Portugal é grande quando abre horizontes

17
Mar 14

Há uma certa confusão no ar.

 

Os exemplos são muitos.

 

Gente boa e progressista cita Nigel Farage, o líder do UKIP, United Kingdom Independence Party, quanto se trata de encontrar argumentos contra a União Europeia. Ora, Farage, que se tornou conhecido por ter aproveitado bem a sua condição de deputado do Parlamento Europeu, é o chefe de um partido ultranacionalista e reaccionário, profundamente anti-imigração e contra os estrangeiros que vivem no Reino Unido. Um aliado de outros partidos xenófobos, como por exemplo o Partido Popular Dinamarquês. 

 

Infelizmente, a confusão vai permitir ao UKIP ganhar as eleições europeias de Maio, na Grã-Bretanha. E o partido dinamarquês, aproveitando a mesma onda anti-imigração vai provavelmente ser o mais votado na Dinamarca.

 

Outro exemplo diz respeito à Rússia de Putine.

 

Na ânsia de pintar a Europa e os Estados Unidos com as piores cores, muitos têm, nos últimos tempos, alinhado a sua visão do mundo pela cartilha que Putine segue. E têm, por isso, tendência para apoiar tudo o que Putin diz e faz e ver o mal apenas deste lado.

É uma visão confusa do que são, de facto, os nossos interesses.

 

Hoje, de novo, os interesses contam mais do que a cooperação entre as partes. Infelizmente, assim é. Sempre defendi que era preciso encontrar equilíbrios entre os diferentes interesses e promover a cooperação e a interdependência entre as comunidades de países.

 

A confrontação é um retrocesso.

 

Mas quando existe, é preciso ter uma ideia clara de quem são os nossos e onde estão os nossos interesses.

  

 

 

 

publicado por victorangelo às 16:54

twitter
Março 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9


29



subscrever feeds
<meta name=
My title page contents
mais sobre mim
pesquisar
 
links
blogs SAPO