Portugal é grande quando abre horizontes

26
Ago 09

 

A vida é dura, nestes cantos do mundo. Para quem aqui nasceu. Também para aqueles que por aqui andam. A violência faz parte do quotidiano.

 

Dizia-me alguém, hoje, a partir de Lisboa, que sente a falta de África. Mas bem vistas as coisas, a falta sentida era a das grandes paisagens, dos espaços e das cores. É esta a memória que resta, quando, depois de muitos anos, se deixou o Continente para trás. A sensação de que o mundo nos pertence.

 

Vinha isto a propósito da experiência, ontem, em Zanzibar, de uma pessoa próxima. Dez minutos para tomar o pequeno almoço, antes de apanhar o barco para Dar-es-Salaam. O tempo suficiente para que um rato de hotel limpasse o dinheiro deixado no quarto, os cartões, o telemóvel.

 

Depois, é o pânico em terra alheia.

 

Apenas um exemplo.

 

Nestas terras, olho vivo não é suficiente. É preciso estar sempre com os faróis ligados, sempre em pé-de-guerra...

 

Mas, de facto, as paisagens...

 

E Zanzibar...Onde organizei, estávamos em 1995, as primeiras eleições multipartidárias, que em seguida foram roubadas pelo meu amigo...o Presidente...

 

 

publicado por victorangelo às 22:40

twitter
Agosto 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
11

19




subscrever feeds
<meta name=
My title page contents
mais sobre mim
pesquisar
 
links
blogs SAPO