Portugal é grande quando abre horizontes

23
Jul 12

Foi um dia bem preenchido.

 

Começara com uma escrita sobre a Síria, um conjunto de propostas para um xadrez bem complicado. Mas as coisas estão em fase de aceleração e, por isso, é preciso pensar na transição e no papel que a UE possa vir a desempenhar. Assad pode cair a qualquer momento. Como também podemos assistir a uma perda total do controlo da situação, a um resvalar para o abismo.

 

Terminou com uma longa discussão sobre as possibilidades de investimento das empresas portuguesas em África. Parecendo que não, há muitas hipóteses. Precisam de ser acompanhadas pelas embaixadas portuguesas. E de beneficiar dos conselhos de quem conhece bem as diferentes realidades do Continente. 

 

Pelo meio, surgiram outros desafios. 

 

O que foi de facto inesperado foi o primeiro-ministro dizer "que se lixem...as eleições, que o que conta é Portugal". Foi mais um erro de comunicação. Portugal não é mais do que a expressão democrática da vontade dos seus cidadãos. Ninguém pode pensar, em política, que tem mais razão que a razão que lhe é dada pelos resultados de eleições livres. Mais ainda. Um primeiro-ministro não pode falar com a língua solta.

publicado por victorangelo às 22:39

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.


twitter
Julho 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9

15
18




subscrever feeds
<meta name=
My title page contents
mais sobre mim
pesquisar
 
links
blogs SAPO