Portugal é grande quando abre horizontes

23
Jul 15

A preparação das listas de candidatos a deputados engendrou, uma vez mais, uma série de brigas e amuos. Trata-se da distribuição dos tachos políticos e interessa, por isso e sobremaneira, a muita gente que por aí anda nas organizações partidárias. É uma questão de “emprego”, não de democracia.

Mas quem manda é o chefe do partido e o resto é conversa.

Ou, talvez não seja.

Na realidade, a maneira como as listas são elaboradas mostra que os chamados eleitos não têm na realidade uma ponta de legitimidade democrática por onde se lhes pegue. São meros e fiéis clientes do líder ou de algum cacique histórico com peso no partido. São gente que foi vingando na política por saber dizer que sim a quem manda e pouco mais.

É a obediência cega e covarde ao poder.

Quão distantes estamos de um conceito de representação democrática que tenha como legitimidade o valor individual de cada candidato e a escolha popular, através de eleições de base, que permitam de facto aferir a ligação do político às bases e às populações que deveria representar.

Perante isto, quando me falam da legitimidade dos políticos face aos tecnocratas, fico-me a rir.

 

publicado por victorangelo às 18:07

twitter
Julho 2015
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9

12
13

25

31


<meta name=
My title page contents
mais sobre mim
pesquisar
 
links
blogs SAPO