Portugal é grande quando abre horizontes

13
Set 11

Um dirigente partidário disse ontem, alto e bom som, que não está de acordo com a inclusão de uma cláusula na Constituição que limite a dívida pública. A razão que mencionou é estranha. Diz que está farto dos mercados. 

 

Este tipo de declarações, neste momento de crise profunda que Portugal vive, é inoportuno. Não tem em conta as dificuldades financeiras que o país atravessa e a necessidade de encontrar novos financiamentos.

 

Pede-se a quem tem responsabilidades públicas e que representa, ao mesmo tempo, a direcção de um partido do arco da governação, que tenha mais tino. Não é uma questão de andar a zorros em relação aos mercados. Trata-se, simplesmente, de perceber onde nos encontramos.

 

 

 

publicado por victorangelo às 19:51

twitter
Setembro 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9





<meta name=
My title page contents
mais sobre mim
pesquisar
 
links
blogs SAPO