Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Vistas largas

Crescemos quando abrimos horizontes

Vistas largas

Crescemos quando abrimos horizontes

Procurar sempre ser-se o melhor

Estive recentemente em Singapura, depois de doze anos de ausência. Foi-me difícil reconhecer a cidade, apesar de a ter conhecido bem no passado. O reordenamento urbano, especialmente na área da Marina e nos bairros residenciais na parte Leste, na direcção do aeroporto, é simplesmente espectacular. Reflecte bem a riqueza existente, uma enorme capacidade de investimento, bem como a preocupação política de mostrar que Singapura é o epicentro da região, o local onde as grandes empresas devem ter a sua sede regional.

 

A filosofia governativa, inspirada no pensamento do Pai da Nação, o homem que transformou a independência de um lugar perdido e pouco hospitaleiro numa sociedade evoluída e segura, Lee Kuan Yew, hoje um velho senhor de 90 anos, tem sido sempre a mesma: ser o número dois não chega, é preciso, isso sim, ser-se o melhor!

 

Pode dizer-se muita coisa sobre Lee Kuan Yew, a sua visão autoritária e paternalista, e também sobre Singapura. Mas acima de tudo convém não esquecer que sem uma ambição nacional que nos procure colocar no topo não se constrói um país moderno, capaz de oferecer oportunidades de vida para todos.

Escrevendo sobre Putin e a Rússia

Escrevo no primeiro número de 2014 da Visão, que agora está à venda, um texto sobre Putin e a Rússia.

 

Putin foi, em grande medida, o homem político do ano 2013. E vai continuar a dar que falar, neste ano novo.

 

O texto pode ser lido através do link:

 

http://tinyurl.com/p9fzlj9

 

Também o ponha à disposição do leitor nos parágrafos que se seguem.

 

Putin, nós e o futuro

Victor Ângelo

 

 

 

2013 terminou com meio mundo a falar de Putin. A catástrofe política e humanitária na Síria, o dilema na Ucrânia, a retórica antiocidental que prima na comunicação social russa próxima do regime e a libertação de Mikhail Khodorkovski e outros mantiveram o senhor do Kremlin nas primeiras páginas da imprensa internacional. Recentemente, a revista Forbes considerou que Putin foi a pessoa mais poderosa do ano.  

 

Olhando agora para 2014, continuamos a ver Vladimir Putin no centro da cena internacional. Vários acontecimentos de relevo prometem continuar a dar-lhe um protagonismo excepcional. A Síria de Bachar Al-Assad será discutida em Genebra em finais de Janeiro, sabendo que poderá contar uma vez mais com o apoio da Rússia. Depois, teremos os Jogos Olímpicos de Inverno em fevereiro e a cimeira do G8 em junho. Ambos os eventos vão ter Sochi como cidade anfitriã. Uma cidade que Putin quis transformar no espelho da modernização nacional, à custa de um investimento exorbitante de 52 mil milhões de dólares. Mais tarde, nos primeiros dias de setembro, a Rússia será o fantasma a pairar sobre a Cimeira da OTAN, no País de Gales, sobretudo quando for necessário tomar uma decisão final sobre a instalação do sistema compreensivo de defesa antimíssil. Este é um tema que envenena, de modo muito especial, o relacionamento entre Putin e o Ocidente. Sem esquecer que a questão do alargamento da Aliança Atlântica para Leste continuará na ordem do dia, o que desagrada de sobremaneira ao Kremlin, sobretudo se a candidatura da Geórgia se mantiver.

 

A verdade é que Putin gosta de estar no foco das atenções. Por razões pessoais e por motivos nacionalistas. Acredita que a sua missão é a de fazer renascer o país dos escombros que resultaram da desintegração da União Soviética. Consequente com a tradição ultranacionalista, pensa que o país precisa de um líder forte, determinado, escorado nos valores da Igreja Ortodoxa e na superioridade da cultura russa, capaz de resistir às conspirações do Ocidente. A ambição é fazer regressar a Rússia ao estatuto de grande potência, em paridade com os Estados Unidos. Para o conseguir, Putin julga que o caminho passa pela imposição de respeito a todo o custo, pela intimidação dos vizinhos e por uma política de confrontação com a Europa.  

