Portugal é grande quando abre horizontes

04
Dez 14

O meu texto na edição de hoje na Visão reflecte sobre o discurso do Papa Francisco ao parlamento Europeu.

Transcrevo, de seguida, o manuscrito.

 

O Papa e a velha senhora

Victor Ângelo

 

 

Seria tentador tratar o discurso que o Papa Francisco pronunciou recentemente no Parlamento Europeu com ironia. A ironia e a superficialidade constituem, aliás, moeda corrente na opinião pública nacional. Nessa perspetiva, as palavras ditas em Estrasburgo não passariam de uma lengalenga ininteligível sobre a Europa. Além disso, a experiência lembra-me que a escrita de um discurso demora dias, para depois ser lido em quinze minutos e esquecido após o almoço. Ou, na melhor das hipóteses, acaba reduzido a duas ou três meias-frases mais ou menos distorcidas e ponto final.

Foi assim no caso do Papa. A comunicação social pegou num par de imagens de fácil entendimento e passou rapidamente ao tema seguinte. Ora, a extensa intervenção de Francisco levanta algumas questões de fundo sobre a política europeia. Vale a pena ler o texto na íntegra. Poderemos não estar de acordo com tudo o que disse ou deixou entender, mas não seria acertado ignorar a mensagem central: a UE precisa de se interrogar sobre si própria e o seu papel no mundo.

É verdade que existe um défice de reflexão estratégica sobre a essência da Europa e as suas circunstâncias internas e externas atuais e futuras. A crise económica dos últimos anos abalou a coesão e o entendimento da relevância do projeto comunitário. Mais grave ainda, a Europa saiu do centro das atenções de uma boa parte dos cidadãos – falo aqui dos moderados, dos que não se identificam com os extremismos nacionalistas. Passou a ser algo distante e vago, pouco mais que uma moeda ou um espaço de viagens sem passaporte. E essa é hoje a maior fraqueza, a maior ameaça à construção de um futuro partilhado: a indiferença dos europeus face à UE.

O Papa referiu-se igualmente aos desafios relacionados com a estabilidade das famílias, a educação – um serviço público que está em declínio em vários países europeus, em termos de qualidade e adequação às exigências da vida moderna –, o meio ambiente, o emprego e ao que designou por “cultura do desperdício”, do consumismo imoderado e insustentável. E, como não podia deixar de ser, falou de valores e ética, coisas raras nestes tempos em que a ação política assenta, tantas vezes, no oportunismo, na vaidade e no aproveitamento pessoal.

Lembrou-nos ainda que é urgente olhar para os países dos Balcãs. São nações socialmente frágeis e inseguras, terras de ódios ancestrais, politicamente instáveis, economicamente atrasadas. Poderão ser, de novo, focos de conflito e, acrescento eu, fazer parte das próximas áreas de fricção aberta entre a UE e a Rússia. Para além da Europa, voltou a dar uma ênfase especial à questão da imigração. O Papa tem mostrado uma preocupação coerente pela sorte dos imigrantes que atravessam todos os perigos e nos chegam continuamente através do Mediterrâneo. Sublinhou, e bem, que este é um problema comum, um assunto que diz respeito não apenas aos estados ribeirinhos, mas a todos os europeus. A imigração descontrolada e em larga escala é, na minha opinião, um dos maiores desafios que a Europa tem pela frente. É, também, uma área política sem estratégia nem resposta adequada. Podemos estar em crise, mas outros, muitos, fora da Europa, vivem situações bem piores, de grande desespero humano. Em África e no Médio Oriente, e mais longe ainda, temos milhões de jovens sem futuro mas com genica e ilusões suficientes para achar que vale a pena arriscar a travessia. A Europa pode ser uma velha senhora, como disse o Papa. Contudo, para muitos jovens, vista de longe, noutros continentes, ainda é suficientemente sedutora.

publicado por victorangelo às 11:42

twitter
Dezembro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
12

16
17

24

28


<meta name=
My title page contents
mais sobre mim
pesquisar
 
links
blogs SAPO