Portugal é grande quando abre horizontes

21
Set 09

 

O assessor de imprensa desempenhou ontem a tarefa de mensageiro. Levou o recado do chefe. Para um jornal amigo. Para alimentar a fogueira da intriga política contra o adversário com quem finge manter uma relação institucional correcta.

 

O mesmo assessor de imprensa desempenhou hoje uma outra importante tarefa. Serviu de fusível político. Quando a temperatura aumentou em demasia, o chefe fez saltar o fusível. Assim, evitou queimar-se. Sai apenas chamuscado. Pelo menos, assim o pensa.

 

Enquanto houver fusíveis e dinheiro para a luz, Portugal vai pretendendo que as instituições funcionam. É uma democracia de alta voltagem. 

 

Ou de alta tensão. 

 

Mas, no meio de tudo isto, quem anda às escuras são os que vivem com rendimentos de pobreza.

publicado por victorangelo às 21:56

twitter
Setembro 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9


25



subscrever feeds
<meta name=
My title page contents
mais sobre mim
pesquisar
 
links
blogs SAPO