Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Vistas largas

Crescemos quando abrimos horizontes

Vistas largas

Crescemos quando abrimos horizontes

Uma conversa seca

Estamos a ficar sem conversa, depois de tantas semanas de confinamento. Hoje, ao fazer o meu passeio para espairecer, encontrei um amigo de infância, que mora nesta mesma zona da cidade. E depois das saudações de circunstância, ficámos a olhar um para o outro, sem assunto de conversa, para além das banalidades ligadas à pandemia e à confusão das vacinas. Pensei, depois, que estamos a perder uma das qualidades que nos pareciam das mais importantes, a capacidade de comunicar com os outros. Nada acontece, para além das quatro paredes em que nos fechamos e, no seguimento, nada temos para contar.

Os dias moles e parados

Em frente à minha varanda, do outro lado da avenida, existe uma praça de táxis. No passado, as viaturas permaneciam pouco no estacionamento. Chegavam, juntavam-se mais uma ou duas, e rapidamente seguiam viagem. O tempo de paragem era curto. Agora, forma-se uma fila que nunca mais acaba e passam horas à espera do serviço que não aparece. É difícil, ao ver tantas viaturas sem movimento, não concluir que a cidade está mais ou menos parada. É igualmente impossível não pensar nas consequências económicas e sociais de tudo isto.

Para cúmulo, os meus amigos de Évora publicam fotos do centro da cidade, sem que se veja vivalma. E quem fala comigo ao telefone, diz-me que na sua zona pouco ou nada mexe. E acrescentam que muitos andam deprimidos, à espera da vacina e dos dias de sol. Infelizmente, não posso prometer nem uma nem a outra.

Confinadissimos

Vamos continuar confinados por mais e mais semanas. E com duas grandes ameaças: a falta de vacinas, com quantidades muito abaixo do que fora esperado; e o aparecimento de novas estirpes da pandemia, que poderão ser mais contagiosas e resistentes às vacinas disponíveis. A estas ameaças junta-se o impacto negativo de tudo isto sobre a economia. Por muito que se

diga, para menorizar a dimensão desse impacto, a verdade é que a economia está a trabalhar a meio gás. Sectores importantes continuam fechados e sem perspectivas de voltar a abrir nos próximos tempos. Por muita folga que a economia possa ter – que não tem – a realidade é que estamos a construir uma crise.

Na verdade, ninguém sabe ainda quando tempo irá durar este período de excepção. Há quem diga que o último trimestre do ano já será melhor, mais próximo do normal. Esta é uma suposição e nada mais, neste momento.

Entretanto, é fundamental aproveitar todas as vacinas disponíveis. A vacina russa, se se confirmar a sua eficácia, não deve ser excluída. Não há nenhuma outra razão para excluir excepto as razões científicas. A única prioridade é vacinar o maior número de pessoas tão rapidamente quanto possível. Ligada a esta prioridade está a questão da credibilidade de cada uma das vacinas disponíveis. É preciso manter a confiança das pessoas nas vacinas. Não se deve esquecer essa dimensão.

Questões dos tempos que vivemos

Estamos cada vez mais fechados em nós próprios. Sair de casa passou a ser algo de absolutamente excepcional. Muitos de nós temos apenas como visão do mundo a parede do prédio da frente ou as imagens que quem manda nas televisões decide pôr nos ecrãs.

Isto seria aceitável noutras eras. Agora, é cada vez mais difícil, embora a maioria dos cidadãos tenha compreendido a necessidade do confinamento. Mas quanto tempo mais poderá durar essa aquiescência? E que efeitos no comportamento irão ocorrer? E, mais ainda, quem irá tirar dividendos políticos destes tempos tão diferentes?

A nossa falta de coragem política

O Presidente da República e o Governo não tiveram a coragem política necessária para impor um Natal com restrições. Quando esta questão é levantada, escondem-se por detrás dos partidos políticos, que foram consultados, e mais e mais, e até queriam mais rédea solta. Mas a responsabilidade da governação não cabe aos dirigentes dos partidos. E também não é desculpa dizer que se contava com o bom senso dos portugueses.

A Bélgica, que tem um número de habitantes semelhante ao nosso, restringiu ao máximo os encontros de Natal. Está agora com menos de 2 mil novas contaminações diárias. Um número muito inferior ao que contabilizamos em Portugal, neste momento.

