Portugal é grande quando abre horizontes

04
Set 08

 

Sem uma classe de líderes desinteressados, verdadeiramente dedicados `a causa pública, e com uma visão moderna de Portugal e do seu futuro, o nosso país continuara' no marasmo em que se encontra. Continuara' a perder pontos em relação aos nossos concorrentes europeus, e não só.

 

Não e' apenas a questão da dedicação ao serviço público, sem intenções de ganho pessoal, que conta. E' também uma perspectiva que abra Portugal `as novas oportunidades que a globalização e a integração europeia oferecem.

 

Líderes dedicados, mas com ideias do passado, inspirados por velhas grelhas ideológicas, do tempo da guerra fria e da cultura da foice e da chave de fendas, ou pelo conservadorismo da sociedade rural e arcaica, que já fomos, das caminhadas para as fátimas que nos esgotavam, não nos levam a parte alguma.

 

Líderes prenhes de interesses pessoais, verdadeiros gestores de fortunas de família, na caça ao tesouro,  e de grupos de amigos que se repartem o pequeno bolo que existe, são, por outro lado, moeda corrente. Estamos nas suas mãos e a moral política sofre da sua falta de moralidade.

 

Não há dúvidas que temos um sério problema de liderança em Portugal.

 

 

publicado por victorangelo às 22:29

twitter
Setembro 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
11
12


25
27



subscrever feeds
<meta name=
My title page contents
mais sobre mim
pesquisar
 
links
blogs SAPO