Portugal é grande quando abre horizontes

02
Out 08

O comentário de LFBT sobre o que se deve esperar da justiça e' de uma grande inteligência e muito justo.

 

A justiça só deve existir para servir a justiça e nada mais. Essa e' a mensagem que sobressai da sua intervenção. Mesmo em Portugal, onde não funciona, porque o sistema judiciário faz lobby junto do governo para que não tenha recursos suficientes, nomeadamente mais pessoal, protegendo assim os interesses dos que já lá estão.

 

Sem justiça que faça justiça, dentro de prazos razoáveis,  e que seja entendida pelas pessoas como justa, não há civilização, não há sociedade que possa avançar.

 

Infelizmente, Portugal da' muito a impressão de ter uma justiça que não serve a justiça.

publicado por victorangelo às 23:48

Hoje passei uma boa parte do dia a discutir com o general comandante militar das forcas chadianas que defendem a principal zona de fronteira com o Sudão. Como comanda mais de 4 000 homens e tem cerca de 3 000 rebeldes a 28 quilómetros de distância, em terras sudanesas, prontos para tudo, tentei focalizar a conversa nas ameaças que enfrenta cada dia e cada noite que passa.

 

Muito seguro de si próprio, com espiões seus a operar junto da rebelião, bem informado, com muitas campanhas no activo, pareceu-me pouco interessado na conversa, de convencido que esta' que os grupos rebeldes não conseguirão atravessar a fronteira sem se fazerem massacrar.

 

Sem saber bem como, começámos então a falar dos espíritos que vivem naquelas terras do fim do Deus dará. O general acredita que toda uma comunidade de diabos, uns bons outros maus, são como os seres humanos, têm ministros e primeiros-ministros, talvez também tenham uma versão sua da crise financeira, que há de tudo, habita aquelas paragens nos confins do Sahel.

 

Os espíritos vivem sobretudo nas árvores mais frondosas, pelo que os soldados do general, quando querem descansar 'a sombra dessas árvores, têm primeiro que descarregar os seus carregadores para o ar, para afugentar esses pobres diabos.

 

Como estas terras são actualmente um teatro de operações da EUFOR, o general está convencido que os soldados europeus aproveitam da sua presença na região para capturar espíritos, pela cauda, para mais tarde, uma vez terminada a sua missão, os levar para a Europa. O branco não tem medo dos espíritos.

 

Assim, se nas ruas de Dublin, ou nos passeios de Amesterdão, ou nos Campos Eliseos , o leitor vir um soldado a passear um espírito pela trela, com ar de quem não quer a coisa, ja' fica a saber que esse militar serviu na área que o general chadiano comanda.

 

Que diria o general, se visse os diabos que andam 'a solta nos partidos portugueses?

 

publicado por victorangelo às 23:07

twitter
Outubro 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

13
15

21
23



subscrever feeds
<meta name=
My title page contents
mais sobre mim
pesquisar
 
links
blogs SAPO