Portugal é grande quando abre horizontes

07
Set 12

O primeiro-ministro, na sua comunicação ao país, não soube explicar por que razão é precisa mais austeridade, nem dar uma perspectiva temporal, um horizonte que abra alguma esperança. Dizia-se ontem, na convenção democrata nos Estados Unidos, que ninguém quer ter um líder que não tenha uma visão positiva do futuro e que não consiga criar esperança.

 

Também me pareceu errado tentar ligar as novas medidas à promoção do emprego. A questão do emprego cabe numa perspectiva de crescimento económico, não de novas taxas e contribuições dos privados para os cofres públicos. Precisa de ser apresentada como uma estratégia económica, bem articulada, não como uma componente meramente fiscal.

 

Hoje à noite o país ficou mais pessimista. 

publicado por victorangelo às 23:16

twitter
Setembro 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9





subscrever feeds
<meta name=
My title page contents
mais sobre mim
pesquisar
 
links
blogs SAPO