Portugal é grande quando abre horizontes

10
Fev 18

Os meus comentários desta semana, para os ouvintes da Rádio Macau, incidiram sobre a recente visita de Teresa May à China, sobre a Polónia e os campos da morte nazis, as eleições que irão ter lugar em breve na Itália e ainda sobre a vitória de Anastasiades nas presidenciais de Chipre.

O link para o programa é o seguinte:

http://portugues.tdm.com.mo/radio/play_audio.php?ref=9856

publicado por victorangelo às 19:58

25
Mar 13

Se houvesse um Prémio Europeu da Estupidez, o ministro das Finanças da Holanda, que é igualmente presidente do Eurogrupo, Jeroen Dijsselbloem, seria um candidato destacado, com imensas condições para o ganhar.

 

Membro do Partido Trabalhista (Socialista) da Holanda, ministro há quatro meses, pouco percebe de finanças públicas e nada de assuntos europeus. Mas é um moralista radical à moda holandesa, que foi alimentado nos preconceitos tradicionais, particularmente contra os “latinos da Europa”.

 

Também não entende que dizer que o programa imposto a Chipre passa a ser o modelo para o futuro é uma afirmação de graves consequências para a confiança dos mercados nos sistemas bancários dos países europeus que atravessam dificuldades financeiras. Disse-o, numa entrevista de hoje à Reuters e ao Financial Times. Depois, e com os mercados a vir por aí abaixo, alguém lhe deve ter puxado as orelhas – terá sido a Tia Ângela? – e o cretino foi obrigado a emitir, através dos serviços de imprensa do Conselho Europeu, um comunicado a dizer que cada país é um caso e que Chipre não abriu nenhum precedente.

 

Ele também não abriu qualquer precedente, pois imbecis é gente que não falta nos corredores de Bruxelas. 

publicado por victorangelo às 20:57

18
Mar 13

Já tenho profundas saudades de Jean-Claude Juncker, o primeiro-ministro do Luxemburgo que até recentemente dirigia o Eurogrupo, a plataforma dos ministros europeus das finanças. Poder-se-ia, por vezes, discordar das suas posições. Mas era um político de bom senso, europeísta sincero e independente. Tinha, igualmente, muita experiência.

 

Agora com o holandês Jeroen Dijsselbloem à frente do Eurogrupo, as coisas parecem mal, muito mal encaminhadas. O caso de Chipre é apenas um alerta. O homem, que é ministro das finanças no seu país, parece sofrer de falta de experiência europeia, ter uma visão moralista da correcção dos défices públicos e acreditar nas virtudes dos povos do Norte. É, além disso, um incondicional das posições de Berlim. 

 

publicado por victorangelo às 21:46

twitter
Novembro 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

12
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


subscrever feeds
<meta name=
My title page contents
mais sobre mim
pesquisar
 
links
blogs SAPO