Portugal é grande quando abre horizontes

02
Set 14

Disse hoje a uma jovem minha conhecida que as migrações são e sempre foram uma opção para quem procura melhores oportunidades. E lembrei-lhe, em duas palavras, que não vale a pena estar a dar grandes lições aos jovens portugueses de hoje – estou cada vez mais convencido que muitos sabem bem o que querem – que, no meu caso, saí de Portugal aos 28 anos. E até tinha emprego, um trabalho que para a época, era relativamente bom e promissor. Não me arrependi da decisão dessa altura. É verdade que tudo tem os seus custos. Mas o custo maior é o de ficar parado, à espera que o céu nos caia aos pés. E hoje, já ninguém está longe. Quando eu saí, se queria telefonar à família tinha que marcar a chamada de véspera. Muitas vezes a linha era um caos e a conversa uma frustração, para ambos os lados da linha. Agora, com as redes sociais, é uma ligação instantânea e gratuita, com imagem e tudo. Emigrar é como estar apenas do outro lado do ecrã.

publicado por victorangelo às 22:34

01
Set 14

Hoje entrei pela primeira vez na minha agência do meu Novo Banco. A última vez que lá fora ainda a coisa era conhecida pelo nome antigo. E tinha clientes. Hoje, fiquei com a impressão que está tudo muito morno, ou mesmo parado. Que não há actividade.

 

O que me levou ao Novo foi uma situação ridícula com o cartão de crédito de uma das minhas filhas. Por sinal, a que tem a conta mais alimentada. O cartão que lhe haviam dado tinha um crédito de 500 euros apenas. Um plafond insuficiente, que ainda se tornava mais difícil de gerir com ciclo de crédito a fechar a 12 de cada mês mas a conta dela a ser debitada apenas a 30. Ou seja, na prática, o cartão só dava para uma dúzia de dias de operação por mês. E ficava rapidamente inoperacional, com o limite dos 500 euros a ser atingido num ápice.

 

Fui ao atendimento personalizado. E apercebi-me, por comparação com outros bancos noutros países, que os dois miúdos que se ocupam desse tipo de atendimento não têm poder de decisão nem capacidade para fazer o aconselhamento que certas situações que saem da rotina exigem. A boa vontade não chega, nestas coisas de banca e de dinheiros. Nem o fato e a gravata e a menina bonita ao balcão. E com a reputação do banco fortemente abalada, fiquei a pensar que o Novo deveria, isso sim, chamar-se Verde, Muito Verde. Também fiquei com a impressão que não vai ser fácil vender esta coisa “nova” por um valor que cubra o que o Estado acaba de lá pôr, para salvar a barraca. Verde e com pouco ponta por onde se lhe pegue.

publicado por victorangelo às 22:42

twitter
Setembro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9

17

23
26
27

28


subscrever feeds
<meta name=
My title page contents
mais sobre mim
pesquisar
 
links
blogs SAPO