Portugal é grande quando abre horizontes

03
Jan 13

Várias vezes ouvi dizer, a grandes líderes, incluindo Nelson Mandela, que sem disciplina não há progresso.

 

Falo, claro, de disciplina num Estado democrático. E penso muitas vezes no nosso país, que é um mau exemplo em termos de respeito pelas regras estabelecidas. Somos, enquanto cidadãos, indisciplinados e negligentes.

 

Pensava nisso quando lia, há umas horas, que uma senhora que há anos matara duas mulheres no Terreiro do Paço, que atravessavam a avenida na passadeira, foi agora julgada na Relação e a pena efectiva de prisão, a que fora condenada em primeira instância, ficou suspensa. A senhora fora apanhada por um radar, instantes antes do acidente, a conduzir a 120 km/h na Baixa de Lisboa.

 

Como é tudo isto possível? Aliás, como se pode explicar que Portugal tenha uma taxa de mortalidade nas passadeiras urbanas que é incomparavelmente mais alta do que a média da Europa Ocidental?

 

Na zona onde vivo, em Bruxelas, existem três radares de controlo de velocidade, num raio de 600 metros. Num dos casos, o limite é 30 km/h. Quem for “fotografado” a 31, paga 50 Euros. Se for apanhado a 51, por esse mesmo aparelho, fica sem carta por 15 dias e tem que responder perante um juiz de paz. Ou seja, não há segredo. A disciplina aprende-se quando os sistemas de sanção funcionam. Mas, não só. A escola e a família são as verdadeiras portas de entrada para os valores de cidadania. 

publicado por victorangelo às 21:49

twitter
Janeiro 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9





subscrever feeds
<meta name=
My title page contents
mais sobre mim
pesquisar
 
links
blogs SAPO