Portugal é grande quando abre horizontes

24
Abr 10

 

Passar quase quatro horas na Loja do Cidadão para renovar um passaporte foi a moeda de hoje. Às 09:30, a bicha nas Laranjeiras quase chegava à Estrada da Luz. Milhares de cidadãos pacientemente esperando por serviços burocráticos básicos. Santa paciência, que deve haver um canto no céu inteiramente reservado aos nacionais lusitanos. Bem merecido é!

 

A verdade é que os serviços administrativos são insuficientes, numa cidade como Lisboa, para as necessidades da população. Poupa-se em funcionários enquanto o pobre do utilizador perde em termos de tempo e de fé na eficiência da função pública.

 

Segui para os Restauradores. Antes das 10:00, a senha para o balcão de emissão de passaportes já apregoava o número 75. O que me deu tempo para ficar à espera, de pé, que só haviam cinco assentos disponíveis, até cerca das 14:00. Curiosamente, a maioria dos portugueses que me passaram à frente dos olhos eram crianças e pais jovens de origem africana. Todos com a nacionalidade de Portugal, todos, ao fim e ao cabo, com o mesmo documento que um desgraçado de um Alentejano como eu iria receber. Ou seja, muitos dos nossos concidadãos têm pouco a ver com a descendência que Viriato nos deixou.

 

Foi esclarecedor em termos das grandes mutações que as migrações recentes provocaram no nosso país.

 

Pensei que a imigração é um dos três grandes temas das eleições britânicas. Os outros dois são, obviamente, a crise económica e a falta de honestidade dos políticos. Lembrei-me das discussões sobre as questões da identidade, que estão a percorrer a sociedade francesa. No tema do véu integral, muito actual na Bélgica e noutros países vizinhos.

 

Tudo isto são assuntos muito delicados, fracturantes, fontes potenciais de conflitos cívicos. Esperemos que aqui, na nossa terra de santos pacientes, haja suficiente sabedoria para não entrar por esses caminhos.

 

 

publicado por victorangelo às 22:01

Há fortes probabilidades de Portugal ser "contagiado" pelo "efeito dominó"!
À semelhança do que sucede com a criminalidade, é natural que a nossa sociedade portuguesa se veja brevemente envolvida em debates, discussões e conflitos a respeito das questões da identidade.
Portugal funciona muitas vezes como a "última estação" da Europa. A manifestação destes assuntos é tardia, mas acaba por acontecer.
A ver vamos... o tempo o dirá...
Tito a 25 de Abril de 2010 às 12:15


Victor, pelos vistos já estas na nossa terra! E já estás a comprovar a eficiência da nossa administração... Não entres em stress, com o tempo passamos a achar natural e encontramos explicações para tudo isto, às vezes as mais bizarras! Bj da Conceição
Anónimo a 25 de Abril de 2010 às 19:33

gosto do teor dos teus posts de «reintegração» na nossa santa lusa sociedade moderna. Quanto às questões de identidade, se ainda não fazem parte da agenda dos nossos cegos políticos é só porque estes andam demasiado ocupados a tapar os buracos activos e passivos da tão badalada corrupção... o novo folclore nacional! Na vida quotidiana do português comum as questões relacionadas com a imigração e a identidade tornam-se cada vez mais presentes !
lírio do campo a 26 de Abril de 2010 às 10:24

twitter
Abril 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9



30


<meta name=
My title page contents
mais sobre mim
pesquisar
 
links
blogs SAPO