Portugal é grande quando abre horizontes

16
Mai 11

Com a saída de cena de Strauss-Kahn e a entrada no jogo do novo governo da Finlândia, o plano de austeridade português vai sentir-se mais apertado, sobretudo no que respeita às privatizações das empresas públicas.

 

O que circula esta noite em Bruxelas é que o plano de privatizações terá que ser cumprido à risca. A insistência nesta condicionalidade tem que ver com o receio que existe, na Comissão e na Europa do Norte, que não haja, em Portugal, coragem e condições para levar a cabo esta parte do programa. 

 

É, na minha opinião, um receio bem fundado.

publicado por victorangelo às 21:27

twitter
Maio 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
11





subscrever feeds
<meta name=
My title page contents
mais sobre mim
pesquisar
 
links
blogs SAPO