Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Vistas largas

Crescemos quando abrimos horizontes

Vistas largas

Crescemos quando abrimos horizontes

Uma boa decisão: Prémio Sakharov 2015

O prémio sobre a liberdade de pensamento do Parlamento Europeu, conhecido pela designação de Prémio Sakharov, reconhece, cada ano, uma personalidade que se tenha destacado na luta pelos direitos humanos. É um reconhecimento cheio de simbolismos políticos. Uma decisão política. O próprio nome do prémio tem um profundo significado político: lembra-nos a ditadura na União Soviética e o papel que Andrei Sakharov, um cientista nuclear russo, desempenhou na luta pelas liberdades e os direitos das pessoas, na parte final do regime comunista.

Este ano, a escolha recaiu no activista saudita Raif Badawi, um blogger que está preso desde 2012 na Arábia Saudita e que, entre outras coisas, foi condenado ao castigo público de 1 000 chicotadas. Badawi tivera a coragem de apontar o dedo à Universidade Islâmica Imam Muhammad ibn Saud como sendo um viveiro de extremistas religiosos e de terroristas.

Na verdade, o caso de Raif Badawi permite que nos lembremos que a política externa da Europa e do Ocidente em relação à Arábia Saudita é um enredo de ambiguidades e de jogos de dupla linguagem. A preocupação tem sido a de não ofender o regime de Riade. Ora, esse regime precisa de uma Europa que lhe fale a verdade e que lhe diga, nomeadamente, que as suas práticas legais e sociais estão em profunda contradição com os valores universais. São, de facto, inaceitáveis. E que não há desculpa alguma, incluindo na área religiosa ou dos costumes, que possa justificar as absurdidades e as violências praticadas pela liderança da Arábia Saudita.

Por isso, para além de felicitar a coragem de Raif Badawi, há igualmente que reconhecer o mérito da decisão deste ano do Parlamento Europeu.

 

Coisas santas

Nesta Sexta-feira de Páscoa, lembrei-me da visita recente que fiz ao Buda Deitado (ou Reclinado) em Yangon, a capital económica da Birmânia. E na importância da religião nesse país, incomparavelmente mais crente do que nosso caso. E, nalguns casos, tão intolerante como nós. Nomeadamente em relação aos muçulmanos de certas regiões da Birmânia.

Ora, num dia como o de hoje, a tolerância e aceitação das diferenças são dimensões que convém sublinhar.

 

P1060210.JPG

P1060212.JPG

P1060215.JPG

Copyright V. Ângelo

 

 

A liberdade e a democracia sempre

Foi novamente um dia dramático. Em várias partes do mundo, na Síria, no Iraque, no Afeganistão, na Líbia, no Nordeste da Nigéria, na África Central e em França. O caso francês, com o desfecho do drama à volta de Charlie Hebdo, foi o único que mereceu atenção mediática, um relevo extraordinário, na verdade. Porquê? Porque se trata de um caso ao pé da porta ou mesmo dentro da casa comum que é hoje a UE. Toca-nos directamente, o que não acontece com os outros incidentes e as outras violências em terras afastadas do nosso quotidiano. Há que ter isso em conta.

Também convém ter em conta um certo número de interrogações que estes actos terroristas levantam. São questões na área da segurança, da cooperação europeia, da prevenção, da inevitabilidade da insegurança nas sociedades abertas em que vivemos, mas também questões relacionadas com a integração dos jovens, com o impacto da imigração de pessoas de culturas diferentes das nossas, com os nacionalismos exagerados, com a intolerância como arma política, com a religião como pretexto para excluir os outros.

Há aqui matéria para muita reflexão. Mas o que não devemos perder de vista é claro: a democracia, a liberdade, o respeito pelos outros, são valores fundamentais que nenhum tipo de extremismo deveria pôr em causa. Mesmo que o preço a pagar seja, como desta vez, bem elevado.

Humanismo laico

Visitei o Centro de Acção Laica (CAL, secção francófona). Está instalado na ULB (Universidade Livre de Bruxelas), num edifício de três pisos, numas instalações modernas, bem desenhadas e amplas.

 

As actividades do CAL abarcam a capital e toda a Valónia. É financiado pelo estado federal belga, ao mesmo título que as confissões religiosas reconhecidas o são, e tem como função defender a liberdade de pensamento e as posições filosóficas da população não crente do país. Com uma vasta actividade editorial, um empenho muito grande na educação laica nas escolas públicas e uma participação muito activa no diálogo entre religiões e outras filosofias de vida, emprega mais de 160 pessoas, na sua sede nacional. Destacou-se, nos últimos anos, em virtude da sua campanha pelo reconhecimento do direito à eutanásia. Está, além disso, comprometido em fazer compreender aos líderes religiosos muçulmanos que ser ateu é uma opção respeitável. O conceito de ateu é algo de incompreensível para a quase totalidade dos crentes islâmicos. 

 

As limpezas da fé

Este blog não toma posição em matérias de fé, nem mesmo quando sacerdotes ortodoxos gregos se envolvem numa cena de pauladas e vassouradas com os colegas da vizinha igreja arménia, como aconteceu hoje em Belém, na Palestina, às portas da igreja da Natividade. Nem comenta o facto dos padres que andavam a limpar a igreja tenham que atar sacos de plástico à volta dos sapatos, para não molharem os pés. 