Esta é uma visão retrógrada. As ameaças que a Rússia tem de enfrentar são no fundamental internas. Têm que ver com a fragilidade das instituições, as limitações à liberdade individual, as distorções da economia, a gravidade dos problemas sociais e com questões de identidade nacional.

 

Ao nível das instituições, a democracia e o respeito pelos direitos humanos estão ainda em construção. O sistema de justiça precisa de se libertar da manipulação vinda do poder político. A administração pública tem que vencer a corrupção e o nepotismo. Note-se que em 1999 a Rússia surgia na posição 82, no índice de corrupção calculado pela Transparency International. Agora está na posição 127, o que a coloca muito mal, numa escala que compreende 177 estados. Em termos das liberdades fundamentais, os problemas são conhecidos. Lembro apenas que no índice da World Press Freedom, a Rússia de Putin passou da posição 121, em 2002, para a 148, o que traduz uma deterioração do clima de liberdade de opinião nos últimos dez anos.

 

Do ponto de vista económico, a Rússia é um dos BRICS. Para mim, isto significa crescimento. E assim tem sido. A época de Putin tem sido marcada por uma melhoria apreciável das condições de vida, sobretudo nas grandes cidades. A classe média viu os seus rendimentos triplicar. O Estado tem reservas em divisas como nunca teve, com um valor estimado em 511 mil milhões de dólares. Trata-se, no entanto, de um crescimento desequilibrado. Assenta, no essencial, no petróleo e no gás, bem como noutras indústrias extractivas. O resto do tecido económico permanece atrasado e incapaz de competir nos mercados internacionais. Pior ainda, o país não consegue atrair um nível razoável de investimento. Em 2012, a saída de capitais para o estrangeiro foi de 55 mil milhões de dólares e no ano que agora acabou, a fuga foi estimada em cerca de 65 mil milhões. Ou seja, os milionários russos não acreditam na estabilidade a prazo do seu próprio país. E os investidores estrangeiros ainda menos. Ora, o potencial é imenso. Quer na Sibéria ou nas regiões do extremo oriente, quer ainda no Ártico. Uma parte considerável das futuras fronteiras do desenvolvimento económico mundial irá passar por essas terras.

 

A problemática social tem que merecer uma atenção redobrada. É verdade que a política actual conseguiu travar o declínio populacional que vinha a ocorrer desde 1991. Há, todavia, muito por fazer, quer em termos de saúde pública, em especial no combate ao alcoolismo e ao aumento das infecções por VIH, quer ainda no que respeita à expansão acelerada do consumo de drogas. Sem esquecer que existe uma proporção elevada de cidadãos a viver abaixo da linha de pobreza. As desigualdades sociais extremas definem a Rússia de hoje.

 

Num país que foi construído à volta do mito da supremacia das raízes russas, as minorias étnicas e culturais são um desafio de fundo e constante. Para além da centena de grupos étnicos que formam a Federação Russa, há igualmente que ter presente o potencial de destabilização que existe nas repúblicas em que a maioria da população é de cultura islâmica. A instabilidade é particularmente aguda nas regiões do Norte do Cáucaso, do Daguestão à Chechénia. A resposta de Putin tem consistido num misto de autonomia e repressão. Essa é a resposta clássica, própria de quem acredita no uso da força. Não tem em conta que é preciso combater o racismo de muitos russos em relação às outras etnias e promover o desenvolvimento dessas terras distantes da capital.

 

Não convém, finalmente, esquecer as ameaças externas. Três quartos do território nacional estão na parte asiática do país, mas três quartos da população vivem na parte europeia. Este facto poderá dar asas à imaginação chinesa. A China tem um problema de espaço e de recursos. A norte, do outro lado da fronteira, há todo um território por explorar. Na minha opinião, a segurança externa da Rússia tem que ver, a prazo, com a sua frente oriental. Moscovo está a investir de um modo acelerado na revitalização das suas forças armadas. Vê as fronteiras do lado da OTAN e o Ártico como as áreas prioritárias de defesa. Talvez fosse mais estratégico apostar num relacionamento diferente com a Europa e os EUA, pensar em termos de cooperação e não de hostilidade. E virar-se para o Oriente. Uma presença mais forte na Ásia contribuiria de modo significativo para reequilibrar a balança de poderes nessa região do mundo. Com o tempo transformaria a Rússia numa ponte entre a Europa e o Extremo Oriente. Parafraseando o que Putin disse há uns anos, seria assim um dia possível caminhar de Lisboa a Vladivostok em segurança. Ganharíamos todos.

