Portugal é grande quando abre horizontes

11
Jan 14

Tornou-se conhecido hoje que a ministra das Finanças tem estado a pressionar os bancos portugueses para que continuem a financiar seis empresas públicas falidas no período 2014-2016.

 

As empresas são as habituais CP, Carris, STCP, mais a EDIA (Desenvolvimento do Alqueva), a EMPORDEF (indústrias de defesa) e a SIMAB, que trata da instalação e remodelação dos mercados abastecedores.

 

O montante total andará pelos 2,7 mil milhões de euros.

 

Isto acontece numa altura em que os bancos portugueses têm imensas dificuldades operacionais, prejuízos de monta e uma capacidade muito reduzida de pedir empréstimos além-fronteiras. Estarão, além disso, sujeitos este ano a um exame rigoroso de stress financeiro, sob a supervisão do Banco Central Europeu.

 

Os recursos da banca, poucos ou muitos, devem ser utilizados para financiar a economia e para o crédito às famílias.

 

Um governo a sério e com coragem política já teria procedido à reforma das empresas públicas que têm défices crónicos. Não é aceitável, sobretudo num país como o nosso, que precisa de investimentos para o desenvolvimento, que se continue a financiar empresas manifestamente mal geridas e outras cuja viabilidade económica se afigura inexistente.

publicado por victorangelo às 17:09

09
Jan 14

Talvez não seja bem entendido, mas a operação de venda de dívida pública a cinco anos que hoje teve lugar mostrou que Portugal está a recuperar a sua credibilidade financeira. A taxa de rendimento da operação, que determina o valor dos juros a pagar, ficou a um nível bastante razoável, na casa dos 4,657%.

 

Cabe agora aos responsáveis políticos tirar partido da imagem mais favorável do nosso país para tentar atrair capitais que invistam na economia nacional. O investimento é o grande desafio. Não está a ser ganho. E por isso, a criação de emprego e de oportunidades de negócios, que são questões fundamentais para os cidadãos, continuam a não mostrar resultados. Para as famílias, é isso que conta como critério de sucesso ou de fracasso das políticas em curso.

publicado por victorangelo às 21:37

18
Set 13

Como já havia deixado explícito neste mesmo blogue, há uns dias, a credibilidade financeira de Portugal está a perder terreno, na arena internacional. Está a atingir um patamar a partir do qual qualquer saída do buraco é extremamente penosa. Quem decide sobre estas coisas de emprestar dinheiro aos Estados pensa que a deriva política nacional, quer do lado do governo quer da oposição, vai levar ao agravamento da nossa situação de desequilíbrio orçamental. Irá mesmo provocar uma ruptura de pagamentos e do reembolso da dívida e dos juros.   

 

O momento exige uma liderança clara, inteligente e determinada. Infelizmente, do lado do governo, Paulo Portas e Maria Albuquerque não têm condições nem experiência para lidar com estas coisas. Não estão, de modo algum, à altura. Portas é um político especializado na politiquice e na intriga que definem a política nacional. Albuquerque é uma técnica sem perfil internacional. Não tem o calo necessário para estas coisas. Do lado da oposição, para além da algazarra dos extremistas, de vários bordos, mas unidos pelas mesmas ilusões e ideias irrealistas, temos um Partido Socialista que não percebe em que mundo nos encontramos e passa o tempo a falar do IVA da restauração e de uma Europa que virá por aí abaixo, cheia de solidariedade e de flexibilidade, pronta para nos salvar. É um partido dirigido por escriturários e advogados de província.

 

Que nos resta? Mobilizar os melhores, reinventar a política e tratar do país a sério. Com os pés assentes na terra, e os olhos virados para um mundo que é o de hoje e de amanhã, e não o Portugal do passado.  

 

 

 

 

 

 

 

 

 

publicado por victorangelo às 19:45

13
Set 13

Os juros a 10 anos chegaram hoje aos 7,235%.

 

Este é valor que Portugal terá que pagar, se for aos mercados neste momento. É uma mensagem forte sobre a falta de confiança da comunidade internacional na nossa capacidade em sair da crise financeira em que nos encontramos.

 

Diz-nos, também, que um segundo resgate, com condições duras, é, para já, considerado inevitável.

 

Junte-se a isto a posição do Eurogrupo e de Bruxelas. Ambos disseram claramente que a meta dos 4% para o défice das finanças públicas, em 2014, é para cumprir.

 

As indicações não podem ser mais claras. Do lado de fora, não haverá grandes folgas nem contemplações.

 

Este é, pois, um assunto de importância estratégica, que deveria estar no centro do debate nacional, na mira dos dirigentes políticos.

 

Mas, não está.

 

Uns fingem que não vêem. Outros, são de facto, tapados e não enxergam mesmo.

 

publicado por victorangelo às 15:43

07
Ago 13

O recente ataque desbocado de Marques Mendes contra o Secretário de Estado do Tesouro compreende-se melhor se tiver presentes duas ou três coisas.

 

Primeiro, desvia a atenção pública do caso Machete e das ligações dos baronetes do PSD – um clube de notáveis de que Mendes é membro efectivo  e reconhecido – ao escândalo criminoso do BPN, que estava a voltar à ribalta.

 

Segundo, faz aparecer Mendes como um puro e duro, alguém com carácter, que a República mantém em reserva, pronto para o que o futuro der e vier. Embora eu deva acrescentar que a coragem mostrada só existe quando o destinatário das pancadas é um peso sem importância nem padrinhos de monta.  

 

Terceiro, o homem do Tesouro é de origem indiana. As nossas aristocracias partidárias e lisboetas vêem em cada indivíduo com esse tipo de origem, por muito nacional e aclimatado que esteja, um monhé, gente de práticas comerciais duvidosas. 

publicado por victorangelo às 11:09

twitter
Setembro 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
11
12
13

16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30


<meta name=
My title page contents
mais sobre mim
pesquisar
 
links
blogs SAPO