de abelhas. Transbordava de actividade. O casamento real era o motivo. Na escadaria principal, que conduz à National Gallery, encontrei o jovem que tem feito de sósia do Príncipe William. Lá estava, pacientemente sentado, provavelmente à espera de uma nova oportunidade do tipo You tube. A vida ainda está para príncipes, agora para imitadores, é feita de altos e baixos.

 

O mesmo se passa com os nossos políticos. Vão tentando imitar outros líderes, fingem que são duros e puros, mas acabam sentados nas escadinhas do poder, reduzidos à simples condição de figurantes.  

publicado por victorangelo às 22:39
 O que é? |  O que é? | favorito

26
Abr 11

Aqui, pela nossa terra, apareceram agora uns lobos vestidos de cordeiro. Falas mansas, que é com mel que se apanham as moscas. O único que saiu para fora do penico foi o que disse que não queria dizer "foleiro". O que lhe vale é que políticos do seu calibre estão muito habituados a meter os pés pelas mãos. São uns artistas.

 

Entretanto, o pessoal do FMI continua a fazer-nos a cama, sem que nós nos importemos por aí além. Estamos convencidos que a nossa habilidade de chico-espertos vai, uma vez mais, dar a volta ao pessoal de olhos azuis.

 

Lá fora, a Europa continua meio adormecida. A questão de Schengen parece ser um problema de Paris e Roma, tão somente. A situação na Síria, dramática que é, deixa os europeus sem fala ou voz que se oiça. Do lado da Líbia, ainda hoje se disse, e mal, que o tempo joga contra o Coronel. Não é verdade. O tempo, o impasse, a falta de uma estratégia clara do lado Ocidental, tudo isso tem um custo elevado para a rebelião. O Conselho Nacional de Transição continua sem apoios e sem capacidade de liderança.

 

O que nos vale é a semana ser curta e haver uma outra ponte dentro de dias. Dá para esquecer.

 

 

publicado por victorangelo às 21:44
 O que é? |  O que é? | favorito

25
Abr 11

Discursos fora, a presença, lado a lado, de quatro Presidentes da República Portuguesa nas comemorações do Dia da Liberdade, foi uma mensagem forte. Espero que tenha sido recebida com clareza pelos dirigentes dos partidos políticos.

publicado por victorangelo às 19:45
 O que é? |  O que é? | favorito

 

Copyright V. Ângelo

 

25 de Abril.

publicado por victorangelo às 09:14
 O que é? |  O que é? | favorito

24
Abr 11

Copyright V. Ângelo

 

Quando, em dia de Páscoa, se pensa na política portuguesa, que mais se pode dizer? 

 

Mas a vida tem altos e baixos...

 

Não se deve perder a vontade de lutar. Como também não se pode perder de vista o que é verdadeiramente estratégico.

publicado por victorangelo às 21:52
 O que é? |  O que é? | favorito

23
Abr 11

O ditador da Síria, Bashar al-Assad, o Assad júnior, como gosto de lhe chamar, não quer entender o mundo de hoje. Continua a viver na ficção que o seu pai criou durante décadas, à custa da repressão, da intriga e do suborno de certas elites e dos líderes tribais. 

 

Agora, o júnior está a marcar o seu encontro com a história. Infelizmente, é cada vez mais claro que esse encontro passa por um tribunal internacional, que o julgue pelos crimes que está a cometer contra o povo sírio.

 

A par do drama que a Síria está a viver, e com os acontecimentos no Iémen e na Líbia a mostrar a força das ideias democráticas, em partes importantes do universo árabe, a Europa Ocidental fechou para férias. Que seja em Lisboa, Paris, Bruxelas ou em Berlim, em Oslo ou em Helsínquia, os europeus resolveram ir para a praia ou para longe. Até parece que não há crise. Mais. Fica-se com a impressão que de dois em dois meses partem todos de férias. 

Não haverá aqui alguma dose de exagero? 

 

É o que pensam, pelo menos, os chineses, outros indianos e os americanos, que tomam doses de férias com mais moderação. 

publicado por victorangelo às 17:43
 O que é? |  O que é? | favorito

22
Abr 11

O Presidente francês tem doze meses difíceis à sua frente. Dentro de exactamente um ano, haverá eleições presidenciais. Pelo andar da carruagem, é quase certo que Nicolas Sarkozy não venha a ser reeleito. Essa perspectiva não lhe agrada de modo algum. Pensa que é um eleito dos deuses, tem destino marcado com a história, que mais ninguém tem o direito de liderar a França, enquanto ele o puder fazer. 

 

Está convencido que, se levar a cabo um certo número de golpes espectaculares, ousados e de matiz populista, isso lhe permitirá recuperar o futuro. Vai tentar tudo por tudo. Procurar captar as atenções e mostrar que é mais vivo do que qualquer um dos outros possíveis adversários. Por isso, temos que estar preparados para todo o tipo de surpresas. 

 

Para já, diz-se que está a planear uma visita à cidade rebelde de Bengasi, nas próximas horas, bem como fechar as fronteiras do seu país ao livre trânsito das pessoas. 

 

Começa bem o seu último ano de poder.

publicado por victorangelo às 20:41
 O que é? |  O que é? | favorito

twitter
Abril 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9





subscrever feeds
<meta name=
My title page contents
mais sobre mim
pesquisar
 
links
blogs SAPO