Portugal é grande quando abre horizontes

11
Ago 10

Começou o mês do jejum muçulmano, o Ramadão. Quando o Ramadão cai num período de Verão, a penitência é mais difícil. Sobretudo, por não se poder beber durante as horas do dia.

 

 Este ano, um dos países islâmicos de maior população, o Paquistão, está a atravessar uma grande crise interna, que põe em jogo a sobrevivência de cerca de 14 milhões de pessoas. As chuvas torrenciais têm sido de uma intensidade extrema. As cheias, que daí resultaram, destruiram o modo de vida de populações que, já à partida, viviam em condições de grande pobreza e precariedade. Nem dá para pensar no Ramadão.

 

Há outras regiões do país que também poderão ser afectadas.

 

Trata-se de uma situação de urgência humanitária de grande envergadura. É preciso mobilizar muitos meios.

 

A ONU lançou hoje um apelo humanitário de 460 milhões de dólares, para que se possa ajudar os que estão em risco. As primeiras indicações são de que a resposta ao apelo vai ser diminuta e demorada. Para já, apenas quatro países estão a responder. A UE, para além de uns meros 5 milhões de euros que prometeu disponibilizar, está a mostrar, uma vez mais, que a ECHO, a organização humanitária da UE, e as estruturas de resposta a crises não funcionam com a celeridade que seria de esperar. Nem são eficientes. Nem na resposta às cheias na Polónia e na Alemanha, nem no caso dos incêndios em Portugal -- seria a altura ideal para mostrar que existe uma visão mais ampla de combate às catástrofes, juntando os meios de vários Estados, vendo a catástrofe como um problema transnacional e não apenas nacional. Quanto mais na ajuda a um país distante, de gente com uma cultura estranha, homens com ar de extremistas religiosos, de barbas e cara de poucos amigos do Ocidente.

publicado por victorangelo às 21:50

twitter
Agosto 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9





<meta name=
My title page contents
mais sobre mim
pesquisar
 
links
blogs SAPO