Portugal é grande quando abre horizontes

17
Mar 12

 

 

Copyright V. Ângelo

 

Apesar das vias rápidas e das passagens aéreas, as avenidas de Bangkok deixam-nos parados. Nesta foto, os motociclistas e o autocarro estão a circular na faixa contrária, a do trânsito no sentido ascendente.

 

No último dia na cidade, com a hora de partida para o aeroporto a aproximar-se, fiquei preso em sucessivos engarrafamentos. Felizmente, o meu motorista era um conhecedor profundo das ruelas mais escondidas de Bangkok, dos labirintos alternativos, e um homem sem medo, capaz de penetrar qualquer fila, por mais ameaçadora que pudesse parecer. Conseguiu o milagre de percorrer os nove quilómetros que me separavam das minhas malas em cerca de trinta e poucos minutos, o que é algo de excepcional, no centro da cidade. 

 

A aglomeração tem mais de 20 milhões de residentes. É um exemplo vivo do que significa viver num mundo sobrepovoado.

 

O aeroporto internacional é outro exemplo. As massas humanas que se movimentam nas zonas do check-in, do controlo de passaportes ou nos corredores que levam às salas de embarque deixam boquiaberto quem não está habituado. A verdade, porém, é que o aeroporto funciona bem, apesar da sua dimensão descomunal e das multidões que enchem cada canto.   

publicado por victorangelo às 20:20

twitter
Março 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
13
14




subscrever feeds
<meta name=
My title page contents
mais sobre mim
pesquisar
 
links
blogs SAPO