Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Vistas largas

Crescemos quando abrimos horizontes

Vistas largas

Crescemos quando abrimos horizontes

Que haja um mínimo de juízo

Uma aliança objectiva de desonestos, oportunistas e batráquios da política tem estado a atacar o Presidente da República, por razões de ódios pessoais e clubismo.

 

Considero este tipo de comportamentos como sendo de alto risco. A Presidência da República e o seu titular devem ser mantidos fora das guerras partidárias, sobretudo numa altura em que o país vive uma crise estrutural muito séria. A instituição e a autoridade do cargo devem merecer o respeito de todos. assim poderão funcionar como um último recurso constitucional.

 

Mais ainda. Com o tipo de dirigentes partidários que temos, convém ter alguém que continue a merecer o respeito dos cidadãos, para que possa, de facto, funcionar como um árbitro e ponto de referência institucional.

 

Quanto aos políticos desonestos, oportunistas e batráquios, não é preciso mencionar nomes. Cada um sabe bem que carapuço deve enfiar.

 

 

Um decisão muito complexa

O meu texto desta semana, na revista da Visão, reflecte sobre a posição dos Presidentes dos EU e da França, mais do Primeiro-ministro britânico, que anunciaram publicamente que o futuro da Líbia não pode incluir, de modo algum, o Coronel Kadhafi.

 

Que consequências advirão de uma decisão tão grave como essa?

 

O meu texto está disponível no sítio:

 

http://aeiou.visao.pt/para-alem-da-guerra=f599371

Debates euro-árabes

MG, o autor do blog Nação Valente, escreve um comentário, ao meu texto de há dias, sobre a diálogo entre a Europa e o mundo árabe. É um comentário que levanta pontos interessantes, como por exemplo: "A mudança no Mundo Muçulmano tem de partir de dentro e não de fora. E passa por um alterar de mentalidades que aceitem com naturalidade a divórcio entre a religião e a política."

 

Assim será, nalguns casos. 

 

O debate continua em aberto. Ao mesmo tempo que continua em aberto toda uma série de crises, incluindo a da Síria. A Síria está cada vez mais no centro das atenções. É um caso importante, num regime laico e num país altamente estratégico. A pressão internacional sobre Assad passa por lembrar ao jovem ditador que as violações muito sérias dos direitos humanos acabam por custar caro a quem as pratica.

 

 

Um primor

Passei a tarde na pequena povoação de Grimbergen, 10 km a Norte de Bruxelas. É um aldeia antiga, mas completamente renovada, muito bem organizada, construída à volta de uma enorme abadia, terra produtora de cerveja de alta qualidade. A população tem um poder de compra elevado. À volta da urbe, existem caminhos que permitem longos passeios a pé ou de bicicleta. Velhos e novos, aproveitam. 

 

Os patos selvagens sentiam-se felizes. E sem medo de nós, os humanos.

 

 

Declarar a guerra através dos jornais

Ao ler o editorial que os Presidentes dos Estados Unidos e da França, mais o Primeiro-Ministro da Grã-Bretanha, publicaram hoje em três jornais de referência, compreendo que a diplomacia se faz agora de outro modo. Já não tem nada que ver com o que aprendi na minha longa vida na ONU. Nestes tempos de hoje, faz-se diplomacia através de editoriais de opinião. É a diplomacia na praça pública.

 

Lendo o documento com cuidado, chego mesmo à conclusão que agora, a guerra é declarada através das páginas dos jornais. 

 

E ninguém acha estranho.

 

 

O diálogo entre a Europa e os países árabes

Pediram-me para reflectir sobre a nova problemática do diálogo entre a Europa e o Mundo Árabe, à luz dos acontecimentos deste ano, que têm estado a ocorrer nas margens Sul do Mediterrâneo.

 

Curiosamente, a instituição que fez o pedido continua a olhar para o Sul com a mesma atitude paternalista de sempre. Como se os Europeus fossem os donos da democracia, dos valores humanistas, da verdade e do planeta. Ora, o relacionamento entre os dois lados do Mediterrâneo vai ser muito diferente do que tem sido até agora. Sem esquecer a questão da Palestina.

 

Alguém me quer ajudar nesta reflexão?

 

É um desafio muito interessante.

Um nobre pequenino

A decisão, surpreendente, de Fernando Nobre, de aceitar ser candidato a deputado pelo PSD e à chefia do nosso parlamento, deixa muitas dúvidas no ar.

 

Primeiro, sobre a personalidade do interessado. O homem resolveu fazer agora o que dissera, há um mês, que não faria. Quem acreditou nele, na altura, fica agora com um amargo de boca.

 

Segundo, sobre a possibilidade de se poder fazer política fora dos partidos convencionais. O caso parece mostrar que continuamos a estar totalmente dependentes da ditadura dos partidos políticos, em que o chefe da agremiação pode e manda e não dá contas a ninguém. Até ser substituído, um dia, pelo senhor que segue.

 

Terceiro, sobre a seriedade de futuras candidaturas não-alinhadas. Nobre deu agora uma machadada na credibilidade dos independentes e dos que pensam salvar o país. Será que, afinal, são todos uns meros oportunistas?

 

Quarto, sobre a capacidade de discernimento de quem o quer propor como cabo-maior da Assembleia da República. 

 

Quinto, sobre a minha capacidade de entender os políticos portugueses. De facto, não os entendo. Será por ter, toda a minha vida, jogado num outro campeonato?

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

<meta name=

My title page contents

Links

https://victorfreebird.blogspot.com

google35f5d0d6dcc935c4.html

  • Verify a site
  • vistas largas
  • Vistas Largas

www.duniamundo.com

  • Consultoria Victor Angelo

https://victorangeloviews.blogspot.com

@vangelofreebird

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D