Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Vistas largas

Crescemos quando abrimos horizontes

Vistas largas

Crescemos quando abrimos horizontes

A manutenção da paz: uma Europa fora de jogo

Este é o texto que hoje publico na revista Visão:

 

Uma Europa ausente das missões de paz

Victor Ângelo

 

 

Os “capacetes azuis” são, para muitos de nós, a face visível da ONU no terreno. Dão corpo a uma das funções mais centrais das Nações Unidas, a manutenção da paz. Para os estados membros, as operações de paz estão entre as questões internacionais que merecem mais atenção política. Muitos diplomatas acham mesmo prestigiante trabalhar nessa área das relações multilaterais, uma espécie de bife do lombo, bem mais atrativa que os temas do desenvolvimento, do ambiente, do comércio internacional e até, dos refugiados ou dos direitos humanos.

Apesar disso, o trabalho da ONU neste campo acha-se de novo numa encruzilhada, à procura do caminho certo. Já havia estado em risco, no final da década de noventa, após a confusão dos Balcãs. Recuperou e ganhou fôlego há dez anos, com os sucessos obtidos na Serra Leoa e na Libéria. Foi então introduzida a noção de “missão integrada”, no sentido de se combinar a ação militar com as dimensões de polícia e os aspetos civis da reconstrução nacional. Surgiram, nos anos seguintes, várias novas operações onusianas, sendo o Sul Sudão, o Mali e a República Centro-africana os exemplos mais recentes. Com a expansão acelerada das missões, as inconsistências tornaram-se evidentes. Não se trata apenas do atraso nos destacamentos, embora seja relevante ter presente que uma missão como a do Mali, passados um ano e meio, ainda tem mais de 30% dos efetivos em falta. Trata-se de outras questões. As insuficiências atuais derivam da ambição absurda dos mandatos definidos pelo Conselho de Segurança, do novo tipo de conflitos armados que têm surgido e da reduzida participação dos países mais poderosos nas missões de paz.

Quanto aos mandatos, a preocupação em dar uma resposta integrada a uma situação de crise nacional caiu no exagero. O que deveria ser uma operação excecional, por um tempo determinado, passou a ser encarado como uma intervenção de anos, uma sucessão de tarefas sem fim, como tem acontecido no Haiti ou na Costa do Marfim. Perdeu-se de vista o que é prioritário. Ora, as prioridades têm que ver com a restauração da segurança interna e dos direitos dos cidadãos. E, em simultâneo, com a facilitação de um processo político que leve à estabilidade democrática e resolva as causas profundas da violência.

Mais. Os conflitos do presente são diferentes das guerras civis e das rebeliões do passado. Estamos, na maioria dos casos, perante crises de grande complexidade. A resposta deve ter em conta a existência de vários grupos armados, com objetivos ambíguos e condutas assimétricas. As novas violências combinam diversos tons de fundamentalismo com banditismo de estilo paramilitar, tudo ensopado num molho híbrido, feito na base da exclusão étnica, da má governação, do desmoronamento das instituições públicas e, cada vez mais, do ódio ao que é entendido como o mundo ocidental. Nos últimos anos, a configuração das missões de paz deixou de ser adequada face a estas misturas explosivas.

Finalmente, há que sublinhar a questão da fraca participação da Europa e dos estados mais desenvolvidos. A realidade é simples: constituímos os países com maior capacidade de desempenho mas temos, ao mesmo tempo, uma presença quase insignificante nos contingentes da ONU. Em nome da eficiência – e também dos valores, da responsabilidade internacional e dos nossos próprios interesses vitais – é premente exigir mais. Meios existem e o treino, também. Falta a vontade política nas nossas capitais. O que é um paradoxo, quando se pensa na importância que se diz dar à manutenção da paz.

 

Tem que haver esperança

Manter a cabeça fria é uma virtude. Na vida e na política. Mas nem sempre é possível. De vez em quando surgem umas explosões. Uns arrebatamentos. Devem, no entanto, ser a excepção. 

 

Neste momento, em Portugal, a excepção é a cabeça fria. A regra é a violência verbal, a intolerância perante os adversários, o ataque pessoal e a intriga. E isso acaba também por se reflectir no conteúdo do que escreve mos meios de comunicação social e nas redes sociais. Deixou de haver medida e imparcialidade, ganha quem gritar mais, quem for mais brutal e primário.

