Portugal é grande quando abre horizontes

02
Nov 14

Barroso terminou as suas funções de Presidente da Comissão Europeia. Seria pouco apropriado não escrever umas linhas sobre o fim de mandato de quem esteve durante dez anos num lugar de grande poder e visibilidade na cena internacional.

Vou fazê-lo agora, para dizer que o nosso compatriota – que eu critiquei algumas vezes nos meus textos da Visão – esteve à frente da União Europeia numa fase particularmente delicada e de extrema complexidade. É preciso ter isso em conta, como é preciso saber que nesse tipo de funções cada crise que passa, cada decisão de fundo que é tomada, tudo acaba por ser o resultado de um jogo de equilíbrios políticos. Esse jogo é especialmente difícil numa associação de Estados independentes e que, para mais, têm capacidades de intervenção diferentes. Comparar o peso do jogo da Alemanha, por exemplo, com o de Portugal, não é fácil. De um lado, temos 80 e tal milhões de habitantes, uma economia dinâmica e forte, interesses em várias partes do mundo. Do nosso lado, temos uma outra realidade.

Manter o fiel da balança entre tudo isto, nem sempre dá certo. E se a isso juntarmos uma crise económica profunda, um risco muito sério de implosão do Euro, o enfraquecimento para além do imaginável da influência de países como a França, etc etc, temos um cenário muito desequilibrado, que foi o que definiu o mandato de Barroso durante a maior parte da sua permanência em Bruxelas.

Perante isto, e apesar das muitas coisas que se possam apontar a Barroso, creio que seria justo dizer que conseguiu navegar com habilidade e com resultados as águas difíceis e agitadas da União Europeia.

E, por muito que se diga, deu uma imagem de Portugal e dos Portugueses que nos favoreceu. Portugal foi visto, durante dez anos, como um país que pesava mais do que a sua dimensão o faria imaginar e do que os seus governos estavam em condições e eram capazes de defender na cena internacional e no palco europeu. Isso tem valor.

publicado por victorangelo às 19:31

25
Jul 13

O torpor e as divisões no seio da União Europeia constituem a substância de meu texto de hoje na revista Visão.

 

O link para o artigo é o seguinte:

 

http://tinyurl.com/nxkcvga


publicado por victorangelo às 17:38

03
Dez 09

 

Na revista Visão de hoje, está o meu texto sobre as recentes nomeações e movimentações em Bruxelas. O meu editor achou que era um comentário distinto do que havia aparecido até agora.

 

Em certa medida, a minha opinião é que vai haver guerra entre Barroso e Van Rompuy.  Não pode deixar de ser, quando dois indivíduos disputam um espaço político e funcional que está mal definido.

 

O artigo está disponível no sítio:

 

http://aeiou.visao.pt/la-longe-em-bruxelas=f539016

publicado por victorangelo às 21:31

27
Ago 09

 

A revista VISÃO, na sua edição de hoje, publica o meu texto sobre o toma lá, dá cá que se vai passar em Bruxelas, durante Setembro.  As transacções terão como ponto fulcral a eleição de Barroso para um segundo mandato à frente da Comissão Europeia.

 

O artigo também está disponível on-line, como de costume:

 

http://aeiou.visao.pt/reentradas-amargas=f527010

 

Devo acrescentar, com satisfacção, que os meus textos têm atraído muita atenção.

 

Numa altura em que todos estão focalizados nas eleições de 27 de Setembro e na luta entre o Zé e a Manela, o meu texto ousa lembrar que há outros combates igualmente em liça.

publicado por victorangelo às 18:29

twitter
Setembro 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
11
12
13

18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30


<meta name=
My title page contents
mais sobre mim
pesquisar
 
links
blogs SAPO