Portugal é grande quando abre horizontes

14
Set 11

Depois de ter feito o check in, apercebi-me que havia trazido na bagagem de mão um carregador telefónico que deveria ter ficado em casa, onde faria falta, durante a minha longa ausência que hoje começou. Que fazer? Não tinha ninguém a quem o entregar no aeroporto, como também não teria tempo de voltar a casa, para o deixar.

 

Fui à praça de taxis das partidas, a da parte de cima, no aeroporto da Portela, e o primeiro táxi disponível avançou na minha direcção. Era conduzido por um jovem, que pela conversa percebi ser muito recente na profissão. Entreguei-lhe o carregador, dei-lhe o valor estimado do custo do percurso, e pedi-lhe que o entregasse em casa. Sem mais. Disse-me que estivesse descansado.

 

E entregou.

 

Fiquei contente. Foi bom para a minha maneira de ver as coisas saber que se pode confiar num motorista anónimo que faz do táxi o seu ganha pão.

 

O país precisa que se tenha confiança nas pessoas. Assim se construíram, noutros lugares, sociedades que funcionam bem.

 A confiança cívica faz parte da riqueza de um país.

 

Este terá sido um caso isolado, mas quero acreditar que abre uma luzinha de esperança.

 

 

publicado por victorangelo às 19:37

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.


twitter
Setembro 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9





subscrever feeds
<meta name=
My title page contents
mais sobre mim
pesquisar
 
links
blogs SAPO