 

Devo dizer que tenho alguma dificuldade em mexer-me num ambiente assim. É fácil cair-se no pântano e chafurdar da mesma maneira, não nego. Por isso, uma certa distância em relação ao presente político faz bem à saúde mental.

 

Desse modo, quando me perguntam quando penso voltar à realidade portuguesa, digo que tenciono regressar na mesma leva que irá trazer D. Sebastião. Ou seja, ainda acredito que haja esperança.

 

 

A Leste

Fim de dia em Dresden, uma cidade monumental.

 

Pensei naquele "fazedor de opinião" português, bem da nossa terra, que descobriu, nas suas últimas intervenções públicas, que o ideal seria despachar Angela Merkel para a Alemanha do Leste. Não sei onde o homem foi buscar essa da Alemanha do Leste, que há mais de vinte anos que desapareceu do mapa, mas a verdade é que muita gente que conheço talvez não se importasse mesmo nada se fosse "chutada" para estas terras, onde a economia funciona e a vida decorre sem grandes apreensões nem inseguranças.

 

Já agora, quem vai dizer a esse politico que a Alemanha do Leste já não existe?

Perspectivas

 

 

Copyright V. Ângelo

 

No primeiro dia do Ano Novo, que mais se pode fazer do que desejar um feliz 2012 a todos os que têm sido fiéis a este blog?

 

O blog vai continuar em 2012. O objectivo continua a ser o de contribuir para uma visão mais ampla do quotidiano. Em simultâneo, a minha escrita procura dar perspectiva ao que vai acontecendo. É, ao mesmo tempo, um prisma e um binóculo.

 

Nada mais. Não queiram ver neste exercício mais do que a simples convicção que é importante participar na vida pública, mas sem motivos egoístas, sem ganho pessoal.

 

Um bom ano. 

Os inimigos de Portugal

Gostava de chamar a atenção de quem me lê para o comentário que MG, o autor do blog Nação Valente, que eu sigo, fez ao meu poste "Uma posse sem posses". Creio que é um texto bem escrito, inteligente, com graça. O que não significa, claro, que se está inteiramente de acordo com o conteúdo. 

 

A democracia é assim. Com diferenças de opinião, livremente expressas, mas com respeito.

 

O respeito é o que parece faltar a muitos dos nossos políticos. Construiu-se, em Portugal, uma vida política que se baseia no radicalismo verbal, na exclusão dos que não são do clube, na intolerância em relação às opiniões contrárias. E na falta de consideração pelo valor simbólico das instituições da República. 

 

Temos um país dividido. Em vez de se procurar consensos, acentua-se a diferença. Em vez de se fazer um esforço para encontrar soluções que satisfaçam a maioria, acentua-se o fosso ideológico, mesmo quando a ideologia não tem nada a ver com o assunto. Somos um país de pequenos anarquistas, sempre à procura da bomba que provoque estilhaços e ruído. Gostamos de confusão, de abocanhar, de diminuir os outros.

 

E não entendemos bem como funciona uma democracia. Da legitimidade nacional que um acto eleitoral credível implica. Falamos de um governo PS ou PSD, quando na realidade é, uma vez instalado constitucionalmente, o governo do país. E depois agimos, como se fossemos apenas o governo do PS ou PSD. Falamos de um Presidente daqui ou dacolá, quando, na verdade, uma vez eleito, deve representar todos. E assim deve ser visto por todos, sobretudo pelos que têm responsabilidades públicas de alto grau. 

 

Somos, nós os Portugueses, os nossos piores inimigos.

 

Uma política externa sem princípios

Defendo, no meu texto de hoje, na Visão, que os acontecimentos no Médio Oriente e Norte de África (MONA) nos vieram lembrar que uma política diplomática sem valores nem princípios leva ao descrédito de quem a pratica. A prazo, joga contra os interesses de quem a promove.

 

O oportunismo político não tem futuro, na era da internet e das redes sociais. As pessoas têm acesso à informação, sentem que os valores da igualdade e da liberdade são fundamentais, aprenderam a identificar ambiguidades, vacilações e interesses injustificados e não aceitam que a política seja feita desse modo. 

 

O mundo tem mudado muito, nestas primeiras semanas do ano novo.

 

O meu escrito está disponível também on line:    http://aeiou.visao.pt/e-agora=f591554 

Portugal no mundo

Escrevo, hoje, na Visão, sobre a campanha portuguesa que esta' a decorrer, com vista 'a conquista de um assento no Conselho de Segurança da ONU. Trata-se de assegurar a nossa presença durante o biénio 2011-2012.

