Portugal é grande quando abre horizontes

14
Out 08

Na verdade, todas as injecções de capital, em quantidades nunca vistas nem pensáveis,  aqui, acolá, pela Europa e nos Estados Unidos, não fazem senão esconder, para já, talvez por apenas uma ou duas semanas, a crise que atravessa o modelo económico baseado no consumo a todo o custo.

 

Capital fresco não e' solução para um problema que vem da década de setenta, quando se deu o salto para as sociedades de consumo.

publicado por victorangelo às 23:26

Uma certa elite portuguesa, habituada que foi aos subsídios europeus, que nos anos oitenta e sobretudo noventa cairam do céu a potes, e que tantas vezes foram conseguidos através de esquemas e de jogadas sujas, continua a dominar a vida pública do país.

 

Estão em toda a parte, mas concentram-se antes de mais 'a volta dos partidos de governo. Estar no poder, ou vir a estar no médio prazo, e' um incentivo que nenhum bom oportunista deixa cair em saco roto.

 

E' tudo um jogo de interesses, sem ética. A bitola que conta e' a do puxar a brasa 'a sua sardinha e pouco mais. Perdeu-se muito em termos de valores morais em Portugal. Conta mais o sistema de compadrios e de influências do que a competência profissional ou a capacidade para fazer coisas.

 

E' um Portugal que faz doer.

 

 

publicado por victorangelo às 23:06

O professor, que vive de dar palpites, disse que a velha senhora tem estado calada, durante toda esta crise.

 

A velha senhora sai ao baile,  que não, senhor professor, que tem falado e escrito. Uma verdadeira Thatcher 'a la mode du Tage qui nous baigne les pieds...

 

O PSD e' de facto um partido de fragmentos. Mas pouco luminosos....

publicado por victorangelo às 00:34

Depois da cimeira dos dirigentes da zona Euro, que foi dominada pelas ideias de um político que não pertence 'a zona e que ate' agora estava em processo de evaporação política no seu próprio país -- Gordon Brown --, as bolsas voltaram a entrar em terreno positivo.

 

As questões fundamentais da crise não foram resolvidas. Os bancos não recuperaram a credibilidade de que necessitam, os seus dirigentes continuam a ser os mesmos que levaram o sistema 'a falência, as famílias não adquiriram novos meios para combater o endividamento excessivo em que se encontram, o ciclo produtivo continua a abrandar em virtude do excesso de oferta, mas os doidos da bolsa aproveitaram o ar quente que veio de Paris para despender dinheiro na bolsa.

 

Espero muito sinceramente que não se arrependam, nos próximos dias.

publicado por victorangelo às 00:19

twitter
Outubro 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

13
15

21
23



subscrever feeds
<meta name=
My title page contents
mais sobre mim
pesquisar
 
links
blogs SAPO