Portugal é grande quando abre horizontes

02
Fev 10

 

Alguém amigo dizia que eu deveria ir ao médico, por causa do stress que dá lume aos meus dias correntes. Que é preciso cuidado e cuidar-se. Pensei, mas não o disse, que talvez fosse melhor ir ver um dos marabus famosos que existem por estas terras. Sabem preparar uns amuletos muito eficazes. Nesta fase, preciso de vários, que me protejam durante os tempos de conflito e de confusão que se aproximam. É que gerir uma situação que tem que ver com o futuro de milhares de pessoas não é água cristalina. Por exemplo, a arte de encontrar o equilíbrio entre a verdade e a diplomacia requer um amuleto especial. E palavras apropriadas, como que vindas da sabedoria antiga de um velho adivinho.

 

Há vinte anos, quando vivia na Gâmbia, entrei pela primeira vez em contacto com o mundo dos marabus. Um misto de guias espirituais, velhos sábios e letrados da religião. Como em tudo o que é liderança, há no marabu uma boa dose de ilusão. Nalguns casos, trata-se mesmo de charlatanismo. Mas os meus amigos marabus foram sempre escolhidos entre os que eram mais guias e menos inventores de futuros. Havia nessa altura, a cerca de 450 quilómetros de Banjul, perto da cidade de Basse, um velho marabu que era famoso em toda a região. Tinha eu um colega que trabalhava junto do Secretário-geral da ONU em Nova Iorque. Cada vez que recebia um olhar mais duro do SG fazia a viagem dos Estados Unidos até aos confins da Gâmbia, à procura de conselho e duma mezinha que o tornasse novamente querido. O velho marabu ajudou-o muito. Só que o colega tinha a mania das grandezas. Quando conseguiu ser promovido a um posto importante - que amuleto terá feito esse milagre? - abusou e acabou por ser demitido. Nessa altura já não houve marabu que lhe valesse, pois o velho feiticeiro havia entretanto viajado para a terra dos antepassados.

 

Sempre tive uma certa admiração por esses homens, que misturam ritual com psicologia, tacto humano com distanciamento, tranquilidade com a dose exacta de palavras proferidas, e que se rodeiam de uma corte de auxiliares, o que aumenta o seu misticismo, poder e influência. São também grandes manipuladores de homens. Comerciantes da ansiedade, da fraqueza, da incerteza, gestores dos receios dos outros. Aumulam uma riqueza incalculável ao longo da vida. O de Basse, por exemplo, tinha vários automóveis novinhos em folha, nas suas garagens. Oferecidos pelos que o consultaram. Nunca aprendeu a conduzir. Mas sabia, que no mundo dos amuletos, ´dos talismãs, dos símbolos, como no mundo da política, o que conta é a fé.

 

publicado por victorangelo às 21:26

twitter
Outubro 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
12

13
14
15
17
19

22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


posts recentes

O marabu dos meus sonhos

subscrever feeds
<meta name=
My title page contents
mais sobre mim
pesquisar
 
links
blogs SAPO