Portugal é grande quando abre horizontes

09
Nov 13

A violência que define o discurso político de hoje em Portugal não faz mais do que confirmar uma velha constatação, que resulta da análise feita a muitos conflitos: os piores ódios e as maiores barbaridades surgem nas guerras e disputas civis, entre gentes da mesma terra. O vizinho é, em caso de crise nacional profunda, ou o maior aliado ou o pior inimigo. Nestas coisas, só há extremos.

 

Seria bom que pensássemos nisto a sério. As divisões entre nós estão tão radicalizadas que recomendam que se ponha água na fervura. Só com tolerância e diálogo social é que se sai da crise. O resto é radicalismo cego e fascista, totalitário de um lado e do outro.

 

publicado por victorangelo às 21:02

twitter
Novembro 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9


20

30


subscrever feeds
<meta name=
My title page contents
mais sobre mim
pesquisar
 
links
blogs SAPO