Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Vistas largas

Crescemos quando abrimos horizontes

Vistas largas

Crescemos quando abrimos horizontes

O primeiro dia depois das festas

Este novo ano foi anunciado com preocupação. E está a começar de modo preocupante.

O xadrez de crises no Médio Oriente está hoje mais complicado e imprevisível. A confrontação entre a Arábia Saudita e o Irão passou para um nível mais arriscado. E tem um impacto em toda a região, sobretudo na Síria, no Iraque e no Iémen. Mais a Oriente, as tensões entre a Índia e o Paquistão ganharam um novo impulso, com o ataque que acaba de ter lugar contra uma base da aviação indiana, na zona de fronteira com o país rival. Ainda mais a Leste, a rivalidade marítima entre a China e o Vietname agravou-se este fim-de-semana.

Na Europa, a questão das migrações levou a Suécia a adoptar medidas de controlo fronteiriço em relação a quem vem da Dinamarca por terra. Esta, por sua vez, apertou hoje as verificações na fronteira com a Alemanha. Fala-se de Schengen e dos riscos em que este acordo fundamental para a construção europeia se encontra. Talvez haja um certo exagero quanto ao futuro de Schengen, uma morte anunciada prematuramente, mas a verdade é que não surgiram ainda medidas comunitárias que nos tranquilizem.

E do lado russo, a retórica continua a não ser das melhores. As cabeças de quem manda em Moscovo continuam a ver as relações com a Europa e os Estados Unidos à moda da Guerra Fria. Ora, essa época já passou. Do lado Ocidental, já são poucos os que sabem o que isso queria dizer.

Quanto aos mercados, as bolsas entraram em 2016 com quedas acentuadas. Por causa da China, que está a crescer menos do que o previsto, e também por motivo das incertezas geopolíticas. Curiosamente, foi o mercado de acções alemão que mais perdeu, no conjunto da Europa. A razão é clara: as empresas alemãs estão em boa medida dependentes das suas exportações para a China.

Vai ser um ano com muito pano para mangas.

 

 

 

Actualizar o mapa do mundo

Foi isso que tentei explicar, esta tarde, numa discussão sobre geoestratégia.

É preciso ver o mapa com olhos novos e tirar as lições que se impõem.

Incluindo as que se relacionam com a nossa posição, enquanto país numa ponta do desenho, no quadro geral das relações internacionais. É esta reflexão estratégica que faz falta em Portugal. E quando se fala nestas coisas, os nossos intelectuais ficam com os miolos em parafuso. Além de não gostarem de ouvir.

À mesa, a dar uma pequena volta ao mundo

De novo na Suíça, para mais uma reunião sobre questões de paz e segurança humana. Desta vez, a agenda passa pela Ásia Central, onde o Quirguistão é um dos países que não consegue sair da beira do abismo, continua nos Balcãs, com a Bósnia-Herzegovina fracturada por questões étnico-políticas, vai ao Sahel, claro, e acaba bem longe, na Birmânia, onde temos uma processo político complexo, que fica mais complicado ainda se lhe acrescentarmos o peso das diferentes rebeliões internas.

Perspectivas

Numa longa discussão, ao fim do dia, com dois filantropos americanos, homens visionários que estão empenhados na promoção de fontes alternativas de energia que façam mover os nossos carros, saindo por isso da total dependência que hoje existe em relação aos produtos petrolíferos, um deles definiu o automóvel moderno como um computador com rodas.

 

Achei que era uma descrição interessante. Mais. Com o avanço diário dos sistemas de software, amanhã teremos carros ainda mais “inteligentes”, talvez mesmo capazes de corrigir muitos dos erros humanos de condução. Só que isso talvez não interesse à indústria automóvel, que sem acidentes não se vendem novos carros...

 

Mas a questão fundamental tem que ver com a produção industrial de carros que funcionem com combustíveis alternativos, incluindo com gás liquefeito, que é uma fonte de energia mais económica, mais amiga do ambiente e abundante em várias partes do mundo.  Uma fonte de energia que não é apenas controlada por meia dúzia de estados instáveis...E que não implica a utilização generalizada de terras agrícolas, como acontece no caso dos biocarburantes, que roubam terras aráveis à cultura de alimentos...

 

Na verdade, as tecnologias necessárias para a utilização de outras fontes de energia já são conhecidas. Não entram, no entanto, nos mercados de modo definitivo, por causa do poder dos lóbis do petróleo. 

 

 

Sahel para fazer de conta

Participei numa discussão sobre a Estratégia da UE para a Região do Sahel.

 

Fiquei com a impressão que a estratégia não é estratégica, não entende as causas profundas da insegurança nessa parte de África, não inclui um estado fundamental, o Chade, e tem um número excessivo de objectivos. 

 

Pareceu-me, também, que os burocratas da UE estão, também neste caso, mais preocupados em mostrar aos estados membros que não se esquecem do Sahel do que em obter resultados duráveis. 

 

E os políticos europeus, como de costume, vivem na ilusão e num mundo que tem pouco que ver com a realidade. 

 

Crises e respostas humanitárias

A capacidade de gestão de crises, bem como a capacidade de resposta rápida às crises humanitárias, são duas áreas em que a fraqueza das instituições europeias é bem clara. Tratam-se, no entanto, de matérias comunitárias, em que uma actuação conjunta faz sentido.

