Portugal é grande quando abre horizontes

06
Jun 13

Há um ano, dia por dia, escrevi na Visão sobre a crise grega. A certa altura do texto, depois de concluir que a Grécia estava a ter um tratamento de favor, por parte da Comissão Europeia, que fechava os olhos e não queria ver que o programa grego não estava a ser cumprido, realcei que essa maneira de agir, por parte de Bruxelas, punha em causa a credibilidade do FMI.

 

Cito a frase que então publiquei: “Coloca, por outro lado, o FMI contra a parede: terá que escolher entre continuar a reboque da UE, fingindo que há progresso na execução do programa, ou reafirmar a sua independência, reconhecendo que a Grécia não está a cumprir os compromissos assumidos.”

 

Agora, doze meses depois, o FMI divulga um relatório que, no fundamental, confirma o que eu dissera. Aponta o dedo à Comissão, diz que esta não tinha experiência nem qualificações para tratar de uma crise financeira como a grega. Nem independência suficiente para poder ser objectiva na sua tomada de decisões. 

 

Na verdade, saem ambos – o FMI e a Europa – mal na fotografia grega.  

 

 

publicado por victorangelo às 20:31

twitter
Junho 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9


26



subscrever feeds
<meta name=
My title page contents
mais sobre mim
pesquisar
 
links
blogs SAPO