Portugal é grande quando abre horizontes

20
Jul 19

Ninguém lhe pergunta pelo nome. Há anos que passa o dia na esplanada da rosa-dos-ventos, junto ao Padrão dos Descobrimentos, em Belém. A vender óculos de sol. Durante alguns anos, foi o único vendedor. Agora, o sítio está cheio de “ciganos”, como ele diz, todos no mesmo negócio. Ele também é cigano, mas de outra estirpe, um verdadeiro senhor, sem sotaque e sempre bem apresentado. Elegante, à sua maneira, que quem vende deve inspirar confiança.

Para quem passa, hoje ou frequentemente, é apenas um velho cigano que por ali anda, 67 anos de idade, a tentar vender uns óculos que poucos compram. Na verdade, com a concorrência que por ali há agora, tem dias em que vende apenas um par. Diz que mesmo assim vale a pena, que isso o ajuda a passar o tempo, permite-lhe sair de casa, longe do rio, na zona de Loures.

Nestes últimos tempos, anda encostado a uma canadiana. Tantos anos de pé, à volta do mundo que está desenhado no chão da rosa-dos-ventos, deram-lhe cabo de ambos os joelhos. De vez em quando não se aguenta nas pernas e cai. Mas com a afluência de turistas, há sempre quem o ajude a levantar-se. Um vendedor de óculos de sol vive e sobrevive de pé.

Está inscrito no Hospital de Loures há muito mais de dois anos, para fazer a operação que os joelhos lhe pedem. No chamado Serviço Nacional de Saúde. Já o convocaram, há cerca de um ano, para falar com o anestesista. E depois, é só esperar. E lá continua à espera, talvez mais um ou dois anos. Nessa altura, já deverá andar de cadeira de rodas, sempre à volta do mapa do mundo. O SNS pode não funcionar, mas a vida de vendedor ambulante não pode parar.

Entretanto, vai-se consumindo na resignação revoltada de quem não tem nome nem acesso. E de quem sabe o que significa ter que esperar pelo SNS.

O Diamantino é, afinal, à sua maneira, como muitos de nós.

 

publicado por victorangelo às 21:58

10
Ago 15

Dá gosto ver áreas públicas bem cuidadas. Foi o que aconteceu hoje, quando fui andar de baloiço com a minha neta no parque dos moinhos do Alto da Ajuda, em Lisboa. O jardim está impecável, os moinhos bem cuidados e o espaço infantil arranjado como deve ser. As crianças brincam com contentamento.


E a vista é soberba.


O único ponto de interrogação diz respeito às instalações que haviam sido previstas para funcionarem como restaurante. São umas instalações amplas e bem desenhadas. No passado, houve ali um restaurante que até nem era mau. Agora não há. As salas estão subaproveitadas, a fazer de pequeno ginásio. Um projecto tímido, pouco mais do que a fingir, só para que não se diga que a coisa está fechada.


Talvez um destes dias apareça por ali um projecto de utilização mais a sério. Mas que estará sempre condicionado pelo facto do parque fechar ao fim do dia.


Aqui fica a nota.

 

publicado por victorangelo às 18:43

20
Jan 12

O Presidente da República diz que a soma das reformas que recebe ou vai receber não chegam para cobrir as suas despesas domésticas. O Vasco, homem de boas letras mas que, enquanto comentador do quotidiano português, tem um longo currículo de escritas desvairadas, vai para chefe-mor do Centro Cultural de Belém. Mas há mais. O camarada da CGTP a pôr o companheiro da UGT em tribunal. O Mário a escrever mais uma ilusão na sua coluna semanal. O pastel de nata a ser promovido a símbolo da economia nacional de ponta.

 

E assim sucessivamente.

 

De facto estamos todos a precisar de um fim-de-semana prolongado.

 

 

publicado por victorangelo às 20:42

27
Jun 10

Hoje à tarde, fazia eu, como de costume, uma caminhada à beira-rio, entre o monumento das Descobertas e a Ponte 25 de Abril, quando tive uma vez mais a oportunidade de dizer mal da Câmara Municipal de Lisboa.

 

Não por causa do baldio em que se transformou a área junto ao rio, mesmo no alinhamento do Palácio de Belém -- uma vergonha de lixo, ervas daninhas e objectos abandonados, de festas que já terminaram há muito. Nem pelo facto das obras de saneamento, um pouco mais à frente, a caminho da Ponte, iniciadas pelas Águas de Portugal, um monopólio que pretende ser uma empresa, estarem paradas há tempos, depois de terem aberto uma cratera mal planeada. Nem tão pouco pelo facto do trânsito junto ao Museu da Electricidade, do lado do rio, ainda não ter sido fechado, apesar do investimento já feito, em termos de controlos, barreiras, etc. Menos ainda por a Câmara ter aceite colocar aqueles tijolos junto à água, e, a gozar com o povo, chamar àquilo uma obra de arte.

 

Não. A razão foi bem mais terra-à-terra. Meti um pé num dos muitos buracos da calçada esburacada que é o passeio, torci a perna, estatelei-me ao comprido, abri a mão esquerda, quase partia o braço direito, e pouco mais. E claro, a torneira de água, que a CML colocara no jardim, provavelmente para que lavemos as nossas mágoas, estava partida e não funcionava.

publicado por victorangelo às 23:22

twitter
Novembro 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

12
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


subscrever feeds
<meta name=
My title page contents
mais sobre mim
pesquisar
 
links
blogs SAPO