Portugal é grande quando abre horizontes

30
Dez 10

A questão de fundo, nesta Lisboa de fim de ano, não é sobre o FMI, saber se é preciso ter ou não um programa de ajustamento com o Fundo. Sem ter sido preciso bater à porta do FMI, já existe um programa de cortes na despesa pública. Aprovado pela Assembleia da República, cabe ao governo proceder à sua execução. É o orçamento geral do Estado para 2011.

 

Será suficiente para equilibrar, num prazo não muito distante, as contas públicas? Ou serão precisas mais reduções de despesa e mais entradas de impostos? Se sim, não seremos capazes de chegar a um acordo sobre esses cortes, sobre o pacote de novas medidas, sem ter que fazer apelo ao FMI ou ao fundo de emergência da UE?

 

Creio que sim. Penso que há compreensão suficiente entre a classe política portuguesa para que se possa chegar a novos acordos, caso seja necessário.

 

Mas, e é aí que está o centro da questão, os fundos e as instituições estrangeiras, que nos emprestam dinheiro -- as fontes donde virão os 20 mil milhões que o Estado português vai pedir emprestado em 2011, mais os outros grupos financeiros internacionais, que terão que emprestar dinheiro aos bancos e à economia portuguesa -- têm confiança suficiente na nossa capacidade de gestão da nossa própria crise? Essa é, neste momento, a questão mais premente.

 

Há ou não confiança internacional em nós? Se a resposta for de dúvida, teremos então que perguntar, a nós próprios, que deverá ser feito para reconquistar essa confiança. Sem ela, não há saída para a crise. Esse parece-me ser o verdadeiro debate. O resto é populismo e asneira pegada.

 

publicado por victorangelo às 17:46

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.


twitter
Dezembro 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9





subscrever feeds
<meta name=
My title page contents
mais sobre mim
pesquisar
 
links
blogs SAPO