Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Vistas largas

Crescemos quando abrimos horizontes

Vistas largas

Crescemos quando abrimos horizontes

Nas margens da irrelevância

 

Copyright V. Ângelo

 

 

 

Alguém me perguntava hoje para que serve a CPLP. É uma pergunta difícil. Mas a verdadeira pergunta será, talvez, o que pode cada Estado membro fazer, sobretudo Portugal, Brasil e Angola, para que a organização tenha mais dinamismo e uma estratégia clara de cooperação e de promoção da língua portuguesa e da cultura dos povos que a integram. 

 

A CPLP, no caso português, tem que ser uma aposta de política externa mais central, de maior prioridade. É um importante multiplicador da nossa influência em certas partes do mundo.

 

Para perceber melhor o que é possível e para evitar cair nos erros que outros cometeram, seria bom que se estudasse a sério o que faz e o que não consegue fazer a Commonwealth Britânica. Mas, a verdade é que a Commonwealth entrou numa fase de letargia profunda. Pouco mais é, agora, que um símbolo. Quanto ao resto, é irrelevante. Convém entender que razões a fizeram chegar essa situação, para evitar que o mesmo não venha a acontecer à CPLP. 

 

 

 

Uma prenda

 

Copyright V. Ângelo

 

O Reino Unido provou, uma vez mais, que é uma ilha à parte, mas com uma projecção global. 

 

A riqueza de um país é, também, uma mistura de orgulho nacional e de grande abertura de espírito, de tradição e de modernidade, de respeito pelas instituições e, ao mesmo tempo, de criação, inovação e irreverência sadia.

 

Figurantes

 

Copyright V. Angelo

 

Passei o dia à volta de Trafalgar Square. A praça, que em tempos normais, já é bastante agitada, parecia hoje uma colmeia de abelhas. Transbordava de actividade. O casamento real era o motivo. Na escadaria principal, que conduz à National Gallery, encontrei o jovem que tem feito de sósia do Príncipe William. Lá estava, pacientemente sentado, provavelmente à espera de uma nova oportunidade do tipo You tube. A vida ainda está para príncipes, agora para imitadores, é feita de altos e baixos.

 

O mesmo se passa com os nossos políticos. Vão tentando imitar outros líderes, fingem que são duros e puros, mas acabam sentados nas escadinhas do poder, reduzidos à simples condição de figurantes.  

Aqui não há foleirices

Aqui, pela nossa terra, apareceram agora uns lobos vestidos de cordeiro. Falas mansas, que é com mel que se apanham as moscas. O único que saiu para fora do penico foi o que disse que não queria dizer "foleiro". O que lhe vale é que políticos do seu calibre estão muito habituados a meter os pés pelas mãos. São uns artistas.

 

Entretanto, o pessoal do FMI continua a fazer-nos a cama, sem que nós nos importemos por aí além. Estamos convencidos que a nossa habilidade de chico-espertos vai, uma vez mais, dar a volta ao pessoal de olhos azuis.

 

Lá fora, a Europa continua meio adormecida. A questão de Schengen parece ser um problema de Paris e Roma, tão somente. A situação na Síria, dramática que é, deixa os europeus sem fala ou voz que se oiça. Do lado da Líbia, ainda hoje se disse, e mal, que o tempo joga contra o Coronel. Não é verdade. O tempo, o impasse, a falta de uma estratégia clara do lado Ocidental, tudo isso tem um custo elevado para a rebelião. O Conselho Nacional de Transição continua sem apoios e sem capacidade de liderança.

 

O que nos vale é a semana ser curta e haver uma outra ponte dentro de dias. Dá para esquecer.

 

 

Sem moderação

O ditador da Síria, Bashar al-Assad, o Assad júnior, como gosto de lhe chamar, não quer entender o mundo de hoje. Continua a viver na ficção que o seu pai criou durante décadas, à custa da repressão, da intriga e do suborno de certas elites e dos líderes tribais. 

 

Agora, o júnior está a marcar o seu encontro com a história. Infelizmente, é cada vez mais claro que esse encontro passa por um tribunal internacional, que o julgue pelos crimes que está a cometer contra o povo sírio.

 

A par do drama que a Síria está a viver, e com os acontecimentos no Iémen e na Líbia a mostrar a força das ideias democráticas, em partes importantes do universo árabe, a Europa Ocidental fechou para férias. Que seja em Lisboa, Paris, Bruxelas ou em Berlim, em Oslo ou em Helsínquia, os europeus resolveram ir para a praia ou para longe. Até parece que não há crise. Mais. Fica-se com a impressão que de dois em dois meses partem todos de férias. 

Não haverá aqui alguma dose de exagero? 

 

É o que pensam, pelo menos, os chineses, outros indianos e os americanos, que tomam doses de férias com mais moderação. 

O Piruetas

O Presidente francês tem doze meses difíceis à sua frente. Dentro de exactamente um ano, haverá eleições presidenciais. Pelo andar da carruagem, é quase certo que Nicolas Sarkozy não venha a ser reeleito. Essa perspectiva não lhe agrada de modo algum. Pensa que é um eleito dos deuses, tem destino marcado com a história, que mais ninguém tem o direito de liderar a França, enquanto ele o puder fazer. 

 

Está convencido que, se levar a cabo um certo número de golpes espectaculares, ousados e de matiz populista, isso lhe permitirá recuperar o futuro. Vai tentar tudo por tudo. Procurar captar as atenções e mostrar que é mais vivo do que qualquer um dos outros possíveis adversários. Por isso, temos que estar preparados para todo o tipo de surpresas. 

 

Para já, diz-se que está a planear uma visita à cidade rebelde de Bengasi, nas próximas horas, bem como fechar as fronteiras do seu país ao livre trânsito das pessoas. 

 

Começa bem o seu último ano de poder.

Pág. 1/4

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

<meta name=

My title page contents

Links

https://victorfreebird.blogspot.com

google35f5d0d6dcc935c4.html

  • Verify a site
  • vistas largas
  • Vistas Largas

www.duniamundo.com

  • Consultoria Victor Angelo

https://victorangeloviews.blogspot.com

@vangelofreebird

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D