Portugal é grande quando abre horizontes

23
Abr 12

A primeira volta das eleições presidenciais francesas mostrou que o eleitorado de esquerda mais o da extrema-esquerda pesa cerca de 43% do total dos votantes. Estas pessoas votarão por Hollande a 6 de Maio, salvo raras excepções. A este número será possível acrescentar uma parte dos eleitores do centro-direita e da Frente Nacional (FN), a extrema-direita, e ganhar a segunda volta. Como a percentagem de eleitores do centro-direita, que apoiou Bayrou, não é muito significativa, e nem todos irão apoiar o candidato socialista, chega-se à conclusão que quanto maior for a margem de ganho acima dos 50% maior terá sido o número de simpatizantes da FN que terá decidido agora votar por Hollande. Não por causa do seu programa, mas para eliminar Sarkozy. 

 

 

publicado por victorangelo às 11:28

13
Jan 11

A 24 de Junho de 2007, escrevera na Visão, um texto sobre a crise política da Bélgica, a que dera o nome, sugestivo, de "A jangada belga".

Apontara, na altura, que a crise institucional era, então, mais fracturante do que nunca. Um ou outro observador discordou da minha análise, dizendo que era demasiado pessimista.

 

Infelizmente, não era. Hoje a crise é ainda mais profunda. Atingiu uma dinâmica imprevisível. O futuro do país, como Estado unitário, está em risco. Ninguém pode prever o que será o dia institucional de amanhã.

 

Num texto que saiu na Visão de hoje, volto a escrever sobre a Bélgica. Faço a previsão que apenas o medo dos mercados, que já se preparam a investir contra o reino, poderá levar os partidos belgas a um acordo. Que será, de qualquer modo e se se verificar, de uma grande precariedade.

 

A leitura deste texto é possível no sítio:  http://aeiou.visao.pt/belgica-o-poder-dos-mercados=f585826

publicado por victorangelo às 18:54

28
Set 10

Com o mundo cada vez mais computorizado, uma situação que torna a vida moderna totalmente dependente do bom funcionamento dos sistemas informáticos, as guerras do futuro passar-se-ão nas salas de programação software, com centenas de jovens na casa dos vinte anos a desenhar emaranhados complexos de vírus destinados a atacar os sistemas informáticos inimigos.

 

É a guerra cibernética. Uma guerra sem uniformes, de gente vestida com jeans e t-shirts, alimentada a hambúrgueres e coca-colas. Estas serão as rações dos combatentes dos tempos que se aproximam. As trincheiras serão as mesas dos computadores, as armas, a matemática, a programação, a engenharia de sistemas, as ligações em rede, os fire walls e a sofisticação das senhas de acesso aos programas. Os novos combatentes não vão precisar de se ausentar de casa. Continuarão a ter uma vida de família normal, a entrar para o emprego a horas regulares, a ir ao cinema à noite e aos dancings ao fim-de-semana. Saem da guerra a horas certas e desligam, psicologicamente falando.

  

Esta nova frente de conflito, este novo tipo de ataques preventivos, defensivos ou malignos obrigará a repensar por completo os sistemas de defesa. Os meios clássicos passarão a ter menos peso. Serão ainda necessários, como é óbvio. Mas estarão, muito provavelmente, mais voltados para o combate contra as rebeliões e os grupos terroristas ou piratas. Para fazer frente às ameaças assimétricas, ou seja, provenientes de combatentes irregulares, estruturados de maneira simples e constituídos em pequeno grupos. No entanto, mesmo este tipo de intervenções estará cada vez mais informatizado. Basta ver o que se passa com os pequenos aviões sem piloto - os UAV - para entender que se pode ter um centro de comando dessas máquinas no Algarve, à beira da praia, e fazer voar os ditos objectos, mesmo se estacionados no pólo oposto. E, assim, atacar com uma precisão cada vez maior os alvos seleccionados.

 

Bombardear uma central nuclear, num país hostil, por exemplo, terá um outro significado. Não serão mobilizados aviões e mísseis. Nem comandos especiais. Serão bombardeados com programas de computação que criem o caos nos sistemas de gestão informática da central.

