Portugal é grande quando abre horizontes

18
Set 09

 

Hoje andei perdido no deserto do Ennedi. As coordenadas que nos haviam dado estavam erradas. O ponto de encontro era mais a Norte, uma questão de 10 a 15 quilómetros. Mas a visibilidade era pouca, menos de um quilómetro. O vento era intenso. O helicóptero andava às voltas. Quando se começa a andar às voltas no deserto, estamos perdidos.

 

Acabámos por ver três palhotas no meio do nada. Para a velha mulher e as duas raparigas que vieram ao nosso encontro, deveríamos parecer gente vinda de outro sistema solar. Explicaram ao nosso interprete improvisado a direcção. Levantámos âncora.

 

Mais umas voltas. Só areia, pedras e uns leitos de rios que há milhares de anos que deixaram de correr. Por fim, descobrimos mais um outro grupo de palhotas, maior e com melhor aspecto. Mais mulheres, só mulheres. Disseram-nos que o ponto que buscávamos estava para Norte, a cerca de duas horas a passo de burro. Fiquei na dúvida sobre as duas horas, não sobre o burro, já que nenhuma destas mulheres jamais possuiu um relógio.

 

Mais buscas. O céu estava cada vez mais fechado e o o horizonte mais curto. Os pilotos queriam regressar à base. Achavam que não havia hipótese alguma. Na última curva, já decididos a abandonar, vimos as viaturas das autoridades locais. Bem alinhadas, à entrada de Bir Douan, subprefeitura de Bahai, há horas à nossa espera.

 

O carro que me foi destinado tinha uma espingarda automática no sítio onde me devia sentar. E uma espada. O chefe da minha equipa tomou conta da automática. Arrancámos de jipe, para o destino. Depois de uma viagem de jacto, muito cedo de manhã, seguida de um percurso de avioneta, depois o helicóptero, agora era a vez de viajar num todo-o-terreno. De luxo, devo dizer, novo, em excelente estado. O meu condutor era um tenente-coronel. Que falava um francês suficiente. Gente dura.

 

Como estamos em pleno Ramadão, não era educado estar a beber em frente dos anfitriões.

 

O vento era cada vez mais forte e seco.

Foi uma sova a sério.

 

Para que o leitor não se perca, aqui ficam as coordenadas do ponto de encontro: Latitude Norte 15 graus 50 minutos 47 segundos; Longitude 22 graus 43 minutos 51 segundos. Se for ao mapa, fica a perceber o que é andar perdido nestas paragens.

 

 

publicado por victorangelo às 22:11

twitter
Setembro 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9


25



subscrever feeds
<meta name=
My title page contents
mais sobre mim
pesquisar
 
links
blogs SAPO