Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Vistas largas

Crescemos quando abrimos horizontes

Vistas largas

Crescemos quando abrimos horizontes

O dia de hoje

O partido de Angela Merkel perdeu pontos em duas eleições regionais que hoje tiveram lugar. É importante perceber as razões da quebra de apoio. A primeira tem de ver com os atrasos nas vacinações e a percepção que o governo não tem sido coerente na resposta à pandemia. A segunda diz respeito a casos de corrupção e de aproveitamento do poder por parte de deputados do partido para fazer negócios e ganhar comissões.

Estes são dois temas muito sensíveis. Na Alemanha, como em qualquer outro país da União Europeia, o abuso do poder para benefício pessoal é um tema central em matéria política. O papel das instituições e das oposições é o de estar atentos a esses abusos e denunciá-los. Por outro lado, a questão da vacinação que não avança vai acabar por ter custos políticos muito grandes. Os europeus vão comparar os números com os do Reino Unido, dos Estados Unidos e outros, e não vão aceitar de ânimo leve as justificações que os políticos lhes forneçam para justificar a lentidão.

Tudo isto faz-me pensar numa panela de pressão que está a ferver em lume brando. As consequências serão desastrosas, se o lume não for apagado rapidamente.

O poder das cidadãs

Celebra-se hoje o Dia Internacional da Mulher, que é sobretudo uma chamada de atenção sobre o que falta ainda conseguir em termos de igualdade entre os géneros. É verdade que se tem avançado muito em termos de direitos e de igualdade, mas é igualmente certo que, mesmo nos países mais democráticos, ainda existem muitas disparidades. O acesso ao poder, seja ele político, económico ou de outra natureza, é a única via segura para se conseguir ultrapassar as barreiras existentes. Não é suficiente que estejam em posições de autoridade homens que compreendam e promovam os direitos das mulheres. É mesmo necessário que haja paridade entre homens e mulheres e que muitas das posições de poder sejam efectivamente ocupadas por mulheres. Essa deve ser a mensagem, neste ano de 2021, num período em que a pandemia do coronavírus nos deveria tornar mais sensíveis à necessidade de um mundo mais equilibrado.

Vacinar, vacinar, vacinar

O meu texto de ontem voltava a sublinhar a urgência das campanhas de vacinação. E a importância de se utilizarem todas as vacinas disponíveis. É óbvio que não me esqueço das dificuldades que existem em termos de produção de quantidades astronómicas de vacinas, desde a vacina a tudo o resto – frascos, embalagens, sistemas de refrigeração, a logística da distribuição, as seringas, etc. Mas todas as atenções devem estar focadas nisso. Andar a falar de passaportes vacinais quando uma grande parte da população não deverá estar vacinada no início do verão – se continuarmos ao ritmo a que vamos agora – parece-me uma distracção. Uma mais. E uma nova fonte de tensões, de desilusões e de perda de credibilidade.

Breves apontamentos sobre a sondagem de hoje

Na sondagem política que o Diário de Notícias publica hoje destaco três aspectos.

Primeiro, que Rui Rio, o dirigente do PSD, não consegue sair da cepa torta, nem mesmo quando António Costa perde pontos de popularidade. Falta a Rio a chama que um líder político precisa de ter. Isto quer dizer que não consegue projectar uma imagem clara do que significaria votar por ele.

Não terá, lá nas fileiras do seu partido, quem o posso aconselhar em termos de percepção pública? Ou é o homem que não ouve ninguém?

Segundo, o CDS/PP aparece como uma força irrelevante. Com 0,8% das intenções de voto, não acrescenta nada à direita e ao movimento conservador. Fazer acordos políticos com essa insignificância é puro teatro sem consequências, é parvoíce política.

Terceiro, o partido Chega parece ter chegado ao limite das suas forças. Os dados mostram que não tem sabido aproveitar a dinâmica criada pela disputa eleitoral presidência. Consegue, apenas, mobilizar os eleitores mais radicalizados dentro do espectro ultraconservador e numa lógica de saco de gatos enfurecidos, que se arranham uns aos outros.

Cuidado com os populistas

O ritmo de vacinação dos cidadãos é uma questão altamente política. Vai directamente ao centro de duas questões particularmente importantes: a da preservação da vida de cada um e a ética. As demoras, a má organização, a politização de certas vacinas, por virem da China ou da Rússia, ou de outro sítio qualquer, a falta de diálogo com esses países, para que o processo de aprovação das suas vacinas possa começar ao nível da Agência Europeia do Medicamento, a confusão que certos governantes europeus criaram à volta da AstraZeneca, tudo isso tem um impacto imediato e directo sobre a vida das pessoas, o seu confinamento prolongado, o contágio e, infelizmente para muitos, a perda de vida. A questão é de tal maneira multidimensional no seu impacto, incluindo na economia e nas relações sociais, que não poderá haver nenhuma outra matéria que deva merecer mais atenção, por parte das autoridades políticas, nacionais e europeias. A imagem que sobressai é que essa prioridade absoluta não está a ser reconhecida. E que as lideranças não conseguem sair do quadro rotineiro a que estão habituadas.

