Portugal é grande quando abre horizontes

15
Jul 14

Ver Marcelo Rebelo de Sousa no seu programa semanal de ontem na TVI, uma coisa que eu não fazia há muito tempo, foi um descalabro. O professor está em nítida perda de velocidade e argúcia intelectual. O que diz é crescentemente superficial, o comentário pela rama, para agradar a um vasto círculo de possíveis apoiantes. Só que o círculo é indefinido e as opiniões são cada vez mais corriqueiras e assentes em análise de joelho e de palpite.

 

Faz pena ver Marcelo a descarrilar assim. Talvez seja tempo para pensar noutras actividades, na reforma, nos netos, sei lá em quê...

 

Por outro lado, o jornalista que o entrevistou, nem vale a pena lembrar o nome, foi uma lástima. Esteve perdido durante a conversa. Mal conseguia articular uma frase. Devia estar ali por engano e para fazer um frete.

publicado por victorangelo às 12:56

18
Set 13

Como já havia deixado explícito neste mesmo blogue, há uns dias, a credibilidade financeira de Portugal está a perder terreno, na arena internacional. Está a atingir um patamar a partir do qual qualquer saída do buraco é extremamente penosa. Quem decide sobre estas coisas de emprestar dinheiro aos Estados pensa que a deriva política nacional, quer do lado do governo quer da oposição, vai levar ao agravamento da nossa situação de desequilíbrio orçamental. Irá mesmo provocar uma ruptura de pagamentos e do reembolso da dívida e dos juros.   

 

O momento exige uma liderança clara, inteligente e determinada. Infelizmente, do lado do governo, Paulo Portas e Maria Albuquerque não têm condições nem experiência para lidar com estas coisas. Não estão, de modo algum, à altura. Portas é um político especializado na politiquice e na intriga que definem a política nacional. Albuquerque é uma técnica sem perfil internacional. Não tem o calo necessário para estas coisas. Do lado da oposição, para além da algazarra dos extremistas, de vários bordos, mas unidos pelas mesmas ilusões e ideias irrealistas, temos um Partido Socialista que não percebe em que mundo nos encontramos e passa o tempo a falar do IVA da restauração e de uma Europa que virá por aí abaixo, cheia de solidariedade e de flexibilidade, pronta para nos salvar. É um partido dirigido por escriturários e advogados de província.

 

Que nos resta? Mobilizar os melhores, reinventar a política e tratar do país a sério. Com os pés assentes na terra, e os olhos virados para um mundo que é o de hoje e de amanhã, e não o Portugal do passado.  

 

 

 

 

 

 

 

 

 

publicado por victorangelo às 19:45

23
Abr 12

A primeira volta das eleições presidenciais francesas mostrou que o eleitorado de esquerda mais o da extrema-esquerda pesa cerca de 43% do total dos votantes. Estas pessoas votarão por Hollande a 6 de Maio, salvo raras excepções. A este número será possível acrescentar uma parte dos eleitores do centro-direita e da Frente Nacional (FN), a extrema-direita, e ganhar a segunda volta. Como a percentagem de eleitores do centro-direita, que apoiou Bayrou, não é muito significativa, e nem todos irão apoiar o candidato socialista, chega-se à conclusão que quanto maior for a margem de ganho acima dos 50% maior terá sido o número de simpatizantes da FN que terá decidido agora votar por Hollande. Não por causa do seu programa, mas para eliminar Sarkozy. 

 

 

publicado por victorangelo às 11:28

05
Set 11

O Presidente Barroso disse, hoje de manhã, que não acredita que a Europa entre numa recessão.

 

Durante o dia, os mercados financeiros disseram o contrário. Ou seja, mostraram que não há confiança nem acreditam nas palavras de líderes de peso relativo

 

Qual é a moral da história?

publicado por victorangelo às 20:32

21
Mai 11

A ligeireza dos nossos analistas políticos, alguns deles meros infantes que da vida pouca experiência têm, leva a imprensa nacional e as televisões a ver os debates como exercícios de pugilismo. Nesta óptica, tem que haver um vencedor e um vencido. Mais. Os líderes vão para os debates preparados para o murro. As ideias não contam. O que vale é o saber bater, passar rasteiras, parecer mais teso que o outro.

 

Somos, de facto, um povo de guerreiros. 

publicado por victorangelo às 20:38

25
Set 10

A situação política e económica em que Portugal se encontra é preocupante.

 

Estamos no patamar de uma crise política de grande alcance. Os líderes dos principais partidos estão, como já tem sido hábito, a entrar numa fase de personalização dos assuntos. Deixa de ser a susbtância da questão que interessa. O debate foge, então, para as questões ligadas ao relacionamento entre pessoas. Quem ofende quem, quem se sente ofendido, quem deixa de falar com quem, quem perde as estribeiras quando enxerga o outro, é a fuga para a luta entre egos, quando o que está em jogo são os interesses nacionais.

