Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Vistas largas

Crescemos quando abrimos horizontes

Vistas largas

Crescemos quando abrimos horizontes

Berlim, Lisboa e Bruxelas

Eis o link para o meu texto de hoje na Visão:#


 

Também reproduzo o texto de seguida:

 

 

De Berlim à Europa, via Lisboa

Victor Ângelo

 

 

Com eleições para o Parlamento Federal já neste domingo, seria estranho não escrever sobre a Alemanha. Até porque discorrer sobre esse país permite reflectir sobre a UE. Quer se goste quer não, a Alemanha é hoje o Estado que determina a agenda europeia. E, sejamos pragmáticos, no horizonte que é visível vai continuar a ser assim. Por isso, é bom que olhemos para Berlim com os olhos bem abertos e de modo desapaixonado, para além da paixão de consolidar uma Europa próspera e em paz consigo própria.

 

 A vitória de Angela Merkel parece um dado adquirido. Não irá, no entanto, conseguir governar sozinha. O parceiro da coligação actual, o Partido Democrático Liberal (FDP), não deverá ter votos suficientes para poder manter representação no parlamento. Nesse caso, a solução terá que passar por um acordo do centro-direita, a família política da Chanceler, com o Partido Social-Democrata (SPD), sob a forma de uma “grande coligação”. Será, no entanto, uma aliança coxa, que só poderá funcionar em serviços mínimos, quer do ponto de vista da política interna quer no que respeita à Europa. Merkel, como Chanceler, e Peer Steinbrueck, o cabeça de lista do SPD, como número dois do novo governo, é um casamento político de pura conveniência. Fará pensar naqueles casais que vivem debaixo do mesmo tecto por não terem outra alternativa. E que decidem que a melhor solução é deixar correr o tempo, sem fazer ondas.

 

A política externa será igualmente morna, na melhor das hipóteses. Como, aliás, já acontece há vários anos. Em relação ao exterior, Merkel só joga com duas cartas: abstenção ou obstrução. É uma opção deliberada, que não vai mudar. Não é falta de ambição. Baseia-se numa visão do mundo que considera a actual correlação de forças como sendo favorável à Alemanha e à sua presença nos mercados globais que contam: a Rússia, a Turquia e o Golfo Pérsico, mas acima tudo, o Extremo Oriente e a Ásia Central. A preferência por uma diplomacia da indiferença perante as causas que não ponham em jogo os interesses alemães traduzir-se-á, no que respeita à Europa, na preocupação em manter o status quo. É o aprofundamento da construção europeia quem vai pagar as favas. Para Merkel, o que conta é a livre circulação das mercadorias e a estabilidade do euro. Claro que resumir numa frase a política de Berlim é um pouco simplista. Mas permite chamar a atenção para o cerne da questão.

 

Uma Europa assim põe em causa vários projectos, nomeadamente a união bancária e um sistema comum de defesa. E, acima de tudo, o princípio da solidariedade entre os povos da União. Mas a verdade é que nunca houve a preocupação de fazer partilhar esse princípio com os cidadãos europeus, de lhe dar legitimidade popular. Ficou ao nível das elites. Na prática, transformou-se num monstro burocrático, criado para gerir os principais instrumentos da “solidariedade” – os fundos estruturais e de coesão, mais os destinados à agricultura e às pescas – e numa oportunidade para corrupção e obras de fachada. Não é de admirar, por isso, que a solidariedade esteja em crise.

 

No que nos respeita, a pergunta é evidente. Como deveremos agir, neste tipo de contexto? A resposta simplificada passa por ter voz e levantar o tom, nas instituições europeias. É altura de intervir com base numa posição nacional, que resulte de um consenso entre os portugueses. A nossa voz deve transmitir uma mensagem clara, fazer uma defesa inteligente dos ideais, valores e interesses comuns e defender ao mesmo tempo o que é justo para Portugal, sem subserviência nem ingenuidade.

 

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

<meta name=

My title page contents

Links

https://victorfreebird.blogspot.com

google35f5d0d6dcc935c4.html

  • Verify a site
  • vistas largas
  • Vistas Largas

www.duniamundo.com

  • Consultoria Victor Angelo

https://victorangeloviews.blogspot.com

@vangelofreebird

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D