 

No artigo, explico as vantagens de um lugar no Conselho.

 

Estamos a concorrer em competição com a Alemanha e o Canada'. Como so' existem dois lugares disponíveis, um destes três países vai ficar de fora. Qual sera'?

 

O texto pode ser lido no seguinte sítio:

 

http://aeiou.visao.pt/portugal-rumo-ao-conselho-de-seguranca=f566030

 

Um voltar de página, com optimismo

Voltemos aos espiões. A expulsão dos Estados Unidos dos agentes russos, por troca com espiões detidos na Rússia, foi um gesto positivo. Ambos os lados ganharam, prevaleceu a diplomacia e o bom senso. Mostrou que nas duas capitais ha' gente que entende que a cooperação e' mais importante do que a rivalidade.

 

O que teria sido um caso extremamente embaraçoso para o Kremlin acabou por ser um indicador de maturidade. Foi um voltar de página. Hoje, ha' mais esperança no mundo.

Fenómenos sísmicos

O meu texto na Visão on-line sobre a participação de Portugal em missões de paz ( http://aeiou.visao.pt/portugal-a-paz-e-o-mundo=f564719 ) -- trabalho que mencionei neste blog há dois ou três dias -- tem estado a atrair uma série de comentários, incluindo comparações entre o que as nossas Forças Armadas e de Segurança tiveram como funções antes do 25 de Abril de 1974 e as responsabilidades internacionais a que têm sido chamadas nos últimos vinte anos.

 

Da discussão é possível, uma vez mais, deduzir que a questão da descolonização continua atravessada na alma e nas emoções de muitos cidadãos. Embora tenham decorrido 36 anos, a verdade é que para muitos, os traumas vividos na altura continuam a marcar a sua visão da política externa portuguesa e, em particular, a sua relação com algumas das antigas colónias.

 

Creio que é normal que assim seja, pois o que aconteceu no seguimento do 25 de Abril foi uma mudança radical da história portuguesa. As transformações políticas e sociais de fundo têm grande peso na vida dos povos. E nem todos viram essas alterações sob o ângulo positivo e renovador que representaram.

 

Numa altura de crise política como a que Portugal vive hoje -- um fenómeno indiscutível, profundo, que pode ter consequências sísmicas comparáveis a Abril de 1974, e que só pode ser negado por quem sinta que a crise é, acima de tudo, um indicador da sua incapacidade de liderança e do fracasso das suas políticas -- é ainda mais tentador comparar o agora com o anterior. Só que os tempos e as circunstâncias são outros.

É preciso estar à altura

Um debate eleitoral recente, transmitido em directo pela televisão, surpreendeu-me. No final, ainda perante as câmaras, os políticos, líderes dos quatro maiores partidos, trocaram presentes entre si, coisas muito simples, como uma gravata ou flores, e terminaram a discussão num ambiente de camaradagem. Mesmo depois de umas trocas acesas, muito estava em jogo, que votar num deles ou no seu partido significava tirar votos aos outros. Foi na Bélgica, nas vésperas das eleições parlamentares que há pouco tiveram lugar.

 

Pensei nisso ontem à noite, ao ver a fúria do candidato Manuel. Discursava Alegre num jantar de apoiantes, tudo gente muito bem instalada e com pouco entusiasmo, sem falar da mandatária nacional, que ali estava a fazer figura de corpo presente, ocupadissima com o envio de mensagens por telefone. O discurso saiu mal, pois mais não foi do que uma série de frases de ataque ao actual Presidente da República, só bílis e slogans, nada subtil, parecia ter sido escrito por um miúdo radical, sem propostas nem serenidade.

 

É evidente que Alegre precisa de mudar de conselheiros de campanha. A continuar assim, faltar-lhe-á a atitude de estado que um candidato com as suas hipóteses deveria cultivar.

 

A entrevista que dera recentemente à RTP fora bem melhor.

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

<meta name=

My title page contents

Links

https://victorfreebird.blogspot.com

google35f5d0d6dcc935c4.html

  • Verify a site
  • vistas largas
  • Vistas Largas

www.duniamundo.com

  • Consultoria Victor Angelo

https://victorangeloviews.blogspot.com

@vangelofreebird

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D