O ONU e a Líbia

O Conselho dos Direitos Humanos da ONU reuniu-se, em Genebra, para debater a situação na Líbia.

 

A resolução aprovada pelo Conselho, no final dos trabalhos, é adequada. Faz as referências exactas, incluindo as relativas aos crimes cometidos pelas autoridades. Também é importante que o Conselho tenha decidido enviar imediatamente para a Líbia uma comissão internacional de inquérito. Esta é uma das medidas que estão na caixa de ferramentas da diplomacia internacional e é, normalmente, eficaz. 

 

Só que no caso de governantes loucos o impacto é mais demorado...

 

Por outro lado, a esta hora está reunido o Conselho de Segurança, em Nova Iorque. Existe uma proposta de resolução forte. Vamos ver se passa e com que termos e linguagem.

 

Este é momento, sem mais demoras, para fazer ver a Seif e aos irmãos que as opções actuais do pai deles não auguram nada de bom. E quando se é jovem, como eles o são, é bom pensar nessas coisas que têm que ver com o futuro de quem ainda tem futuro. 

 

 

 

Egipto, país estratégico

A crise egípcia está a evoluir muito rapidamente. Ouvi esta noite as declarações de um dos generais mais importantes. Foi ambíguo, o que pode significar que, tal como aconteceu na Tunísia, as Forças Armadas possam, em breve, retirar o seu apoio a Mubarak. Tudo depende da presença maciça dos cidadãos na rua.

 

Entretanto, o Presidente já cometeu dois erros muito sérios. O primeiro tem que ver com o silêncio que tem mantido, durante os quatro dias que a crise já tem. Deveria ter aparecido na televisão, falado aos seus compatriotas, mostrado que está senhor da situação. O outro foi o decretar de um recolher obrigatório, que não era crucial mas que fez acender ainda mais a rebelião popular. Ofereceu mais uma oportunidade para que a autoridade do regime fosse desafiada.

 

Os Estados Unidos têm-se pronunciado sobre os acontecimentos, ao mais alto nível, de uma maneira muito clara e positiva. O Egipto, com a questão de Israel à porta e o canal de Suez, é uma país de grande importância estratégica.

 

Do lado da Europa, nada de muito visível. Ninguém saiu a público, de modo inequívoco. Estranho, se ainda houvesse alguma coisa estranha, por estes lados.

 

Davos e o Norte de África

Abordo, hoje, na Visão, a luta pela dignidade e pela democracia, que está a ter lugar no Norte de África e no Iémen. Faço, ao mesmo tempo, a ligação com a reunião anual de Davos, que ontem abriu as suas portas aos grandes e poderosos deste mundo.

 

Davos queria discutir o aparecimento de novos centros de poder. Só que os acontecimentos de agora tornam urgente discutir o poder quando a rua diz basta.

 

Davos pensava analisar as novas dinâmicas da geopolítica, com a crise da Europa como pano de fundo, bem como a emergência de novas potências regionais. As populações da Tunísia, da Argélia, do Egipto e do Iémen estão a transformar as relações políticas com o mundo árabe. Esse também é um novo arranjo da geopolítica, numa região que se encontra às portas da Europa. 

 

O texto está disponível no sítio:    http://aeiou.visao.pt/dos-alpes-para-baixo=f587604

A cimeira dos olhos azuis

 

Ontem, a convite de David Cameron, realizou-se, em Londres, uma cimeira dos países do Norte da Europa. Foi a primeira vez. Da Islândia à Estónia, lá estiveram todos os escandinavos e os bálticos, à volta do primeiro-ministro britânico. Chamei a esta reunião a cimeira dos olhos azuis. Mas, não eram só os olhos. Dos sete homens presentes -havia também duas mulheres- seis apresentaram-se com gravatas de tons azuis. Ou seja, o azul era a cor dominante, nesta reunião de gente que se considera de grande seriedade e na ponta do progresso social.

 

Na realidade, e na simbologia, era um encontro de gente semelhante, "think alike people", como os ingleses gostam de dizer. Uma espécie de afirmação política contra a Europa do Sul. Para mostrar que há uma parte da Europa que funciona, que não está em crise, salvo, claro, o caso da Islândia, que aposta na inovação, na igualdade do género e que promove uma economia verde. Estes foram os três grandes temas do encontro.

 

No próximo ano vão voltar a encontrar-se, dessa vez, na Suécia.

 

Tudo isto mostra que a tendência para um rearranjo dos grupos de países, até mesmo no seio da UE, é cada vez mais evidente. Grupos que, há vinte ou trinta anos faziam sentido, estão agora, de um modo mais ou menos sub-reptício, a ser postos em causa. É tempo de novas alianças.

 

Mostra também que a aproximação geográfica traz consigo a proximidade cultural e esta leva à procura de novos entendimentos políticos. 

 

Feitas as contas, este tipo de iniciativas vem sublinhar, uma vez mais, a fragilidade da UE, que passa a ser cada vez mais, e apenas, um mercado que permite a livre circulação das mercadorias. Mas que não tem unidade política nem uma identidade comum.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

<meta name=

My title page contents

Links

https://victorfreebird.blogspot.com

google35f5d0d6dcc935c4.html

  • Verify a site
  • vistas largas
  • Vistas Largas

www.duniamundo.com

  • Consultoria Victor Angelo

https://victorangeloviews.blogspot.com

@vangelofreebird

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D