Portugal é grande quando abre horizontes

21
Jan 13

Continua falar-se muito da reforma do Estado. É um assunto importante, claro. Mas haverá, neste momento de crise profunda em que indiscutivelmente nos encontramos, um conjunto mínimo de condições políticas, necessárias para que a reforma possa ter algum sentido? A minha resposta é que não há. E por isso, falar, nesta altura, da reforma do Estado é como prometer a lua a quem vive nos arrabaldes do Cacém.

 

Por outro lado, o mesmo tipo de energia que se investe no debate sobre a reforma do Estado deveria ser canalizada para a reforma da economia, de modo a renovar e expandir o tecido económico, criar incentivos para a criação de empresas, para a modernização das actividades mais portadoras de futuro. E para discutir as medidas de emprego possíveis e desejáveis. Aí, sim, aí deveriam estar focalizadas as melhores mentes do nosso país. 

 

Por que será que as inteligências que discutem, com tanto afinco, uma coisa, não se debruçam igualmente sobre a outra? Será que somos uns meros burocratas que só sabemos discorrer sobre burocracias? Ou uns meros escrivães, que acreditam que para além do corpo jurídico, do subsídio e das prebendas públicas, do funcionalismo, não há realidade?  

publicado por victorangelo às 23:26

twitter
Janeiro 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9





subscrever feeds
<meta name=
My title page contents
mais sobre mim
pesquisar
 
links
blogs SAPO