Por outro lado, as reportagens de líderes a serem vacinados antes da grande maioria dos mais frágeis também levantam interrogações políticas e de ética. Têm de se explicar melhor a razão que leva os políticos a passar à frente, a furar a fila de espera. Caso contrário, fica a impressão amarga de que, uma vez mais, a política é exercida para benefício pessoal.

Admira-me que os populistas que por aí andam não tenham ainda tentado tirar proveito destas falhas. Temos aqui temáticas que poderão facilmente ser exploradas politicamente. E, com jeito, dariam lume para muita agitação social.

Voltar aos velhos equilíbrios

Deve ser do confinamento prolongado, mas noto que várias pessoas conhecidas estão a ficar mais intolerantes. Quando falam de política ou de personalidades públicas, nas áreas da política e da intervenção social, perdem facilmente o equilíbrio. Os comentários que emitem são mais radicais, mais definitivos, mais ofensivos também.

Creio que é altura de lembrar a todos que os passeios higiénicos não estão proibidos. É bom apanhar vento no rosto e refrescar os olhos e a cabeça.

Não podemos deixar que a pandemia nos torne mais extremistas. Um país de extremistas e de gentes de ideias feitas é um país que não está bem consigo próprio.

Eficiência, ética e equilíbrio

Sou dos que desejam que o governo seja eficiente, ético e equilibrado. Foi isso que respondi quando há pouco me perguntaram de que lado estou. Não aceito sectarismos partidários, mesmo reconhecendo que cada um se possa identificar com este ou aquele partido. Essa identificação não pode significar que se perde a objectividade. Sobretudo quando se teve a oportunidade de ver outros mundos, de estudar outras experiências, de adquirir um nível cultural acima da média.

O amigo a quem dizia isto não gostou da conversa. Compreendo a razão: fez uma brilhante carreira no seu ministério porque sempre se alinhou com um partido que esteve frequentemente no governo. É verdade que é uma pessoa com méritos próprios. Mas há muitos que, apesar do mérito que tinham e têm, não passaram da cepa torta. Estavam fora do jogo da política ou, então, identificados com o partido errado.

Não quis ouvir essa conversa e passou ao capítulo seguinte. Foi pena. Uma das características de quem tem mérito deve ser, no meu entender, a de reconhecer a realidade como ela é e não como nós gostaríamos de nos convencer e aos outros.

Os tempos da conversa corrente

Os comentadores nacionais continuam a mastigar os resultados da eleição presidencial e a falar de uma possível crise política. Acho que é conversa para encher o tempo, para esquecer o confinamento, para justificar a presença nos media, para não entrar a sério na questão principal que diz respeito às taxas de morbilidade e mortalidade elevadas e a toda a confusão à volta das vacinas. Somos muito hábeis quando se trata de intriga política e muito maus quando se deve definir as prioridades e torná-las operacionais.

O pessimismo é que está a dar

Deve ser por causa do confinamento. A verdade é que andam por aí a dizer que estamos num impasse político, depois da eleição presidencial de domingo, com um governo a meio gás e sem ideias, e uma alternativa democrática invisível. Falam mesmo num novo ciclo político que terá começado e que, na opinião desses analistas, não leva a destino algum, para além da fatalidade de nos pôr na cauda da Europa.

Creio que é pessimismo a mais.

O Presidente saiu reforçado e com mais condições para exercer um papel estabilizador. Isso é positivo.

E o voto no Presidente mostra que uma maioria dos cidadãos quer uma governação equilibrada, que corte a direito a linha imaginária que dizem dividir a direita da esquerda. Creio que há que explorar essa mensagem vinda do povo. Mas, para que tal aconteça, há que ter coragem para o fazer. E é aí que me parece haver um défice.

De qualquer modo, a prioridade das prioridades é, neste momento, a luta contra a pandemia. Não podemos continuar com níveis tão elevados de impacto. A verdadeira prova dos nove está na capacidade de dar a volta a esta ameaça sem mais demoras.

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

<meta name=

My title page contents

Links

https://victorfreebird.blogspot.com

google35f5d0d6dcc935c4.html

  • Verify a site
  • vistas largas
  • Vistas Largas

www.duniamundo.com

  • Consultoria Victor Angelo

https://victorangeloviews.blogspot.com

@vangelofreebird

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D