O canibal e o seu Natal

Canibal rima com Natal. Mas isso não explica a razão que me levou esta manhã a dizer a quem me quis ouvir que me tinha transformado, durante a noite de consoada, num canibal. Também não meti medo a ninguém. Nem era essa a intenção. Um canibal da minha idade já não faz mal a uma mosca. E a idade também faz com que o apetite não seja muito grande. O jantar de consoada foi ligeiro. E o almoço de Natal também. Modesto, na verdade. Quando comparei o pouco que engoli ao que os meus amigos glutões paparam fiquei a pensar que afinal o meu novo estado de canibal era mesmo e apenas uma fantasia. De confinado, diria um amigo meu. Respondi que talvez fosse apenas uma maneira de responder de um modo inabitual e imprevisto a um Natal que foi muito diferente do que é tradicional. Ou uma maneira nova de desejar a todos um Feliz Natal.

A economia dos outros e do meu barbeiro

Hoje, neste país que é a Bélgica, as barbearias voltaram a abrir. E eu lá estive, que bem precisava. Vim quase rapado, que o barbeiro não tinha mãos a medir nem tempo para grandes fantasias. Foi um cortar a eito.

Esteve, como todos os outros, dois meses e meio fechado. Perguntei-lhe quanto recebera como subsídio, por parte do governo. Disse-me, com um tom resmungão, que uns dias depois de ter fechado o salão, lhe deram 1200 euros, com a promessa de que a 4 de maio receberia um complemento. E recebeu, nesse dia, sem mais, 4000 euros. Ou seja, a subvenção total, a fundo perdido, por oito ou nove semanas de inactividade, chegou aos 5200 euros, sujeitos a impostos e às contribuições para a segurança social e para o fundo de pensões. Nada mal, pensei eu, para um empresário a título individual. Mas não lhe disse o que pensava, pois percebi que achou que foi pouco. E também, para não prolongar a conversa, o que faria correr o risco de acabar com um corte à soldado raso. 

Tempo de mudança

Às oito da noite, o meu vizinho do lado direito sai à rua, com o seu acordeão e toca uma ou duas músicas para todos nós, os outros vizinhos. Saímos à rua, cada um no seu espaço, para aplaudir os profissionais de saúde em geral e a mulher do acordeonista, em especial, que é médica de cuidados de urgência. Como os dias têm estado bons, este é um momento de convívio, ao fim de um dia de isolamento, numa quarentena que já vai longa e que ainda vai continuar mais uns tempos. A rua é composta por vivendas, temos a impressão de estar na aldeia, sentimento que o acordeão ainda acentua mais. Na realidade, estamos numa zona central da cidade, a poucos minutos de carro das instituições europeias. Viver no campo, dentro da cidade, é um privilégio. Que para nós, acaba no final deste mês, depois de dezenas de anos de ligação à casa que agora irá ficar para trás. Mudanças, mudanças e andanças, diria o outro.

 

O papel da Comissão Europeia

Ursula von der Leyen presidiu a uma conferência internacional de mobilização de fundos destinados ao financiamento da investigação científica de combate à Covid-19. Também foram recolhidas contribuições para ajudar as nações mais frágeis a fazer frente à pandemia. As somas prometidas ultrapassam os 7 mil milhões de euros. Foi um sucesso e a Presidente da Comissão ficou numa posição mais forte. Deve agora aproveitar a embalagem e tomar as rédeas de uma resposta europeia coordenada para o período que agora se inicia, o desconfinamento. O desconfinamento tem várias dimensões, para além da questão sanitária. Deve ser feito de modo harmonioso, tendo em conta a interdependência que existe entre as economias e as sociedades europeias. Cabe à Comissão propor as linhas mestras que deveriam ser seguidas. Depois, cada país fará as adaptações que achar necessárias.

As linhas orientadoras têm que ser realistas e por etapas. Não é prova de bom senso fazer declarações com horizontes temporais muito amplos. Por exemplo, declarar, como foi dito em Bruxelas, que as ligações aéreas da União Europeia com o resto do mundo não deverão ser restabelecidas senão em inícios de 2021, é um exagero. Sem contar que a recuperação económica exige abertura, espaços e facilidades de movimento, trocas com o resto do mundo. As videoconferências são muito úteis, mas não são suficientes. O contacto pessoal, com líderes e gentes de toda a parte, faz parte da recuperação, do progresso e da modernidade.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

<meta name=

My title page contents

Links

https://victorfreebird.blogspot.com

google35f5d0d6dcc935c4.html

  • Verify a site
  • vistas largas
  • Vistas Largas

www.duniamundo.com

  • Consultoria Victor Angelo

https://victorangeloviews.blogspot.com

@vangelofreebird

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D