Portugal é grande quando abre horizontes

21
Mai 15

"Converso" hoje na Visão com um sábio chinês. E partilho esse texto de seguida, após esta breve introdução. Boa leitura.

 

À conversa com um sábio da China

Victor Ângelo

 

            Há umas semanas atrás, depois de visitar o pagode de Pindaya, no centro da Birmânia, meti-me à fala com um velho professor chinês. O pagode, construído numa gruta natural, dá guarida a mais de 8 000 estatuetas de Buda. Para além da atração turística, este templo é um lugar de peregrinação muito venerado. Eu, simples mortal vindo de uma cultura estranha, estava lá por mera razão de curiosidade. O meu interlocutor, catedrático da universidade de Chengdu, na China profunda, viera como estudioso do budismo.

            Logo no início da conversa, aprendi a primeira lição. Para ele, eu era um europeu, e ponto final. Quando me apresentei como português, ficou a olhar para mim, como se estivesse à procura do sentido da minha maneira de me identificar. O silêncio, que me pareceu interminável, foi finalmente quebrado quando retorquiu que sim, claro, europeu. Essa era, no seu entender, a identidade que contava, que tinha algum relevo no seu país de origem. Português, alemão ou sueco, eram aos seus olhos particularismos que só teriam significado no seio da Europa. A China olha para nós, explicou-me, como um todo. E acrescentou que quando se pergunta a um cidadão norte-americano a sua nacionalidade, a resposta não é, sou do Arkansas ou do Mississípi. Tentei então explicar-lhe que, no nosso canto do mundo, ainda não conseguimos construir uma visão identitária que ultrapasse as fronteiras nacionais. Antes pelo contrário, a tendência vai, de novo, no sentido de erigir trincheiras entre as diferentes nações da Europa. Barreiras mentais e políticas, que são as que mais profundamente afetam os nossos comportamentos e maneiras de ver.

            Para tentar salvar o bom nome da família europeia, lembrei que o produto interno bruto da UE é cerca de 1,8 vezes maior que o da China e que o nosso rendimento per capita equivale a cinco vezes o do seu país. Respondeu-me com uma segunda lição: o futuro deve ser pensado de outra maneira. A prosperidade e o bem-estar dos povos não podem ser medidos apenas em termos de consumo e de riqueza individual. Os padrões de vida europeus são insustentáveis a prazo. Com 1 355 milhões de habitantes, que aconteceria às metrópoles, ao meio ambiente e aos recursos naturais, se a ambição política chinesa fosse a de atingir para a sua população os níveis de consumo que se tornaram um hábito entre nós?

            E, nessa altura, surgiu a terceira lição: a política, seja ela internacional ou doméstica, raramente é simples ou linear. A ambiguidade e as contradições são frequentes. A política faz-se muito na base de linhas sinuosas. Assim, o meu interlocutor acabou por reconhecer que o frenesim consumista europeu tem afinal um efeito positivo no desenvolvimento da China. A balança comercial entre os dois lados é francamente favorável aos chineses: nos anos recentes, exportámos à volta de 180 mil milhões de euros para a China e importámos 290 mil milhões. Mais. A China quer aproveitar as comemorações dos quarenta anos de relacionamento com a UE, que agora estão a ser festejados, para aprofundar ainda mais o comércio entre ambas as partes. Ou seja, quer exportar e investir mais na Europa.

            Ora, nisto de relações entre os estados, tem que haver reciprocidade e normas aceites por ambos os lados. Por exemplo, os obstáculos aos investimentos europeus, por parte da China, têm que cessar. Foi essa a pequena nota que acabei por deixar na mente do professor. Um remate modesto, mas justo e, por isso, de peso, como diria Buda.

publicado por victorangelo às 19:27

03
Abr 15

Nesta Sexta-feira de Páscoa, lembrei-me da visita recente que fiz ao Buda Deitado (ou Reclinado) em Yangon, a capital económica da Birmânia. E na importância da religião nesse país, incomparavelmente mais crente do que nosso caso. E, nalguns casos, tão intolerante como nós. Nomeadamente em relação aos muçulmanos de certas regiões da Birmânia.

Ora, num dia como o de hoje, a tolerância e aceitação das diferenças são dimensões que convém sublinhar.

 

P1060210.JPG

P1060212.JPG

P1060215.JPG

Copyright V. Ângelo

 

 

publicado por victorangelo às 16:27

28
Mar 15

Jean-Paul Sartre, o filósofo de há tempos passados, era um pessimista. Achava que o inferno eram os outros.

Lembrei-me dele quando estive no Butão. Neste reino dos Himalaias, os outros são a salvação. O budista butanês, ao entrar no templo, dedica a primeira recitação ao bem-estar dos outros. Reconhece, assim, que a sua tranquilidade depende da felicidade dos outros. Mas nunca dirá que os outros são a causa da sua agitação. Aprendeu, desde pequeno, a olhar a vida pelo lado positivo.

P1080359.JPG

Copyright V.Angelo

 

publicado por victorangelo às 15:29

twitter
Novembro 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

12
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


subscrever feeds
<meta name=
My title page contents
mais sobre mim
pesquisar
 
links
blogs SAPO