 

Dizem que é o que já está a acontecer no caso concreto do Irão. Penso que é cedo para tirar conclusões sobre o que se está a passar numa das centrais desse país. Mas a notícia mostra claramente que já estivemos mais longe de uma ofensiva desse tipo.

publicado por victorangelo às 16:18

01
Mai 10

Ontem não houve escrita. Mas, não foi por estar em greve.

 

Por falar em greve, penso que se trata de um direito amargamente adquirido pelos trabalhadores e que deve ser respeitado, sem hesitações. Existem, todavia, circunstâncias, quando a crise é tal e tão profunda, que devem fazer ponderar, com muito cuidado, o recurso a esse tipo de combate social. Nessas alturas, os líderes devem procurar o diálogo a todo o custo.

 

A situação na Grécia, em Portugal, e noutros países da UE exige, mais do que nunca, muita sabedoria na concertação social. Os anos futuros vão ser tempos de vacas magras. Só um esforço patriótico, partilhado e bem compreendido por todas as partes, vai permitir ultrapassar essa fase difícil. Temos a responsabilidade de contribuir para a clarificação do que é preciso fazer e cada actor social terá que entender qual o papel que lhe corresponde.

 

O essencial é estar à altura dos desafios.

publicado por victorangelo às 10:20

24
Abr 10

 

Passar quase quatro horas na Loja do Cidadão para renovar um passaporte foi a moeda de hoje. Às 09:30, a bicha nas Laranjeiras quase chegava à Estrada da Luz. Milhares de cidadãos pacientemente esperando por serviços burocráticos básicos. Santa paciência, que deve haver um canto no céu inteiramente reservado aos nacionais lusitanos. Bem merecido é!

 

A verdade é que os serviços administrativos são insuficientes, numa cidade como Lisboa, para as necessidades da população. Poupa-se em funcionários enquanto o pobre do utilizador perde em termos de tempo e de fé na eficiência da função pública.

 

Segui para os Restauradores. Antes das 10:00, a senha para o balcão de emissão de passaportes já apregoava o número 75. O que me deu tempo para ficar à espera, de pé, que só haviam cinco assentos disponíveis, até cerca das 14:00. Curiosamente, a maioria dos portugueses que me passaram à frente dos olhos eram crianças e pais jovens de origem africana. Todos com a nacionalidade de Portugal, todos, ao fim e ao cabo, com o mesmo documento que um desgraçado de um Alentejano como eu iria receber. Ou seja, muitos dos nossos concidadãos têm pouco a ver com a descendência que Viriato nos deixou.

 

Foi esclarecedor em termos das grandes mutações que as migrações recentes provocaram no nosso país.

 

Pensei que a imigração é um dos três grandes temas das eleições britânicas. Os outros dois são, obviamente, a crise económica e a falta de honestidade dos políticos. Lembrei-me das discussões sobre as questões da identidade, que estão a percorrer a sociedade francesa. No tema do véu integral, muito actual na Bélgica e noutros países vizinhos.

 

Tudo isto são assuntos muito delicados, fracturantes, fontes potenciais de conflitos cívicos. Esperemos que aqui, na nossa terra de santos pacientes, haja suficiente sabedoria para não entrar por esses caminhos.

 

 

publicado por victorangelo às 22:01

12
Mar 10

 

Foi um dia muito preenchido. Não há espaço para mais. Seria desastroso tentar alinhavar umas linhas, mesmo que fossem apenas palavras soltas. Amanhã é a única palavra que soa bem.

publicado por victorangelo às 20:56

09
Nov 09

 

As ONG francesas são as que mais criticam a MINURCAT, a missão da ONU na RCA e no Chade, bem junto ao Darfur.  Dizem que a missão, que tem como função fundamental a segurança dos humanitários, não conseguem mobilizar todos os soldados de que que precisa, que os que chegam são fracos -- não são tropas europeias, é verdade...-- e que a insegurança no Leste do Chade é cada vez maior.

 

Tudo para dizer que o trabalho das tropas da UE, no quadro da EUFOR, era bem superior. 60% dessas tropas eram constituídas por contingentes franceses.

 

Agora, não temos praticamente nenhum soldado francês. Critica-se, mas onde está a contribuição gaulesa?

