Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Vistas largas

Crescemos quando abrimos horizontes

Vistas largas

Crescemos quando abrimos horizontes

Lutar contra os sentimentos racistas

Não podemos cair no racismo primário que alguns querem fomentar contra os chineses. A comunidade chinesa desempenha, no nosso país, como em muitos outros, um papel económico muito útil. Para aqueles de nós que não têm um grande poder de compra, as lojas que os imigrantes chineses abriram um pouco por toda a parte vendem artigos a preços acessíveis. Nalguns casos, são verdadeiros supermercados de todo o tipo de utilidades. Os seus donos são pessoas que não levantam ondas, que procuram um mínimo de integração nas localidades onde estão estabelecidos. Vi isso em várias vilas alentejanas, para não falar apenas das grandes cidades. Assim, não há razão para os ataques que vão aparecendo nas redes sociais nem para a disseminação de apelos grosseiros de boicote a essa comunidade. Espero que os meus amigos contribuam para evitar esse vírus que é a xenofobia.

 

Trabalhar desde já na retoma económica

Uma preocupação maior é a de salvaguardar o sistema económico nacional. Não podemos permitir que o confinamento, a suspensão de certas actividades, o trabalho ao ralenti, a crise epidémica, provoquem a destruição de tecido produtivo. Este tem que manter a capacidade necessária para arrancar de novo, uma vez passado o período crítico. Para que assim aconteça, será necessário continuar a injectar recursos nas empresas afectadas, de modo a que estas possam manter a ligação com os seus trabalhadores e um mínimo de actividade a partir da qual se fará a retoma.

Tendo presente o que outros estão a fazer, como por exemplo a Dinamarca, e as estimativas de custo conhecidas, estaríamos a falar, no caso português, de uma injecção financeira da ordem dos 20 mil milhões de euros, a repartir pelos próximos quatro meses. Esse montante permitiria pagar uma boa parte dos salários dos trabalhadores das empresas agora fechadas, manter as infra-estruturas operacionais e evitar o colapso em dominó do tecido económico. O Banco Central Europeu deveria ser a principal fonte desse financiamento.

O problema mais difícil de resolver é o da enorme dependência da nossa economia em relação ao turismo. A recuperação das viagens de lazer vai demorar algum tempo. O verão de 2020 parece estar agora muito comprometido. Não será fácil atrair grandes números de turistas enquanto durar a crise de saúde pública e na fase de recuperação económica nos nossos mercados de turismo. Mas isso não quer dizer que se baixem os braços. Tem que se fazer tudo o que for possível para que o sector reviva tão rapidamente quanto é desejável.

Quem manda deveria apresentar nos próximos dias um plano de recuperação da economia. Não se pode esperar por Junho ou Julho para lançar as bases do restabelecimento da vida produtiva.

O Menino Jesus envelheceu

Por esse mundo fora, o Pai Natal roubou o protagonismo ao Menino Jesus. É Pai Natal para aqui, Pai Natal para acolá, do Oriente ao Ocidente, do Norte ao Sul. O centro comercial substituiu a cabana da vaquinha e do burrito, o centro comercial é o novo Presépio. São os tempos modernos, a era do marketing, do consumo e da ostentação, os novos símbolos da vida de agora.

O Menino Jesus transformou-se, com o tempo, num velho de barbas brancas, estranhamente vestido de vermelho, com um grande saco de mercadorias feitas na China às costas.

Haja festa, pois então. E um feliz Natal.

 

O Mercado da Ajuda

Fui hoje ao mercado da Ajuda, aqui em Lisboa, a dois ou três passos do sítio onde moro.


Vou lá de vez em quando. Hoje notei que várias das bancas estão livres, abandonadas, por já não haver quem esteja interessado no seu aluguer. Estimo que cerca de metade do mercado esteja nesse estado, como se fosse um projecto em vias de desaparecimento. Há menos vendedores e a clientela é relativamente idosa e com pouco poder de compra.


E também há, nas redondezas, uma proliferação de pequenos supermercados, que ajudam a dar uns tiros na sobrevivência do mercado tradicional.