 

 

ASEAN

Estive ontem numa reunião sobre ASEAN, a Associação dos Estados da Ásia do Sudeste, uma comunidade que reúne 10 países, num total de 600 milhões de habitantes.

 

Timor é candidato a membro, mas tem encontrado a oposição de Singapura, que considera a antiga colónia portuguesa como demasiado subdesenvolvida para poder ser admitida. Curiosamente, o grande aliado de Timor é o governo de Jacarta. Assim, com o apoio explícito da Indonésia é muito provável que Timor consiga entrar para a ASEAN em breve. 

 

A UE é um grande parceiro comercial destes estados. Existem acordos privilegiados de comércio com Singapura, a Malásia e o Vietname. Outros países deverão seguir o mesmo exemplo, se Bruxelas souber jogar bem as cartas. Mas a região privilegia, acima de tudo, as relações económicas com a China, a Coreia do Sul, o Japão, a Austrália e a Nova Zelândia, por razões de proximidade. A Índia é, também, um parceiro cada vez mais presente na região. 

 

Com uma taxa de crescimento económico de 8,2% em 2011 e de 7.3% (prevista) em 2012, ASEAN tem um dinamismo que faz inveja a muitos. Mas também tem muitos problemas por resolver. Certos estados membros têm um nível de desenvolvimento relativamente baixo - o Camboja e Myanmar são dois exemplos - e existem problemas de governação, transparência das contas publicas e de direitos humanos. Como existem, igualmente, algumas tensões militares, quer internas quer com a China, e problemas de pirataria no estreito de Malaca. 

 

É, no entanto, uma região que vale a pena acompanhar com atenção. A UE precisa de reconhecer a importância económica e estratégica desta região da Ásia. E deve definir uma política comum para a região. 

A China de cima

Estamos nas vésperas de mais uma cimeira UE-China, desta vez em Beijing. Creio que será a primeira cimeira da humildade europeia. Até agora, os dirigentes da União olhavam para a China com algum desdém, com um ar de superioridade mal contida. Desta vez, será diferente. A Europa está mergulhada numa crise estrutural profunda, sente-se, de certo modo, à deriva, enquanto a China continua a ter uma visão expansionista e optimista da sua economia e da sociedade. 

 

Estamos a assistir um processo de reequilibragem das relações internacionais que é apenas natural. O que não era normal era ter um cantinho do mundo, meia dúzia de estados da Europa Ocidental, numa posição de domínio das relações económicas e políticas internacionais. Assim aconteceu durante séculos. Temos que aceitar a realidade e não cair na tentação racista, retrógrada, de diminuir ou ridiculizar o que é chinês. 

 

Entretanto, nem tudo são rosas, do lado chinês. Soube hoje que as despesas militares da China, que atingiram cerca de 120 mil milhões de dólares em 2011, vão chegar aos 238 mil milhões em 2015. Este acréscimo é enorme, fora de proporção, num espaço de tempo bem curto. Revela o peso político dos militares chineses, bem como os receios extremos que os animam, sobretudo em relação ao Japão e aos EUA. Vão levar a uma corrida aos armamentos, quando o que todos precisamos é de uma verdadeira corrida contra a pobreza.

Dá para pensar

Para que se tenha uma outra visão do mundo, para que se compreenda por que motivo os nossos horizontes são considerados, por muitos, como limitados, vou escrever sobre David Lockwood, que hoje faleceu em Londres. 

 

David tinha a minha idade. Fomos colegas na ONU, durante mais de três décadas. Nos últimos 12 ou 13 anos, antes da passagem à reforma, há menos de dois anos, David dirigiu o departamento Ásia, como director regional adjunto, do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento. Conhecia todos os países da Ásia, do Irão às ilhas do Pacífico, trabalhara com os dirigentes de cada um desses países na área do desenvolvimento e estava ao corrente de todas as questões políticas, em cada canto dessa vasta região. Fora representante da ONU no Afeganistão, no Paquistão e no Bangladesh, número dois na China, e assim sucessivamente. 

