Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Vistas largas

Crescemos quando abrimos horizontes

Vistas largas

Crescemos quando abrimos horizontes

Pela positiva, deliberadamente!

Estamos num momento que exige atitudes positivas e construtivas. Deixo, por isso, a crítica negativa para outros.

 

A declaração feita pelo Presidente da República terá os seus adeptos e os seus detractores. Mas tem, pelo menos, o mérito de pôr em evidência a gravidade da situação económica e social em que nos encontramos e de mostrar que não existem soluções simples nem tradicionais para a crise. Os partidos devem, de facto, procurar chegar a um compromisso alargado, tão amplo quanto possível. Um compromisso histórico para um momento histórico. Sem ressentimentos, com os olhos postos no futuro, não no passado. Ao responderem ao apelo, os dirigentes políticos terão a oportunidade de mostrar por que bitola vão querer ser medidos: a partidária, das vantagens de grupo e de clientelas, ou a do interesse nacional.

 

Um compromisso que deve igualmente mobilizar as organizações representativas dos interesses económicos e sociais, incluindo os principais movimentos sindicais. 

Inquirir para saber

Debaixo de outros céus, já se teriam feito três ou quatro sondagens diferentes, para tentar perceber se a opinião pública estaria a favor de eleições antecipadas ou se preferiria que o governo cumprisse o ciclo legislativo.

 

É verdade que as sondagens ficam caras e os jornais já não têm dinheiro nem para mandar cantar um cego. Seria, no entanto, interessante ver em que resultariam uns inquéritos desse género. 

Antes de uma nova semana quente

Objectivamente, não dá para acreditar. Por outro lado, baixar os braços não é solução. Como também o não é partir a loiça. Que se saiba, no entanto, que não se tem fé na coisa nem nas gentes que a personalizam.

 

Lá fora, dá apenas para fingir que não há problema de maior. Assim se vive hoje na Europa, nomeadamente em relação aos que sendo um problema duradoiro não têm muito peso e podem ser mais ou menos ignorados. 

O drama

Em matéria de teatro, acabar a peça no final do primeiro acto seria um desapontamento. Antes do intervalo, há sempre drama. Depois, cai a cortina. Volta, agora, a subir, para o acto seguinte. Ou seja, o espectáculo, para grande alívio nosso, vai continuar. É verdade que isto é um teatro de província e que, por isso, os actores são de segunda escolha. Mas mesmo assim, vale a pena ver como se vai desenrolar a segunda parte, que cenas trágicas vão ser encenadas, e que vai acontecer aos vilãos do enredo.

 

O encenador será fraco, mas será que temos meios para mais?

Estremoz

Almocei em Estremoz, numa passagem rápida pela cidade. No restaurante cinco estrelas com preço de duas estrelas éramos dois na sala. Disseram-me que à noite haverá mais gente. Assim o espero. É que a economia não pode estar parada nem continuar a fingir que turbina.

 

Ao fim e ao cabo, é a economia que conta. Será difícil entender isso? 

Política em tempos quentes

É má ideia estar em Lisboa nestes dias que correm. Com o clima pré-eleitoral a aquecer, acabamos por encontrar gente importante dos partidos. E, cada cavadela, minhoca. São todos muito fracos.

 

Para quem viu líderes políticos noutras paragens, o panorama caseiro é confrangedor.

 

Um deles resumia, hoje à noite, para que eu entendesse bem, que é tudo uma questão de egos e de intrigas.

Morales e o ministro que anda a pensar noutras coisas

Soube-se hoje que o Ministério dos Negócios Estrangeiros de Portugal meteu o pé na argola, ao proibir o sobrevoo e a aterragem em Portugal do avião do presidente da Bolívia. O ministro, Paulo Portas, estava certamente distraído. Não teve presente os interesses de Portugal na América do Sul. Ao interditar estava a criar muito mais que um simples incidente diplomático. Abria a porta a uma onda de protestos e de indignação, em La Paz mas também noutras capitais da região. É que estas coisas tocam em questões de uma grande sensibilidade. São, de imediato, vistas como uma expressão da arrogância europeia e uma ofensa feita a um Chefe de Estado. Que ainda por cima é de origem indígena. O que dá a uma dimensão mais ao incidente: um laivo de racismo.

 

Ou então, se não estava distraído, estaria provavelmente mais interessado em agradar a Washington 

Portas tácticas

Paulo Portas gosta do poder, não de Portugal. Ao tirar as castanhas do lume, o objectivo foi o de as não deixar queimar, para estar em condições de voltar ao poder depois da rentrée, em coligação, dessa vez, com o PS.

 

É tudo uma questão de táctica.

 

Quanto ao resto, os portugueses que paguem as favas. 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

<meta name=

My title page contents

Links

https://victorfreebird.blogspot.com

google35f5d0d6dcc935c4.html

  • Verify a site
  • vistas largas
  • Vistas Largas

www.duniamundo.com

  • Consultoria Victor Angelo

https://victorangeloviews.blogspot.com

@vangelofreebird

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D