 

Como também estamos a cavalgar a onda da crise económica. A nossa economia está cada vez mais parada. Menos competitiva e menos atraente para eventuais investidores. O poder de compra das famílias está seriamente comprometido. Há mais pobres, mais dificuldades, mais miséria encoberta e, também, aberta. O anúncio de novos impostos, de mais controlos e de mais burocracia afastam os que poderiam estar interessados em investir. Se a isso juntarmos uma mão-de-obra que é, em média, pouco qualificada e incapaz de se inserir na economia internacional, o panorama para os próximos tempos fica ainda mais escuro.

 

Como disse várias vezes, é a altura de um sobressalto patriótico. De pedir aos dirigentes que tenham juízo e que se sentem à mesma mesa, para que procurem chegar a um acordo em relação às grandes questões nacionais. Como reduzir o défice público é certamente uma dessas questões. Na fase actual, essa pergunta só tem uma resposta viável: por via da redução das despesas públicas. Não das despesas sociais, pois essas já estão nas lonas, cortar mais seria lançar no desespero milhares de famílias. Mas um corte dos salários da função pública não é de excluir. Antes pelo contrário. É, cada vez mais, uma possibilidade. Como também não será de excluir uma redução drástica das transferências para as empresas públicas. Com o corolário de uma gestão mais racional dos meios existentes nessas empresas, a começar pelos privilégios concedidos aos seus administradores. Como se pode conceber que uma minúscula empresa pública de águas ou de serviços municipalizados tenha administrações com regalias exorbitantes? Para quê? Para compensar um risco empresarial que não existe? Para motivar a criatividade de administradores que não necessitam dela, pois operam com base num monopólio de serviços?

 

Cada vez mais vozes reconhecem a gravidade do momento presente. Mas muitas dessas vozes já mostraram que para além das palavras, pouco mais trazem de concreto.

 

Resta a dúvida: Como se pode contribuir para o sobressalto nacional? 

publicado por victorangelo às 16:59

23
Set 10

A dias das eleições presidenciais, resolvi escrever sobre a política externa brasileira. Sempre é mais fácil de entender do que o enredo que é a situação interna.

Não disse no meu texto que existe actualmente um certo mal-estar no Ministério das Relações Exteriores. Os diplomatas mais antigos sentem que há uma influência excessiva do partido do Presidente no ministério. Certas decisões importantes têm mais que ver com a filiação partidária do que com a experiência e a competência.

 

Trato de outros aspectos de uma política que, vista do exterior,  a partir das grandes capitais, é mal entendida. Nalguns casos, é mesma considerada como inconsistente e, até imprevisível.

 

Convido o leitor a ver o sítio da Visão on line:

 

http://aeiou.visao.pt/a-leveza-politica-do-elefante=f573205

publicado por victorangelo às 18:19

10
Set 10

Numa conferência ibérica sobre questões africanas, que está a decorrer no ISCTE , disse aos participantes, gente da investigação universitária e das instituições, como a CPLP, para terem cuidado na maneira como analisam África. Com base na minha experiência, partilhei com eles três verdades, que nunca convém esquecer.

 

Primeiro, que é muito fácil fazer uma leitura pessimista dos factos e da vida.

 

Segundo, que também é relativamente fácil ter uma atitude positiva.

 

Terceiro, o que é de verdade difícil é ter uma atitude realista.

publicado por victorangelo às 21:09

31
Mai 10

Dez minutos de televisão, às 20:00 horas, valem uma fortuna. Em todos os sentidos. É horário nobre. A televisão oficial portuguesa, a RTP1, passou os primeiros 10 minutos do telejornal da noite, a falar do novo treinador de um clube de futebol de Madrid.

 

No mesmo dia em que os soldados de Israel tomaram de assalto um barco de ajuda humanitária, em águas internacionais. Uma acção militar contra civis que causou a morte de pelo menos 9 pessoas. Um incidente que motivou uma reunião de urgência do Conselho de Segurança, em Nova Iorque, num dia em que a ONU estava encerrada por motivo de feriado americano. Que fez reagir as principais chancelarias da UE, sem mencionar os países fora da União.

 

O acontecimento foi notícia de abertura em todos os telejornais da Europa que consegui monitorizar.

 

Que pensar sobre tudo isto?

 

 

publicado por victorangelo às 20:47

13
Mai 10

Se o leitor tivesse que escolher um tema, entre os três que se seguem, qual seria a escolha? Qual é, neste momento, o mais actual e de maior urgência?

 

É verdade que os temas não têm muito que ver com a crise económica e financeira, que domina todas as atenções. Mas estão muito relacionadas com grandes problemáticas sociais, os direitos humanos, a justiça social, a aceitação do Outro, o respeito pela diferença, quer na Europa, quer nas relações entre o nosso espaço e o resto do mundo. São, além disso, muito prementes, em vários cantos da Terra.

 

Os temas são:

 

1. Liberdades, responsabilidades, direitos e ética.

 

2. Liberdade de expressão, de consciência e de religião.

 

3. O princípio da igualdade entre os homens e as mulheres.

 

 

publicado por victorangelo às 18:57

twitter
Junho 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
13

17

25
26
27
28
29

30


<meta name=
My title page contents
mais sobre mim
pesquisar
 
links
blogs SAPO