 

Era um homem com influência, com autoridade para decidir quem seria proposto para representar a ONU em cada um dos países da Ásia, que é o tipo de poder por excelência dentro do sistema onusiano, o de decidir quem vai para onde. Mas nunca o ouvi levantar a voz, cortar na casaca ou diminuir alguém. Antes pelo contrário. Até ao fim, esteve sempre disponível para aconselhar, para evitar que erros fossem cometidos ou que surgissem situações embaraçosas. 

 

Já era responsável pela Ásia quando Timor entrou, em 1999, num processo de independência. Lembro-me da delicadeza do assunto em Nova Iorque, pois ninguém, nenhum estado importante, queria entrar em colisão com a Indonésia. David foi um dos que teve que passar muitas horas no Salão dos Delegados, a desempenhar a tarefa complexa de fazer passar a pílula amarga que era a emergência de Timor como um país soberano. 

 

Pessoas como David têm uma outra visão do mundo. Neste dia de partida, pensemos nisso. 

Singapura descobre a África

Agora é Singapura que começa a interessar-se a sério por África.

 

Em Julho organizou o primeiro Fórum de Negócios África-Singapura. A partir de Outubro, haverá várias missões comerciais e de investimento. Com destino, numa primeira fase, a Angola, Botswana e África do Sul. Depois, será a vez do Quénia, Uganda e Ruanda. Numa terceira volta, os empresários deste país da Ásia do Sudeste irão ao Egipto e à Argélia.

 

A escolha dos países que interessam a Singapura merece reflexão.

Os pontos quentes

 

Escrevo hoje na Visão on-line sobre algumas das zonas mais complicadas do globo.

 

http://aeiou.visao.pt/uma-volta-rapida-pelo-mundo=f538113

 

Apraz-me registar que os meus textos são lidos com cuidado em vários gabinetes. Por gente do ofício e com responsabilidades políticas. Mas não só. Pessoas como todos nós também se interessam, o que muito me agrada.

 

Os textos são, muitas vezes, testemunhos de experiências vividas. Outras vezes, são uma maneira de falar sobre assuntos próximos de nós, mas sem mencionar o nome da nossa terra. Uma reflexão para alargar os horizontes, que alguma falta faz, diga-se a verdade.

 

 

 

A minha guerra

 

Encontrei-me hoje com uma delegação militar do Nepal. Falámos dos 19 500 antigos guerrilheiros maoistas que esperam, em campos especiais, que o governo, que resultou do processo de paz, e que integra os líderes políticos maoistas, decida sobre a sua sorte. Serão desmobilizados? Ou serão, na sua grande maioria, integrados nas Forças Armadas? A verdade e' que os ramos militares já contam com mais de 90 000 soldados. Aumentar esse número, neste momento de reconstrução do país, parece ser uma má opção.
 
Entretanto, o Nepal tem vários batalhões sob a bandeira das Nações Unidas, a participar em missões de paz. No Haiti e no Congo. Na Libéria, igualmente, mas na fase de retirada. Mais. O governo prepara-se para enviar um batalhão, mais uma secção de Polícia Militar,  para o Chade e uma companhia para o Darfur. 
 
A participação em missões de paz e' uma maneira inteligente de manter as tropas motivadas, enquanto o processo político vai ganhando raízes, estabilidade e credibilidade. Mas, mais tarde ou mais cedo, vai ser necessário reduzir os efectivos. Aqui, como em muitos outros países, incluindo na Guiné.
 
Os membros da delegação ofereceram-me, no final, uma faca de combate de alto interesse artístico. Mas, na realidade, arte ou não, e' mais uma arma para matar.
 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

<meta name=

My title page contents

Links

https://victorfreebird.blogspot.com

google35f5d0d6dcc935c4.html

  • Verify a site
  • vistas largas
  • Vistas Largas

www.duniamundo.com

  • Consultoria Victor Angelo

https://victorangeloviews.blogspot.com

@vangelofreebird

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D