Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Vistas largas

Crescemos quando abrimos horizontes

Vistas largas

Crescemos quando abrimos horizontes

No meio da tempestade

Há neste momento uma conjugação de crises que não é de bom augúrio.

Na Europa, temos o plano de resiliência que está em risco. A posição da Polónia, que não quer ver as questões da democracia e do estado de direito incluídas no plano como condicionalidades para a atribuição de fundos, poderá atrasar a aprovação do pacote de emergência e mesmo do orçamento europeu. Para os dirigentes polacos, gente extremamente conservadora, a manutenção do seu controlo das alavancas do poder é mais importante do que o dinheiro que possa vir de Bruxelas.

Temos ainda o impasse com os britânicos. O período de transição está a terminar e não parece ser possível chegar a um acordo que trate das relações futuras entre a União Europeia e o Reino Unido. A questão da pesca é um obstáculo maior. Nessa matéria, o presidente francês não pode dar a impressão que não defende os interesses dos pescadores do seu país. Não sei como vão descalçar esta bota. Sei, no entanto, que a ausência de acordo entre as partes provocará uma quebra significativa nas relações económicas. Isto numa altura em que as economias já estão debaixo de um grande stress.

Temos o covid fora de controlo. Para além das implicações em termos de saúde pública, haverá que fazer frente a uma crise económica e social enorme. As medidas de mitigação que os governos europeus estão a adoptar têm custos financeiros enormes. O endividamento dos estados provocará, mais cedo ou mais tarde, um aumento inédito dos impostos bem como medidas extremas de contenção de outras despesas.

E para culminar, temos a crise política que se está a preparar nos Estados Unidos. Tudo poderá acontecer, uma vez conhecidos os resultados eleitorais. Incluindo uma enorme confrontação entre os dois lados. Alguém me dizia hoje que se sente mais insegura agora, em Nova Iorque, do que quando acompanhava eleições num ou outro país africano.

Tudo isto quando o outono é ainda menino.

Os loucos americanos

Vi o debate, em directo, entre Mike Pence e Kamala Harris. A discussão foi viva mas dentro das regras do civismo. Mike Pence repetiu, com mais inteligência e melhor oratória, muitas das fantasias e demagogias que o seu chefe propaga a toda a hora. Não terá convencido ninguém, para além dos que já decidiram apoiar tudo o que Donald Trump diz. E faltou-lhe a dimensão humana, o sorriso e a empatia. A maneira como fala transmite uma imagem dura e inflexível. Projecta uma imagem azeda. Kamala Harris teve o mérito de mostrar que a política que defende tem um lado humano. Sempre sorridente e descontraída, deixou-nos uma imagem mais simpática. A radicalização que se vive nos EUA – e que é provocada pela maneira como Donald Trump faz política – não terá permitido a Harris convencer novos eleitores. Mas saiu-se bem e não desapontou quem quer votar democrata.

A radicalização actual é um problema muito grave. Explica o que hoje foi revelado em Michigan, uma conspiração de extremistas apoiantes de Trump, que preparavam há meses um golpe armado contra a Governadora democrática desse estado e contra as instituições da governação. Era um plano de loucos, para além de ser uma conspiração criminosa. Mas a loucura política é uma das principais consequências da governação de Donald Trump. Num país como os EUA, com gente armada por todos os lados, leva à violência.

Assim, e voltando ao debate e ligando este à questão da violência, a maior preocupação que ficou um vez mais no ar diz respeito à aceitação dos resultados eleitorais. Pence não respondeu à questão se aceitaria ou não uma derrota. Isso é muito preocupante. É cada vez mais óbvio que o seu campo, a começar por Trump, não está disposto a aceitar a derrota eleitoral. Isso pode levar a uma crise fracturante e a cenas de violência armada nas ruas de certas cidades. O partido republicano tem que se pronunciar quanto antes sobre essa questão.

Nunca pensei que estaria a escrever sobre este assunto em relação aos EUA. Vivi situações parecidas em certas partes do mundo e sei o que isso pode acarretar. Agora a questão põe-se em relação aos EUA. De acto, o ano de 2020 é um ano completamente diferente do habitual. Um ano que nos deixa boquiabertos e que desestrutura tudo o que aprendemos. 

Derrotar Donald Trump

O comportamento do Presidente Trump, nestes últimos dias, voltou a ultrapassar todas as linhas vermelhas que separam o aceitável do condenável. É fundamental, por isso, que seja derrotado nas eleições de novembro de maneira inequívoca. Ele representa o que há de muito mau nos Estados Unidos. Acredito que esse segmento da população seja minoritário e que, por isso, Donald Trump acabe vencido. O seu país e o mundo ganhariam com essa derrota. Ficariam mais seguros e com melhores perspectivas. 