 

Em matéria de religião, cada um agarra-se à vassoura que lhe parece mais justa. 

Uns vizinhos temporários

Durante três dias, de Sexta até hoje, milhares de fiéis da Igreja Universal do Reino de Deus, encheram o estádio do Belenenses. Gente bem posta, com uma paciência evangélica, chegaram, cada dia, por volta das 08:30, para deixar o local cerca das 18:00 horas. Vinham às famílias, quase todos em carros particulares em bom estado.

 

As entradas do estádio eram controladas pela segurança da Igreja, tudo muito certinho e sem falhas aparentes. 

 

Foram meus vizinhos temporários. De vez em quando, olhava da minha varanda e lá estavam eles todos sentados, muitos ao Sol, cheios de fé e de calor. Eram uma paisagem humana interessante, uma curiosidade, num bairro de Lisboa que não tem grande animação de rua. O que fizeram, durante tantas horas, não sei dizer.

 

Aliás, eu nada sei sobre esta seita, para além do que é público. Mas nota-se que têm dinheiro, embora não creio que tenham poder. 

Ainda o Egipto

 

Na minha página da Visão que hoje foi posta à venda, volto a escrever sobre os acontecimentos no Egipto. Tinha que ser. O assunto continua a ocupar as grandes manchetes dos media. E tem havido, nos países ocidentais, quem tenha expresso profundas reservas e receios sobre o futuro do Egipto.

 

A minha tese principal defende que a mudança no Egipto deve ser encarada pela positiva. Não estamos em 1979, na situação que, na altura, prevalecia no Irão. Temos uma população bem informada, conectada com o mundo e com uma visão ampla das coisas da vida. É verdade que a Irmandade Muçulmana está bem organizada, tem uma vasta rede de serviços sociais, que toca a muita gente. Mas existem outras fatias da população que não se identificam com a Irmandade. A começar pelos militares.

 

Defendo também que esta é a última página da história colonial, no Médio Oriente. Depois da administração directa, pura e dura, tivemos várias décadas de controlo indirecto, à boa maneira anglo-saxónica. É essa fase que está, neste momento, em derrocada.

 

O meu texto pode ser lido no sítio:

 

http://aeiou.visao.pt/nao-ha-razao-para-pesadelos=f589462

 

Entretanto, Hosni Mubarak veio dizer-nos, esta noite, que não sai. Que vai continuar a ser o chefe, embora delegando poderes no Vice-Presidente.

 

Não se entende bem qual é a jogada em que esta cartada se insere, mas foi certamente uma mão terrivelmente arriscada. Amanhã, a rua vai estar cheia de gente. Com manifestações, por toda a parte, que não poderão deixar as Forças Armadas indecisas.

Diversidade

A diversidade religiosa e étnica na Europa, eis o tema que me vai ocupar os próximos dias. Uma matéria complexa, com dimensões políticas a juntarem-se aos direitos humanos, aos valores que cada sociedade deve partilhar, e com aspectos económicos e sociais. Sem contar com a definição de valores absolutos, como a igualdade entre os homens e as mulheres, e a maneira como esses valores são encarados por diferentes culturas.

 

Não são meras questões filosóficas. É a estabilidade da Europa que está em jogo.

Intolerâncias

O projecto de construção de uma mesquita e de um centro islâmico a uma distância de dois quarteirões do Ground Zero, na baixa da cidade de Nova Iorque, continua a ser o principal tema político nos Estados Unidos. Parece incrível mas é verdade. Uma grande maioria dos habitantes da cidade, e dos americanos, opõem-se ao projecto. Gente conhecida pela sua abertura de espírito, pela sua modernidade e pelo vanguardismo das suas ideias, tem feito campanha contra.

 

É um caso paradigmático da intolerância americana em relação a tudo o que possa ter um cheirinho muçulmano. Isto num país que foi construído com base na liberdade religiosa.

 

 

De padres e de políticos

O Cardeal-Patriarca, envergando a sua mitra de líder religioso, falou hoje sobre uma decisão política recente do Presidente da República. O homem da Igreja criticou o Chefe do Estado, através da Rádio Renascença, uma emissora católica portuguesa, por este ter homologado a lei que autoriza os casamentos entre pessoas do mesmo sexo. As suas palavras tiveram um impacto político de alguma relevância. Podem, amanhã, ser exploradas ainda mais a fundo.

 

Nestas coisas de fé e de política, a melhor solução é a separação. Quando os políticos se metem na religião e os padres se perdem na política, estão ambos a contribuir para aumentar a confusão, que no nosso País, neste momento, já é bem grande.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

<meta name=

My title page contents

Links

https://victorfreebird.blogspot.com

google35f5d0d6dcc935c4.html

  • Verify a site
  • vistas largas
  • Vistas Largas

www.duniamundo.com

  • Consultoria Victor Angelo

https://victorangeloviews.blogspot.com

@vangelofreebird

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D