 

publicado por victorangelo às 21:18

08
Nov 09

 

Durante a noite, foi preciso evacuar, para Nairobi, um Major do contingente russo. Tinha ingerido, na véspera, uns copos bem cheios de um líquido, falsificado na Nigéria, mas com um rótulo de gin ou outra coisa parecida. Entrou em estado de choque, em coma profundo, com hemorragias internas, paralisações orgânicas, às portas do outro lado da vida.

 

Os nossos dois jactos estavam muito longe, um em Entebbe, o outro em Djibouti. Foi preciso mobilizar um dos nossos velhos Antonov 24, um avião que mais parece uma mula de montanha. Levou oito horas a chegar a Nairobi. Via Bangui, onde pousou às quatro da manhã, sem que houvesse abastecimento de combustível disponível no aeroporto. Depois, Entebbe, do outro lado das árvores, muito para além das florestas sem fim. Finalmente, o Quénia, que, primeiro, não deu autorização de aterragem, depois, aceitou o nosso SOS, mas deteve os pilotos. Não tinham visto.

 

O Major ainda estava vivo, depois de tantas voltas. A equipa médica norueguesa conseguiu mais um milagre. Mas, em que estado ficará este jovem oficial, depois de tudo isto?

 

Se a falsificação, muito frequente na Nigéria, tiver sido à base de metanol, as consequências são gravíssimas. Uma pequena dose de metanol provoca cegueira, uma dose maior leva a problemas irremediáveis. A vida nestas terras vale pouco, meus amigos.

 

Hoje, ao fim do dia, recebo a notícia do general que comanda as minhas tropas que há mais dois militares russos, da mesma equipa, em situação semelhante. Que drama! Quantas garrafas terão comprado, nos mercados sem lei destas terras sem rei, estes homens da terra do vodka e inocentes nas terras em que é preciso andar de olho vivo?

 

Mandei proibir todo o consumo de bebidas alcoólicas no campo russo.

 

E amanhã, bem cedo, um avião mais estará a fazer o percurso da selva para Nairobi.

 

Saúde!

 

publicado por victorangelo às 20:58

07
Set 09

 

Longe do terreno de operações, é verdade, mas em contacto. Nas últimas 24 horas tivemos uma emboscada contra uma das mulheres que se ocupa da segurança, tiros, cinco homens em camuflado militar ao ataque, donde viriam, pergunto, o pânico, o carro a tentar escapar ao assalto, a virar-se no terreno instável, uma situação que traz mais dores de cabeça e aflições.

 

Também ocorreu um acidente com uma das equipas de pilotos de helicópteros. Uma festa mal sucedida. Vodka. Mais vodka, que os pilotos provenientes das terras frias nem sempre se lembram que estamos em zonas secas. Feridos. Uma corrida louca para o nosso hospital militar, acidente, à entrada da base, precipitação, mais feridos, novo embarque, sempre a caminho do hospital, mas o piloto que fazia de motorista, turvado pela pressa, o álcool, a confusão, entra a direito na base, esquece-se que a entrada faz um S de segurança, vai de frente contra as barreiras de protecção, mais outro ferido, mais confusão, há dias assim, em que os estragos são por nossa conta.

 

Entretanto, um mundo diferente gira à minha volta. Hoje. Um mundo onde se navega num lago de tranquilidades e facilidades, como se a vida fosse um jardim de flores cor creme e roxa, em que uns têm tudo, e outros vivem num Portugal que não paga os salários em atraso, que rouba a criatividade dos que sabem fazer coisas, um país que recompensa o esforço com misérias, e que se deixa andar, sem tino nem moral, ao abrigo da pequenez que somos e do vento que sopra devagarinho.

publicado por victorangelo às 20:42

09
Jun 09

 

Copyright V. Ângelo

 

Casas de nómadas, em leito de rio, que os pobres só têm direito ao que não presta, ao que põe a vida em risco. Às terras de ninguém, nas margens das cidades do outros.

 

Os filhos destes pastores são raptados com frequência. Os pais são obrigados a vender o gado, para pagar os resgates. Os ladrões sentem-se mais protegidos quando roubam aos pobres.

 

publicado por victorangelo às 21:47

twitter
Novembro 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

12
15
16

17
23

24
25
26
27
28
29
30


<meta name=
My title page contents
mais sobre mim
pesquisar
 
links
blogs SAPO