Portugal é grande quando abre horizontes

29
Mai 10

Há alturas em que convém fechar para balanço. Parar, fazer as contas ao negócio e à vida, pensar no futuro, ver como mudar de rumo.

 

Só que um país, sobretudo se for membro da UE, não tem portas nem barreiras. O balanço faz-se em movimento. Para utilizar a imagem de Van Rompuy, estamos a construir uma barcaça salva-vidas em pleno mar, quando o navio-mãe está com rombos muito sérios a estibordo. É preciso, numa situação dessas, manter o sangue-frio. Não é fácil.

publicado por victorangelo às 21:06

twitter
Maio 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9

22




subscrever feeds
<meta name=
My title page contents
mais sobre mim
pesquisar
 
links
blogs SAPO