Portugal é grande quando abre horizontes

19
Dez 16

Embora ande pelo partido há muitos, bons e maus, anos, o meu amigo Fernando não gosta de Passos Coelho. E acha que está na altura de o mostrar publicamente. É uma espécie de aposta no futuro, ou seja, em 2017 ou no ano seguinte. Está convencido que o dirigente actual não se irá aguentar nas canetas por muito mais tempo. Por isso, abrir a boca em público, agora, pode ser um bom investimento junto do senhor que se seguirá. Mesmo que não se saiba quem será esse tal senhor.

E fala bem, o Fernando. Explica que há um défice de direcção, que a liderança perdeu o norte, que não há ideias nem projectos. Tudo muito bem dito, com as palavras certas e os jornalistas a beberem nessa fonte.

Só se esqueceu de acrescentar que não vai à bola com o Passos porque este o não incluiu, contra todas as expectativas e mais algumas, na lista de deputados há cinco anos atrás. E essa é, na verdade, uma razão de fundo. Tão funda, que é inconfessável.

publicado por victorangelo às 20:50
 O que é? |  O que é? | favorito

28
Jul 15

Houve quem achasse que o meu escrito sobre os políticos e os tecnocratas, aqui publicado a 23 de julho, mostrava muito pouco respeito pelos políticos e pelos partidos portugueses. E sugeriram-me que clarificasse a minha posição.

Ora, o meu julgamento é claro e o post revela-o bem. Tenho, na verdade, muito pouca – e nalguns casos, quase nenhuma – admiração pela maneira como se faz política nos partidos da nossa terra. O oportunismo é a palavra que melhor define a situação. E o vazio de ideias, o principal resultado.

Encontrei, na minha vida profissional, em várias organizações internacionais, tecnocratas de grande valor. Um deles, Kofi Annan, por exemplo. Kofi nunca foi eleito para nada, a não ser para Secretário-Geral da ONU, mas não é desse tipo de eleições que estamos aqui a falar, foi toda a vida um funcionário de carreira das Nações Unidas. E vi-o tantas vezes dar cartas e voar bem acima de chefes de Estado e de Governo, que esses sim, haviam recebido um mandato popular e feito carreira nas máquinas dos partidos. Mas no fundo, eram pessoas sem grande capacidade e visão.

Embora Kofi seja o caso mais conhecido, segundo creio, a verdade é que houve e há muitos outros. Ou seja, gente que subiu e ganhou peso e influência nas estruturas internacionais, que lidou ou lida com altos dirigentes políticos e que mostrou e mostra um valor indiscutível. E que acima de tudo, não são “Yesmen”.  

Convém acrescentar, no entanto, e antes de terminar, que tenho a democracia em grande apreço. Não a confundo, todavia, com a maneira como os partidos funcionam neste nosso regime.

 

 

 

 

publicado por victorangelo às 22:11
 O que é? |  O que é? | favorito

07
Mai 11

O mal-estar entre os ministros das finanças europeus mais importantes é evidente. Vem no seguimento das declarações do PM Sócrates, ao dizer que as condições do programa de ajuda financeira eram mais favoráveis, no caso de Portugal. 

 

A Grécia e a Irlanda também não acharam graça a essas declarações de "vitória". Aproveitaram, no entanto, a boleia. Sobretudo, a Irlanda. Pediu, ontem, uma revisão das taxas de juros que lhe são aplicadas.

 

O oportunismo e a má-fé políticas, mesmo ocorrendo num canto perdido da Europa, acabam por fazer mossa noutras terras também.

publicado por victorangelo às 19:05
 O que é? |  O que é? | favorito

16
Out 10

Muitos pensarão, hoje, antes de adormecer, e à vista do que se está a passar, que estamos nas mãos, prisioneiros acorrentados, de uma cambada de incompetentes, chefiados por um gangue de larápios oportunistas.

publicado por victorangelo às 20:16
 O que é? |  O que é? | favorito

11
Out 10

Depois de 2270 km de estrada, só me falta ler algumas das chachadas da imprensa lusa, para ficar completamente fora de jogo.

 

Continua a haver muito fascínio na nossa imprensa e na nossa sociedade pelos senhores das grandes famílias e pelas gentes que enchem as colunas sociais. É próprio do bacoquismo aldeão que define o nosso nevoeiro político e mental.

 

 

publicado por victorangelo às 20:44
 O que é? |  O que é? | favorito

26
Set 09

 

 

Copyright V. Ângelo

 

Quem tem algum poder político-administrativo, na pobreza que é o nosso país, tende a ser arbitrário, clubista e amigo da onça.

 

Falando de animais, as hienas são muitas e os ossos são poucos.

 

O oportunismo é a principal linha de orientação de muitos dos que nos administram, aos mais variados níveis. 

 

Como esta garça africana, que agora passou a viver no meu jardim de N'Djaména, convém estar sempre de olhos bem abertos.

 

 

 

publicado por victorangelo às 16:14
 O que é? |  O que é? | favorito

28
Ago 08

Na política, na vida e no reino dos blogs, o que mais falta faz é a virtude da paciência, as vistas largas, a perspectiva do longo prazo. Há que sair da preocupação do imediato e ver cada questão num horizonte mais amplo.

Fácil de dizer, mas muito difícil de aplicar quando a maioria das pessoas tem apenas o prédio da frente como perspectiva e os políticos estão na coisa pública a prazo limitado, a ver se ganham o seu.

publicado por victorangelo às 15:03
 O que é? |  O que é? | favorito
Interveniente: Alerta

twitter
Novembro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30


<meta name=
My title page contents
mais sobre mim
pesquisar
 
links
blogs SAPO