Sobre a Europa e os EUA

A negociação de um acordo de livre-comércio entre a União Europeia e os Estados Unidos está emperrada. Para começar, as filosofias económicas dos dois blocos são muito distintas. Do lado europeu, o peso do Estado e do sector público é elevado. As empresas estão muito dependentes da intervenção do Estado nos mercados, como agente económico e cliente, como regulador e fiscal permanente. Os cidadãos, por seu turno, preferem a certeza do emprego, a estabilidade e a previsibilidade, às eventuais recompensas que a concorrência e os ajustamentos frequentes lhes possam trazer.  Temos a chamada economia social à ultraliberal que se pratica nos EUA. Mais terra a terra, existe um mundo de diferença entre a indústria agroalimentar que se pratica do outro lado do Atlântico, muito à base das mudanças genéticas dos produtos, e a que prevalece na Europa. E há grandes diferenças em muitos outros sectores, como por exemplo o automóvel ou o sector da energia. Existe, além disso, um bom nível de nacionalismo económico, de ambos os lados do oceano. A saga da multa que os EUA têm a intenção de impor ao banco francês BNP Paribas – fala-se numa multa à volta de 10 mil milhões de dólares – veio mostrar, para quem precisava de ter exemplos concretos, o estado de espírito que reina nos EUA em relação às grandes empresas europeias. Mas por cá, acontece o mesmo, embora de modo mais moderado. Ainda recentemente se falava em Paris e em Bruxelas no que seriam as áreas estratégicas, que deveriam ser salvaguardadas do controlo por investidores estrangeiros. A lista era, acima de tudo, um acto de fé patriótica. Tinha pouco e estava longe de ser um registo do que deveria ser verdadeiramente essencial para a sobrevivência e a continuidade de cada país europeu e do espaço comum. Era, aliás, mais nacional, Estado a Estado, que europeia.

 

Tudo isto mostra que estamos muito longe não só de uma Europa mais integrada como também de um relacionamento económico com os EUA que seja vantajoso para ambos os lados. Deve-se, por isso, abandonar a negociação com os americanos e tentar, primeiro, pôr a casa europeia em ordem? Não creio. Há que continuar ambos os projectos. E ter muita paciência. Ter paciência não quer dizer, no entanto, que não se continue a fazer pressão.

 

 

 

Vinho quente

Passei a manhã em Malines, a cerca de 25 quilómetros de Bruxelas. Sair da capital em direcção ao país flamengo é como ir ao estrangeiro. Tudo é muito diferente. Há mais infra-estruturas, mais cuidado com o que é público, mais atenção à beleza das coisas, mais orgulho nas tradições.

 

Em Malines, uma boa parte da população estava na praça principal, para ouvir música e partilhar uns copos de vinho aquecido, quente, mesmo. Esta bebida, amigos, é uma coisa intragável, que o pessoal daqui gosta de saborear. Cai bem na altura do frio. 

 

Pensei, talvez fosse um bom negócio promover o vinho português quando se trata deste tipo de acontecimentos. Temos vinho de boa qualidade. Só não temos é quem o promova. Receio que os delegados comerciais da AICEP não conheçam a Bélgica para além do bairro diplomático e do cento de Bruxelas. 

 

Só temos dinheiro para a azeitona do cocktail

A França exportou, este ano, mais de 10 mil milhões de euros em vinhos, champagne e cognac. Uma parte importante desse valor foi exportado para Singapura, mais de 500 milhões, e um montante equivalente, para a China. Este ramo do comércio externo francês tem um peso significativo na criação de riqueza.

 

Veio-me isto à lembrança na altura em que o Ministro Portas se prepara, a 4 de Janeiro, para falar aos embaixadores portugueses de diplomacia económica, a paixão que está na moda, nos círculos mais arejados dos nossos especialistas em relações internacionais.

 

A verdade é que Portugal poderia exportar muito mais vinho, que o temos de muito alta qualidade, incluindo para Singapura. Mas é preciso um pequeno investimento: realizar amostras, exposições dos nossos melhores produtos. Quando se fala disso, dizem, nomeadamente os senhores do Comércio Externo de Portugal, AICEP, que não há dinheiro para essas coisas.

 

Se o não há, nem vale a pena estar a maçar os embaixadores com o palavreado da diplomacia económica. Sirvam-se umas azeitonas miudinhas e está tudo dito.

Uma aventura chamada Dolce Vita

O Centro Comercial Dolce Vita, na Pontinha, é um gigante com pés de barro. Tem centenas de lojas, algumas de muita qualidade, mas está localizado numa zona de captação de clientes que é conhecida por ser de gente modesta, sem grandes meios. A falta de poder de compra reflecte-se nas lojas, que estão a maior parte do tempo às moscas.

 

É, além do mais, difícil de localizar e ainda mais difícil de encontrar o caminho de regresso a certas zonas de Lisboa.

 

Para quem tem espírito aventureiro, recomenda-se a visita.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

<meta name=

My title page contents

Links

https://victorfreebird.blogspot.com

google35f5d0d6dcc935c4.html

  • Verify a site
  • vistas largas
  • Vistas Largas

www.duniamundo.com

  • Consultoria Victor Angelo

https://victorangeloviews.blogspot.com

@vangelofreebird

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D