O Presidente está positivo

Disse a um par de amigos americanos, democratas de gema, que seria um erro não antecipar que o Presidente Trump fará um aproveitamento eleitoral da sua infecção com covid. Irá certamente recuperar nos próximos dias e aproveitar essa recuperação para reafirmar que é uma pessoa forte e fisicamente mais apta para o exercício das funções presidenciais do que Joe Biden. O campo democrata tem que ter uma resposta pronta para esta nova faceta da campanha. Entretanto, ficou já claro que a notícia da infecção fez desaparecer dos meios de comunicação social todas as referências negativas às intervenções desastrosas e inaceitáveis que Donald Trump proferiu durante o debate de terça-feira.

O presidente ao ataque

https://www.dn.pt/edicao-do-dia/26-set-2020/o-presidente-trump-e-as-nacoes-unidas-12759543.html

Este é o link para o meu texto desta semana no Diário de Notícias, edição em papel que sai aos sábados. Convido a que façam comentários no sítio aprpopriado do DN. Obrigado. 

Donald Trump e a diplomacia do cacete

A minha coluna de opinião desta semana, hoje publicada no Diário de Notícias, tem como tema o discurso que Donald Trump dirigiu à Assembleia Geral das Nações Unidas. Esse discurso tinha as seguintes mensagens: a China como estado hostil; Trump como um líder de paz; o auto-elogio como uma arma de campanha eleitoral; e uma referência às áreas de trabalho das Nações Unidas, segundo a visão de Washington. Foi mau em relação à China e razoável, no que respeita à ONU. O resto, foi conversa eleitoral e a ambição de ganhar o Prémio Nobel da Paz. Trump sonha com esse prémio. Não compreende como foi possível que Obama o obtivesse e ele ainda não.

Entretanto, o embaixador que colocou em Lisboa disse-nos hoje que Portugal tem que escolher entre a China e os Estados Unidos. O embaixador deve ter aprendido diplomacia na mesma escola que o seu chefe frequentou.  

 

A hostilidade de Donald Trump

O discurso do Presidente norte-americano perante a Assembleia Geral das Nações Unidas teve praticamente um só tema: a China. Foi uma intervenção curta, à volta de sete minutos, para não deixar espaço para desvios para outros temas. A China foi apresentada como a causadora da pandemia e da crise económica associada, uma crise global. Numa outra época, um discurso assim seria visto como uma declaração de guerra. Hoje, é visto como fazendo parte da campanha eleitoral de Donald Trump. Penso, no entanto, que tem consequências mais profundas. Veio agravar a tensão que já existe entre os dois países. Uma tensão que se agravou durante o mandato de Trump e que irá provavelmente marcar os anos vindouros, esteja Trump ou não à frente dos Estados Unidos. Ao escrever isso, faço-o com muita preocupação sobre as consequências futuras dessa rivalidade.

Manhas e mentiras

Observar o que se passa na Convenção Republicana, que hoje confirmará Donald Trump como candidato a um segundo mandato, requer muito autodomínio. Os diferentes oradores inventam uma realidade que não existe, toda cheia de cores brilhantes e depois felicitam o Presidente pelos sucessos que são puras invenções. Os temas são sempre os mesmos: a habilidade na gestão da economia, a manutenção da ordem pública e a capacidade para fazer frente a potências estrangeiras. Depois, inventam um falso programa que dizem ser o que os Democratas defendem, um programa sem sentido, e atacam, com unhas e dentes, essa falsidade como se fosse verdade.

A Convenção está a levar a política americana para novas profundidades. Manhas e mentiras, são os ingredientes da nova política dos republicanos. E os nossos pequenos Trump vão tomando nota, para fazerem igual, aqui por estas bandas.

Tempo de grandes desafios

https://www.dn.pt/edicao-do-dia/22-ago-2020/de-regresso-aos-imponderaveis-12542100.html

Deixo acima o link para o meu texto de reflexão desta semana, publicado na edição impressa do Diário de Notícias de sábado, 22 de agosto. 

Convido à leitura e ao comentário. A parte do comentário é muito impostante para mim. Um dos meus leitores sugere, por exemplo, que escreva da próxima vez sobre a Turquia. Respondo que só de pensar no título da coisa já fico a tremer. É um grande problema. 

Daqui até ao final do ano

A minha coluna de opinião desta semana, no DN em papel, que ontem foi posto à venda, olha para os próximos quatro meses que faltam para terminar o ano. A pandemia e as eleições presidenciais americanas serão as duas principais determinantes, com toda uma série de consequências, de grande complexidade e cheias de incertezas.

O texto contém várias mensagens, que não escaparão às mentes atentas. Mas, acima de tudo, sublinha a importância das lideranças, que podem empurrar os acontecimentos num sentido ou no outro. E lembra-nos que em política nada deve ser dado por adquirido. Perde quem mostra excesso de confiança e pouco apreço pela capacidade de luta do adversário.

O DN deve permitir o acesso livre ao meu texto amanhã.

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

<meta name=

My title page contents

Links

https://victorfreebird.blogspot.com

google35f5d0d6dcc935c4.html

  • Verify a site
  • vistas largas
  • Vistas Largas

www.duniamundo.com

  • Consultoria Victor Angelo

https://victorangeloviews.blogspot.com

@vangelofreebird

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D