Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Vistas largas

Crescemos quando abrimos horizontes

Vistas largas

Crescemos quando abrimos horizontes

Segurança e intercepção

A identificação e posterior detenção de um cidadão americano, residente na zona de Sintra e há mais de 40 anos procurado pela justiça americana, tem despertado muito interesse, junto da opinião pública. Vários escritos, em particular no mundo dos blogs, têm sido produzidos sobre a matéria, sobretudo relacionados com as técnicas utilizadas pelos Estados Unidos para descobrir o paradeiro do fugitivo. Alguém chega mesmo a levantar a ideia de que os americanos teriam acesso aos milhões de impressões digitais arquivadas no Ministério da Justiça.

 

Tudo isto mostra que a nossa imprensa, e quem comenta, não tem ideia alguma de como funciona o sistema de segurança internacional. Na verdade, existe um sistema de intercepção de comunicações altamente sofisticado. As comunicações provenientes de Portugal, bem como as que a ele se destinam, incluindo emails e chamadas para certos números de interesse, do ponto de vista da segurança, passam pelo crivo. Infelizmente, não é possível entrar em pormenores, mas tudo começa dessa maneira, num caso como este.

 

O sistema é gerido pelos EUA e pela Grã-Bretanha, em conjunto com o Canadá, Austrália e a Nova Zelândia.

De Israel à Palestina

O texto que hoje publico na revista Visão faz uma análise do conflito entre Israel e a Palestina, no seguimento da decisão palestiniana de pedir para ser reconhecida como Estado membro da ONU.

 

http://aeiou.visao.pt/colher-tempestades=f624759

 

Penso que é um texto que levanta algumas questões sobre um problema que é extremamente complexo e que não se compadece com leituras simples.

Noutro planeta

Como o exercício em que estou metido se passa num país imaginado, e os dias são longos, estou a ficar cada vez mais distante da realidade da UE e do resto do mundo. Espero voltar à terra no Sábado ao fim do dia.

Elegâncias

Está uma noite muito agradável, para esta altura do ano, em terras bálticas.

 

Depois de ter passado o dia fechado num país imaginário, num cenário de conflito que os meus generais têm que resolver, até ao fim da semana, que, nestes exercícios, as "guerras" evoluem muito rapidamente e de um dia para o outro avança-se o caso que está em estudo de vários meses, fui dar uma volta pela cidade. Uma das impressões que fica, mesmo no meu caso, é que estas gentes são de grande estatura física. Parecem viver no andar de cima. Mas não vivem nas nuvens

Tácticas

Despertar: 0530. Voltar para o quarto: 2245. Long day, como eles dizem!

 

O peixe, servido com todo o cerimonial, à hora do almoço, teve a honra de voltar para trás, que isto de comer peixe fumado que passa, depois, pela panela de cozer, não é para todos. Infelizmente, ninguém conseguiu dizer-me qual poderia ser a identidade do pescado.

 

À noite, o jantar foi melhor: costeletas de borrego, coisa séria e bem preparada. Que diferença entre a Academia e o hotel! Só que, sentado entre uma generala da força aérea e um general de operações especiais, com uma sala cheia de vozes habituadas a comandar, não dava para entender o que diziam. A generala falava com uma voz muita baixa e com um sotaque de Saint-Cyr. O homem falava à maneira de Sandhurst. A minha táctica era dizer que sim de dois em dois minutos. Ambos acharam que eu sabia muito sobre estratégia militar.

Um Domingo sem ondas

De manhã, dei a volta à cidade de barco. Cheguei ao porto no momento em que o ferry proveniente de Estocolmo começava a descarregar os automóveis e os passageiros. Um navio de grande porte, com um nome extraordinário para um ferry: Romantika. O porto está situado no Rio Daugava, a vários quilómetros do mar, um pouco à semelhança de Lisboa.

 

Há centenas de patos por toda a parte. Pela maneira como se comportam, dão a entender que arroz de pato ou pato à moda de Pequim não são pratos apreciados por estas zonas.

 

Depois, percorri a parte Art Déco da cidade. Um longo passeio a pé, num sector de Riga que data do fim do século XIX e das primeiras décadas do século XX. Tem edifícios bem representativos da prosperidade da época.

 

À tarde, foi tempo de escrita.

 

E agora, antes do fim do dia, começa a semana. Primeiro, com uma intervenção sobre o enquadramento político e depois sobre os aspectos legais das missões de paz. A partir daí, é um rodopio de exercícios, até Sexta-feira. Não haverá muito tempo para ir saudar os patos ou admirar as estátuas que enfeitam os prédios de outros tempos.

Colheitas

No Norte da Europa, este é o fim-de-semana que celebra a festa das colheitas. Marca, também, o fim do Verão. Lembra-nos as raízes agrícolas dos povos europeus.

 

Em Riga, a cenoura teve as honras do dia. Foram feitas várias figuras e esculturas com cenouras, representações humanas, um galo, um galgo, um abrigo, a estátua da praça da festa foi decorada com um colar de cenouras e uma coroa de maçãs, as crianças fizeram trabalhos manuais com as ditas, mais outras abóboras, e legumes equivalentes, enfim, deu para pôr a população na rua, muita gente, a aproveitar o Sol de fim de estação e a comer coisas típicas nos quiosques, incluindo uma espécie de chucrute e uma variedade de maçãs cortadas em caracol, enfiadas num espeto e assadas com mel.

 

Às 18:00 horas terminou a festa.

 

As pessoas retiram-se cedo. A partir daí, só há animação nos restaurantes que estão na moda - o Lido, por exemplo, um pouco fora do centro, com mais de dois mil e tal metros quadrados, todo em toros de madeira, uma atracção incontornável, sabores do Báltico - ou na zona da velha cidade, onde surge uma mistura, que não se mistura, de turistas e jovens letões com mesadas ou pecúlio para gastar. Nas esplanadas é frequente ver clientes enrolados em mantas, fornecidas pelo estabelecimento, que as noites começam frescas. Um copo de cerveja de meio litro custa 1,60 euros e os pratos mais caros andam pelos 16. Tenha-se em conta que um quilograma da melhor carne de vaca custa, no mercado, menos de 10 euros.

 

 

Do Norte de África às batatas

O jantar de hoje teve como tema a operação no Norte de África. Lições aprendidas durante todo o processo de planificação, sobretudo, em que medida esta operação a sério -for real- seguiu a metodologia que temos estado a ensinar aos oficiais generais e superiores.

 

Antes do jantar, tinha estado em contacto com o director da Visão, para planear a iniciativa deste ano, novamente em conjunto com a EDP, sobre o ambiente e as energias renováveis. Ficou combinado que vamos falar de couves, feijão e outras coisas agrícolas, que a segurança alimentar faz parte da segurança internacional. A ministra falará da agricultura portuguesa. Vai ser interessante. Encontro marcado para Novembro de 2011.

.

Pág. 1/4

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

<meta name=

My title page contents

Links

https://victorfreebird.blogspot.com

google35f5d0d6dcc935c4.html

  • Verify a site
  • vistas largas
  • Vistas Largas

www.duniamundo.com

  • Consultoria Victor Angelo

https://victorangeloviews.blogspot.com

@vangelofreebird

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D