Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Vistas largas

Crescemos quando abrimos horizontes

Vistas largas

Crescemos quando abrimos horizontes

Domingo de Páscoa e das diferenças

Domingo de Páscoa. A minha rua está vazia. Como se tratava de um fim-de-semana prolongado, os vizinhos saíram da cidade. Fico uma vez mais com a impressão que nesta rua não há crise. Há, isso sim, um grande interesse pelos dias feriados. Como se a vida quotidiana fosse um mero compasso de espera, entre períodos de lazer. Nisto, a Europa é muito diferente dos Estados Unidos, para já não falar da China. Na América há menos feriados, férias anuais mais curtas, menos pontes.

 

 E existe também uma outra grande diferença: neste país onde me encontro, quem chega aos 65 anos é obrigado a parar e a ir para a reforma. Não pode, excepto em casos muito excepcionais, continuar a exercer uma actividade laboral remunerada. Nos Estados Unidos, é frequente ver pessoas de idade avançada ainda a trabalhar. O sistema de reformas não é tão generoso como o europeu.

 

Afinal, o “mundo global desenvolvido” tem muitas disparidades. O que nos parece ser a verdade absoluta é visto por outros de um modo bem diferente. É bom pensar nisso.

 

 

Tempestades

 

Copyright V. Ângelo


O meu jardim, esta manhã, em Bruxelas. 

 

Como cidadão cumpridor, limpei a neve no passeio em frente à minha casa. Ocupado que estava, não vi chegar o meu vizinho, que me olhava com admiração, face ao meu exemplo cívico. Depois, dirigiu-se a mim e disse-me, com amizade e amabilidade, que este tempo horrível me daria certamente saudades de Portugal.

 

Não tive coragem de lhe dizer que os tempos que correm no meu país são de tempestade. 


Os novos emigrantes

Passei cerca de uma hora no Consulado-geral de Portugal em Bruxelas. A sala de espera tinha poucas pessoas. Mesmo assim, as histórias que ouvi – gente recém-chegada à emigração, sem papéis, totalmente dependente das oportunidades de emprego que outros portugueses lhes oferecem, às vezes com dolo e exploração sem limites – deixaram-me apreensivo. Em muitos dos que vão chegando, há uma mistura estranha de sofrimento, revolta, vontade de vencer e falta de preparação para a vida profissional e para compreender o mundo de agora.

 

Pensei que visitas regulares e demoradas a salas de espera de consulados portugueses, nos tempos de hoje, dariam azo a uma recolha de dramas de vida que, bem arrumadas num romance sobre a nova vaga de emigrantes, poderia ser um best seller. 

Paris com a luz do Sol de Inverno

Acabei por caminhar mais de seis horas. Paris é assim. É um encanto, em termos de arquitectura, espaço e gente. Sobretudo num dia lindo de sol como o de hoje. Nas grandes avenidas, ou nos bairros, nas zonas residenciais – passei uma boa parte do dia a percorrer o XV arrondissement – respira-se uma maneira de viver que nos faz esquecer a crise. E caminha-se, caminha-se, quer-se ver mais e mais. 

 

Mas, cuidado. É uma atmosfera enganadora, claro, pois quem queira observar com uma atenção mais apurada, nota que se consome menos, que há mais recato nas despesas, que se aproveita mais o que é grátis, como os jardins públicos, os passeios nos grandes boulevards, a paisagem monumental e humana. Mesmo assim, um longo passeio em Paris faz esquecer as mentes pequeninas e as crises grandes. 

Reflexão do dia: competir é para levar a sério

Creio que já o escrevi nestas páginas, há muito tempo, que em matéria de liderança política, quando há uma competição entre dois contendores fortes, o que pestaneja e mostra uma ponta de hesitação perde a disputa. E pode mesmo perder a imagem que conta, que é a que revela se está à altura do embate e pronto para ganhar. Que nestas coisas, só se lá vai para ganhar. Quando se perde, e o prémio que estava em disputa era grande, perde-se de vez. Sim, porque mais tarde haverá sempre quem venha lembrar que esse candidato que pestanejou e teve medo de ir até ao fim não tem, lá bem no fundo, estofo de campeão. Sem esquecer que a oportunidade de hoje pode não se repetir amanhã, que isto do futuro é muito incerto.  

Talvez seja melhor ficar por aqui

Tentei comprar dois bilhetes de avião nos Estados Unidos. A companhia aérea pediu-me um pouco menos de 600 dólares pelas passagens. O governo americano, por seu turno, leva-me mais de 1200 dólares em taxas, sobretaxas e outros impostos.

 

Na Europa, é mais ou menos a mesma coisa, embora não se chegue ao exagero americano, em que cada passo dado num aeroporto leva com um tributo ou emolumento em cima. A que se junta a profunda antipatia do pessoal da segurança e dos controlos. 

Sonhar não paga imposto

Visitei hoje o Salão Automóvel de Bruxelas, edição 2013. Os pavilhões estavam a abarrotar de gente. Fiquei a pensar como é possível haver tanto visitante disponível para passear pela exposição, numa manhã de sexta-feira. Estranho.

 

O salão deste ano dá uma certa prioridade às motas e outros engenhos de duas rodas. Vi dois pavilhões enormes cheios dos mais variados modelos. Parece que a mota é uma opção cada vez mais popular, tendo em conta as centenas de quilómetros de engarrafamentos que ocorrem neste país todos os dias.

 

Mas o mais interessante foi a visita especial que tive a oportunidade de fazer ao sector dos chamados Dream Cars, as viaturas de sonho. Fiquei apaixonado por uma ou duas, com preços entre 270 mil e 440 mil, a outra.  

 

Como em todos os sonhos, quando voltei à realidade e tive que entrar no meu modesto Fiesta que está a fazer, dentro de dias, sete anos, apercebi-me da minha verdadeira dimensão. Mas sonhar é a única actividade em que podemos “gastar” muito para além das nossas possibilidades. 

Somos todos muito versáteis

Os pensadores que têm porta aberta para a via pública da política portuguesa, sejam eles, jornalistas, autores de blogs, escritores de opiniões ou de poemas, economistas ou comerciantes de favores, bispos ou oficiais na reserva, cantores de fado ou activistas de causas alternativas, especializaram-se todos, nas últimas semanas, em questões constitucionais. Os jornais e as televisões, a net, as assembleias e outras tertúlias transformaram-se em mini Tribunais Constitucionais.

 

E ainda há quem diga que os portugueses não sabem adaptar-se à crise. 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

<meta name=

My title page contents

Links

https://victorfreebird.blogspot.com

google35f5d0d6dcc935c4.html

  • Verify a site
  • vistas largas
  • Vistas Largas

www.duniamundo.com

  • Consultoria Victor Angelo

https://victorangeloviews.blogspot.com

@vangelofreebird

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D