Portugal é grande quando abre horizontes

26
Mai 09

 

Copyright V. Ângelo

 

Este é dos vários felinos do Padre Missionário Avelino Maravilha. Que maravilha de bicho, dirá o leitor. Eu, que conheço melhor o Padre, digo que maravilha de homem, que há 17 anos vive a sua vida de missionário no Sul do Chade. Muito longe de tudo, muito perto da miséria. A única ligação com Portugal é o bagacito de boa cepa que vem chegando pelo correio  --quem diria que os correios do austero Chade servem de veículo à aguardente do Douro? Ou, outra ligação, a viagem até Lamego, de três em três anos.

 

Pensei no seu gato, porque os gatos sempre caiem de pé. Hoje, também caí de pé. O nosso jacto para Abéché não conseguia arranjar vez para aterrar. Havia uma série de voos humanitários à nossa frente. Andámos às voltas pelo deserto, que a assistência humanitária está a transformar o aeroporto de ABC, como nós por cá dizemos, numa espécie de Heathrow local.

 

Finalmente, veio a autorização de aproximação e de aterrar. Eu estava no cockpit, favor do estatuto, não por ter asas. Com o avião já a tocar a pista, a torre pergunta onde estamos. Como? Onde estamos?!  A cinco metros do solo, teria sido a resposta exacta. E a duzentos e tal à hora, meus amigos. O co-piloto, que tinha a responsabilidade da aterragem, paralisou durante um quarto de segundo. Sentindo que havia um problema, foi a sua primeira reacção, acelerou de imediato, para levantar o bicho metálico do chão. Um outro quarto de segundo depois, apercebeu-se que a torre estava pura e simplesmente fora de jogo. E voltou à manobra de aterragem. Lá batemos com toda a força na pista, um pouco de lado, mas somos uns gatos do deserto, e continuámos de pé.

 

Uma maravilha.

 

É bom para quem gosta de emoções fortes.

publicado por victorangelo às 22:40

twitter
Maio 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

15

21




subscrever feeds
<meta name=
My title page contents
mais sobre mim
pesquisar
 
links
blogs SAPO