Portugal é grande quando abre horizontes

02
Out 15

Votar por convicção ou votar útil, para derrotar A ou B? Esta é uma das interrogações que se colocam a quem se dá ao trabalho de se deslocar às assembleias de voto. E não há resposta certa. Cada um deve fazer como melhor entender. Assim deve funcionar o jogo democrático.


Mas o grande problema, este domingo, terá que ver com a abstenção. Creio que vamos assistir a valores históricos. E isso, sim, está fora do que se espera em democracia.


Só que ninguém é obrigado a votar. E que muitos pensam que as escolhas que estão nos boletins de voto são, na verdade, más opções. Quem poderia ser eleito não sobressai. E quem sobressai, terá piada, terá simpatia, mas não tem programa que possa ser implementado nas circunstâncias europeias do nosso país. É que a votação não se pode alhear nem das nossas circunstâncias internas nem das externas. São um todo. É preciso equilíbrio. E falar do futuro de uma maneira que faça sentido.


Quando isso não acontece, uma boa parte de nós fica em casa.

publicado por victorangelo às 19:35

twitter
Outubro 2015
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
13
17

18

27
31


subscrever feeds
<meta name=
My title page contents
mais sobre mim
pesquisar
 
links
blogs SAPO